#fff

Contatos imediatos (ou quase)

Há mais de 30 mil anos, no que é hoje o sul da França, alguém contornou uma mão em uma parede de pedra. Esse registro, uma das muitas pinturas rupestres na caverna Chauvet-Pont-d'Arc, é um tipo de contato com o futuro feito por alguém que certamente não conseguiria nos imaginar. É um comportamento que ainda reproduzimos.

PATROCINADO • CONTINUE ABAIXO

Em 1977, as sondas. espaciais Voyager foram lançadas com discos fonográficos a bordo, os Discos de Ouro. Em caso de encontro com alguma civilização avançada, eles serviriam como introdução à vida na Terra, com imagens e sons diversos. Ambas já ultrapassaram o Sistema Solar. A gravação que carregam tem, entre outros, sons de vento, cantos de pássaros, risadas, músicas de Mozart e Chuck Berry e cumprimentos em 55 idiomas. Entre eles, há em mandarim: "Espero que todo mundo esteja bem. Estamos pensando em vocês."

Ondas eletromagnéticas propositalmente criadas por humanos se propagam pelo espaço há mais de um século. E, desde o começo dessa história tem alguém pensando em contato extraterrestre, em 1899, o inventor Nikola Tesla ouviu algo estranho em seu receptor e logo pensou que vinha de Marte. (Não vinha.) Hoje máquinas vasculham os céus ativamente em busca de sinais de vida inteligente extraterrestre, ou SETI (Search for Extraterrestrial Intelligence).

O bilionário Yuri Milner investiu US$ 100 milhões no programa Breakthrough Listen para investigar 1 milhão de estrelas e os centros de 100 galáxias. A iniciativa, a maior do tipo no mundo, foi apoiada por Stephen Hawking e liberou sua primeira leva pública de dados em 2016. "Em um universo infinito, deve haver outras vidas. Não há questão maior que essa", disse o físico.

As buscas por inteligência extraterrestres se dão principalmente pela análise de ondas de rádio captadas por radiotelescópios. Em meio ao barulho, procura-se sinais produzidos artificialmente, com "tecnoassinaturas" que evidenciariam o uso de tecnologia.

O tempo entre transmissão e captação depende do espaço entre os pontos. É onde mora um dos maiores obstáculos: apesar de viajarem na velocidade da luz, as ondas têm de atravessar distâncias de até milhões de anos. É teoricamente possível, portanto, que tenhamos chegado cedo ou tarde demais para ouvir.

Mas há chances, pelo menos matemáticas, de a vizinhança não estar vazia. Em junho de 2020, cientistas da Universidade de Nottingham calcularam que há condições de existência para ao menos 36 civilizações inteligentes só na Via Láctea. Isso não significa que elas de fato existam, nem que existiriam ao mesmo tempo que a nossa, mas o resultado alto é potencialmente um bom sinal.

"Se descobrirmos que a vida inteligente é comum, isso revelaria que nossa civilização poderia existir por muito mais do que algumas centenas de anos. Se descobrirmos que não há civilizações ativas em nossa galáxia, é um mau sinal para nossa existência a longo prazo", explicou Christopher Conselice, um dos autores do estudo, à CNN.

Ao buscar por vida inteligente extraterrestre, continuou Conselice, mesmo que não achemos nada, estamos descobrindo nosso próprio futuro. Mas como? Para entender essa conexão, é preciso, antes, descolar-se da visão antropocêntrica reinante.

"Nossa sociedade [ocidental] é orientada por uma cosmogonia primordialmente judaico-cristã, que trata o mundo como algo criado pela vontade divina para servir aos seres humanos, especialmente o homem", fala o filósofo Alexey Dodsworth, que pesquisa futurismo e bioética, entre outros temas. "Isso gera um problema atual. Na época de Cristo, mesmo uma pessoa muito poderosa que procurasse dominar a natureza não conseguiria causar o grau de destruição que conseguimos hoje com a nossa tecnologia."

Ao evidenciar que a criação do universo não se deu ao redor dos humanos e que há um longuíssimo histórico de formas de vida que surgiram e foram extintas ao longo de bilhões de anos no planeta, o conhecimento científico também evidencia a fragilidade da existência da nossa espécie. Por isso, identificar e prevenir-se de ameaças de extinção tornou-se tema de estudo fundamental.

Além de ações imprevisíveis (como a queda de asteroides), alguns dos problemas em potencial incluem a piora do desequilíbrio climático e as guerras nucleares. Como foi nosso desenvolvimento tecnológico que criou essas possibilidades, a lógica é a seguinte: se soubermos que outras civilizações tecnológicas conseguiram sobreviver ao seu próprio progresso sem se destruírem, temos chances de fazer o mesmo.

"Não há nada que indique que somos especiais além de nossa própria vaidade", pontua Dodsworth. Em resumo? A essa altura do campeonato, não estarmos sozinho no universo seria uma ótima notícia.

Contato entre terráqueos

Talvez tanto silêncio seja porque escutamos o universo há pouco tempo. O primeiro conjunto de telescópios para pesquisa SETI em tempo integral, por exemplo, começou a funcionar só em 2007. Ele é comandado pelo californiano SETI Institute, fundado nos anos 1980 e dirigido por décadas pela astrônoma Jill Tarter. Seu trabalho, aliás, inspirou a protagonista de Contato, o best-seller escrito por Carl Sagan adaptado para o cinema.

Tarter descreve os seres humanos como o que acontece quando uma mistura primordial de hidrogênio e hélio evolui por tanto tempo que começa a se perguntar de onde veio. Ela tem absoluta confiança na pergunta, já que as pistas não param de chegar. "Há vida no ácido borbulhante ao redor dos vulcões. Há vida no gelo. Há vida no fundo do oceano em volta das fontes hidrotermais", disse. "Precisamos parar de projetar o que pensamos sobre aquilo que ainda não sabemos."

Para ela, mesmo que estejamos ainda imersos em diferenças, é plausível que o contato com uma vida extraterrestre tivesse efeito unificador. "É o equivalente filosófico de mostrar um espelho para cada indivíduo no planeta e dizer: 'Estão vendo? Vocês são todos os mesmos quando comparados a outra coisa lá fora'", explicou.

Construir uma visão planetária desde já pode ser um jeito poderoso de, enfim, aliar progresso e cuidado. "Em um mundo finito – e a Terra é definitivamente finita –, uma perspectiva cósmica não é um luxo, é uma necessidade. Então eu continuo tentando encorajar as pessoas a pensarem sobre si mesmas dentro de um quadro maior", disse Tarter.

Contato ancestral

Um dos capítulos mais formidáveis das navegações se deu a bordo de longas canoas de madeira, sem cartografia, mas com estrelas como guia: era o povo polinésio, que ocupou ilhas separadas por até milhões de quilômetros no Pacífico. Tudo muito antes dos europeus chegarem à América.

O capitão James Cook, célebre explorador britânico, foi testemunha ocidental desses saberes. Em 1769, no Taiti, conheceu Tupaia, navegador e sacerdote polinésio. Perguntado sobre os arredores, o nativo mapeou 130 ilhas em um raio de 3,2 mil quilômetros e conduziu os europeus, sem falha, por meses. Além da memória impressionante, Tupaia mostrou ter contato próximo com os locais de cada ilha, membros de uma espaçada família acostumada a navegar como quem caminha.

A aventura começou há 3 mil anos, quando novas tecnologias de navegação foram levadas pelos austronésios aos habitantes das ilhas e dos arquipélagos da Melanésia, que se expandiram para o leste. Os descendentes desse encontro, os polinésios, criaram embarcações ainda mais estáveis e progrediram na ciência de empregar sinais celestes e naturais, como correntes marítimas e padrões de voo de pássaros, para viajar mais longe.

Acredita-se que foi dessa forma que ocuparam o remoto Triângulo Polinésio, delimitado por Nova Zelândia (onde desembarcaram no século 13), Havaí (século 10) e Rapa Nui (nome original da Ilha de Páscoa, século 13). Um novo estudo genético da população de Rapa Nui, divulgado em julho de 2020, apontou que os polinésios podem ter inclusive chegado à América do Sul, onde hoje está a Colômbia, e levado pessoas de lá de volta à ilha. Para completar a proeza: esses conhecimentos de navegação eram transmitidos apenas oralmente, entre as gerações.

"Sem mapas, compassos, escrita ou metal, eles conseguiram colonizar o maior oceano do planeta", resume Christina Thompson, autora do livro Sea People: The Puzzle of Polynesia. "Foi algo que ninguém tinha feito antes e que não se repetiu até o século 16, quando europeus chegaram com navios muito maiores, um arsenal muito diferente de ferramentas e uma compreensão muito diferente da geografia e do mundo."

Com a posterior colonização das ilhas da Oceania, o ensino eurocêntrico de história e sociedade acabou por eclipsar os feitos polinésios, causando uma espécie de apagamento cultural. As navegações ganharam contornos de fábula e, por pouco, os saberes dos antepassados não foram perdidos.

Em Satawal, uma minúscula ilha na Micronésia, morava um dos últimos navegadores tradicionais, Mau Piailug. Foi ele quem ensinou os membros da então recém-criada Polynesian Voyaging Society. Em 1976, seus alunos fizeram uma canoa tradicional batizada de Hokule'a, a "estrela da alegria", e navegaram-na do Havaí ao Taiti – 4,2 mil quilômetros. Ficou comprovada, para os tempos atuais, a eficácia dos métodos antigos.

Foi o marco de uma renascença marítima e ancestral. Em sua última visita a Mau, que faleceu em 2010, o navegador havaiano Nainoa Thompson já tinha se despedido do mentor quando surgiu uma dúvida importante. "Eu lhe perguntei: 'Quando aprendemos navegação, estamos aprendendo você?' Ele disse que sim. 'Por isso, enquanto nós a ensinarmos, você vai estar sempre conosco?' E ele disse que sim. Respondi: 'OK, então te vejo em breve'". Em seguida, Thompson deixou a cabana e entrou na água.

Contato imperioso

No Globo de Lenox, que esboçou o mundo conhecido em 1504, está a frase hic sunt dracones, latim para "aqui há dragões", sobre o desenho da costa leste asiática. Mapas antigos como esse costumavam ser ilustrados com seres mitológicos para indicar os perigos do inexplorado. Tente imaginar-se num tempo em que simplesmente não se sabe o que existe depois do horizonte. Pode ser uma cachoeira gigante ou o fim de um domo erguido por uma tartaruga. Por que se arriscar na exploração?

Há quem investigue se é alguma predisposição genética, algo que teria ajudado o Homo sapiens a prevalecer enquanto outras espécies desse gênero foram extintas. "Poderia-se até chamar de traço de loucura", sugere o filósofo Alexey Dodsworth. "A humanidade como um todo, independentemente da cultura, tem esse traço exploratório. A diferença é no modus operandi ético desse deslocamento."

Quando o Lenox foi desenhado, a Europa vivia um novo capítulo desse longo desbravamento: a era das Grandes Navegações, período de expansão marítima entre os séculos 15 e 17. Os europeus estavam fragmentados em diversos reinos, mas mantinham um senso de identidade comum perante o "outro", fundamentado em considerarem-se o ápice da civilização terráquea.

Era essa perspectiva que guiava os portugueses quando as caravelas, buscando rotas comerciais para a Ásia, esbarraram no Brasil. O primeiro contato entre um dos povos originários e os portugueses, no atual litoral baiano, parece ter sido amistoso, embora já tingido por tais julgamentos. De volta a Lisboa, não foi fácil encaixar os misteriosos indígenas brasileiros na concepção de mundo vigente – chegou-se a teorizar que aquele seria o Paraíso perdido, inclusive.

Como explica Rubens Panegassi, professor de história moderna e contemporânea da Universidade Federal de Viçosa, o deslumbre durou pouco: logo a figura estereotípica do exótico se adaptou à novidade. Nas alegorias dos continentes que circulavam em escritos e nas artes, "associa-se a Ásia com libertinagem, a América com selvageria e a África com aridez, enquanto a Europa seria moralmente superior", diz ele.

A narrativa europeia sobre sua própria expansão também deixava de lado a rica movimentação no resto do planeta, colocando também Estados contemporâneos conhecidos dos europeus – a exemplo dos impérios russo, etíope, chinês e, posteriormente, inca e asteca, já dentre os "selvagens" – no papel de coadjuvantes de uma jornada quase mítica de "descobrimento" e ocupação do chamado Novo Mundo.

"De fato é uma narrativa hegemônica, mas há cada vez mais preocupação em fazer uma história descentralizada, em atar esses nós de diferentes narrativas pensando na composição de uma história mais global e conectada", fala Panegassi. Não é uma reflexão trivial. A história com a qual temos contato, vale lembrar, sempre depende de quem conta.

O não contato como sobrevivência

Rigidamente hierárquicos, os europeus aplicavam seus referenciais ao diferente. Povos que correspondiam em algum grau a suas ideias de cidade, lei, escrita ou comércio, por exemplo, possuíam certo nível civilizatório. Como os indígenas brasileiros estavam fora dessa estrutura, foram vistos como selvagens ingênuos, que deveriam ser resgatados de seu obscurantismo e inseridos na civilização – uma mentalidade que persiste em uma parcela da população do país até hoje.

No século 16, estima-se que havia milhões de indígenas no território brasileiro. Grande parte foi dizimada principalmente pelas epidemias trazidas pelos colonizadores, mas também por extermínio, guerra e escravização. Hoje, somam cerca de 900 mil. A maioria habita terras indígenas e segue envolvida em lutas existenciais, agora contra grileiros, fazendeiros e garimpeiros.

Entre eles estão os povos indígenas em isolamento, aqueles que têm pouco ou nenhum contato com outras pessoas. O governo reconhece 115 registros de grupos, em sua maioria na Amazônia. É a maior concentração do tipo no mundo. De vez em quando, surgem imagens de encontros inesperados, oferecendo um vislumbre rápido dessas possibilidades atemporais de vida.

"Esse isolamento nem sempre é voluntário", esclarece Tiago Moreira, antropólogo e pesquisador do Instituto Socioambiental (ISA). "À medida que frentes de exploração avançam, a tendência desses povos é procurar áreas mais isoladas dentro do território." O não contato é, portanto, uma medida de sobrevivência.

Só entre 1946 e 1988, a Comissão Nacional da Verdade estimou que ao menos 8.350 indígenas foram mortos e milhares mais sofreram graves violações de direitos humanos pelas mãos do Estado, direta ou indiretamente. Em um universo tão hostil, os isolados se esconderam do perigo, muitas vezes fragmentando também suas relações com outros povos da mesma família.

Atualmente, as equipes da Funai se dedicam a monitorar seus territórios e buscar vestígios recentes, como roçados e ferramentas, para manter-se a par da situação. O contato com os isolados só é permitido em casos excepcionais, como ameaças e situações de risco. Não foi sempre assim. Pouco antes da Constituição de 1988, a Funai ainda trabalhava com Frentes de Atração, que tinham como objetivo justamente contatar e "pacificar" os povos originários (então em constante conflito com os posseiros incentivados pelo regime militar) e integrá-los à sociedade.

O caso mais emblemático de não contato se dá atualmente na Terra Indígena Tanaru, em Rondônia, onde um povo se resume a um último indivíduo: o Isolado do Tanaru, que vive sozinho desde que sua família foi massacrada por fazendeiros há duas décadas. Ele tem 23 hectares restritos para si. Seu nome e cultura são desconhecidos.

Altair Algayer, ex-madeireiro e coordenador da unidade da Funai na região, é quem melhor conhece o indígena (a distância, naturalmente). Ele considera sua opção pelo isolamento como a maior prova de resiliência: "Mesmo perdendo tudo, como o seu povo e uma série de práticas culturais, provou que, sozinho no meio do mato, é possível sobreviver e resistir a se aliar com a sociedade majoritária".

Com a intensificação do desmatamento e do garimpo na Amazônia, Moreira afirma que o nível de ameaça aos povos originários, isolados ou não, nunca foi tão grande. A situação se agravou com o avanço do coronavírus, que já matou mais de 450 indígenas, incluindo anciões considerados "bibliotecas vivas" das florestas.

Para o antropólogo, mesmo que ali habitem pessoas que nós nunca venhamos a ver, é papel de toda a sociedade brasileira – resultado do encontro fatídico em abril de 1500 – garantir a proteção aos territórios indígenas. "Seria uma reparação histórica urgente", arremata.

Contato original

Em 7 de junho de 2020, a Estação Espacial Internacional recebeu a ligação de um navio no Pacífico: Kathy Sullivan queria contar a novidade. Mais cedo, em um submergível, a astronauta e oceanógrafa mergulhara quase 11 mil metros para chegar à Depressão Challenger, na Fossa das Marianas. Entrou para a história como a única pessoa a visitar o espaço e o ponto mais fundo do oceano.

Sullivan descreveu a paisagem do solo oceânico como "lunar". Curiosamente, enquanto existem mapas tridimensionais que detalham cada cratera da Lua, mais de 80% dos oceanos seguem inexplorados. A própria Challenger só foi visitada por 8 pessoas, cinco delas nos últimos meses.

A expedição que a pioneira integrou faz parte de um projeto privado de descobrimento da zona hadal, a camada inferior dos oceanos. É tão profunda que seu nome é uma homenagem a Hades, deus grego do submundo e dos mortos. A surpresa é que ela está repleta de vida em seus habitats mais extremos, como as fontes hidrotermais, fissuras na crosta terrestre que expelem água aquecida com diversos minerais.

Nesse oásis improvável – que Sullivan já chamou de "aquelas miraculosas fontes das profundezas" e "vida alienígena aqui neste planeta" –, bactérias surgem aos montes e alimentam um rico ecossistema sem acesso à luz solar. Os primeiros micróbios podem ter aparecido espontaneamente em ambientes similares, há bilhões de anos.

Cada contato com elas revela um punhado de novas espécies que existem em condições extremas como essas, as chamadas "extremófilas". São ponto de interesse também para a astrobiologia, que estuda as possibilidades de vida em outros planetas, já que mostram como organismos poderiam viver onde há água líquida longe do Sol – como em Europa, uma das luas de Júpiter.

As fontes hidrotermais foram descobertas em 1977. Faz pouco tempo, portanto, que o fundo do mar começou a revolucionar uma das perguntas mais antigas da humanidade: qual é a origem da vida? A resposta pode estar, enfim, vindo à tona.