#457b9d

Carta da redação

No que você está pensando?

PUBLICIDADE

A equipe da ELLE reúne gerações que cresceram em diferentes momentos da evolução dos meios de comunicação. Tem a turma nascida na década de 1970, que trocava cartas pelo correio e tomava bronca do pai por ficar horas pendurada no telefone (o termo "pendurada" fazia sentido, porque o telefone tinha fio). Tem os millennials, a geração que cresceu exatamente junto com as redes sociais e diz adorar rosa e não saber separar muito bem a vida online da offline. E tem a Lelê também, que é mais nova do que o Google, lembra-se vagamente de ter visto um orelhão quando era beeem pequena e criou seu primeiro blog, sobre o Jonas Brothers, aos 8 anos de idade.

No dia a dia do site e nas edições mensais da ELLE View, tanto os mais analógicos quanto os nativos digitais se jogam no mundo online para não deixar escapar nenhuma informação. Mas este mês o mergulho foi mais profundo: nós nos embrenhamos no universo das redes sociais para entender o quanto elas mexeram e mexem com nossa autoestima, saúde mental, nossas visões de beleza, de moda e de mundo.

Na reportagem Dez anos de feed, recordamos alguns dos principais acontecimentos que marcaram as redes na última década. Lembra quando aquilo tudo era só mato? Role a tela e mate as saudades do Harlem Shake, do sofá de pallet no Pinterest e daquela época de pôr do sol #nofilter, que inundou o Instagram.

PUBLICIDADE

O Instagram, por sinal, foi o ponto de partida para esta edição. A rede, criada em 2010, completa uma década neste mês de outubro e mudou a maneira como nos relacionamos com a moda e com a nossa própria imagem, como mostra a reportagem Um relacionamento em constante DR. Criou novas possibilidades de arte e também de protesto – ou os dois juntos, como você vai ver em Arte, política e hashtags. E, além de incorporar novas ferramentas, a plataforma também foi transformando seu propósito a partir de iniciativas dos próprios usuários – ou você acha que o feed parou naquelas fotos de pés para cima com vista para o mar? Em Profissão: produtor de conteúdo, nós analisamos como o Instagram tem se tornado cada vez mais uma fonte de informação e debates, em vez de uma mera distração visual.

Da mesma forma, os grupos e comunidades virtuais também evoluíram bastante desde os tempos do Orkut. Na reportagem Humano, esse ser social, conversamos com criadores de grupos no Facebook que montaram espaços virtuais de apoio e fortalecimento para causas importantes, como o combate ao assédio e ao racismo.

PUBLICIDADE

Mas o mundo online, a gente sabe bem, está longe de ser o paraíso da democracia e da troca de ideias. O questionamento sobre os efeitos perniciosos das redes sociais entrou nos trending topics com o lançamento do documentário O Dilema das Redes, na Netflix. Nós conversamos com o diretor, Jeff Orlowski, e com uma das principais fontes do filme, o especialista em ética Tristan Harris, para saber mais sobre o tema e tentar descobrir possíveis soluções para não virar refém dos algoritmos nem sair quebrando potes para pegar o celular.


Nessa busca por caminhos, conversamos ainda com duas pessoas que, cada uma à sua maneira, estão encontrando um jeito de lidar com as redes sociais de forma mais saudável. Manu Gavassi, uma veterana digital aos 27 anos, detalha em longa entrevista como é a sua relação com esse universo, como encara os comentários e tenta equilibrar privacidade e exposição pós-BBB – tudo isso ainda comandando sua própria agência e sendo apelidada de rainha do marketing online (não somos nós que estamos dizendo, são as redes). No editorial de capa, ela interpretou dez diferentes personas que existem dentro de todos nós nas redes sociais, escolhidas por meio de uma votação aberta no nosso site. De acordo com vocês, os nossos três principais moods envolvem compartilhar arte, música e poesia; consumir muitos memes e, ainda, estar sempre desejando dar um tempo das redes sociais (sem nunca conseguir). Outra fonte de bom senso em meio à loucura das tretas internéticas é Emicida. Autor de frases frequentemente repostadas no Twitter (ou não: muitas são erroneamente atribuídas a ele, avisa o músico), Emicida fala sobre moderação no uso das redes sociais, cancelamento e outros tópicos numa entrevista imperdível. Confira em Fado sensato", coisa nenhuma.

Por fim, também ouvimos a opinião do nosso open casting. O ensaio de moda da edição, Código aberto, é estrelado por leitores da ELLE, que postaram fotos no Instagram com a hashtag #olhaelle. Além de gravarem depoimentos sobre as redes, os 11 escolhidos para o editorial posaram com looks em que a liberdade dá o tom e, como prega a leitora Caroline Pradella, cada um é seu próprio padrão.

A edição traz ainda reportagem sobre a beleza no YouTube, uma linha do tempo do autorretrato, a história do Twitter, o que é aesthetics e, claro, a gente não podia deixar de falar deles: memes. Tava lavando o cabelo? Vem que a gente explica tudo.

Boa leitura!

@nathalialevy
@patricia.oyama