#ffffff

"Fado sensato", coisa nenhuma

Dedicado a compreender a vida através do olhar das crianças, Emicida lança seu segundo livro infantil e fala sobre como calibrar o uso das redes sociais para que trabalhem a favor de sua carreira – e sem virar refém de likes.

PUBLICIDADE

Foto: Júlia Rodrigues

Cerca de cinco anos atrás, Emicida começou a perceber que seu dedão parecia vacilar quando tocava MPC – uma espécie de bateria eletrônica comum no universo do rap. Efeito do hábito constante de "arrastar a tela", logo supôs. Foi o início do que seria uma grande mudanças de hábitos. "Comecei a tratar isso como um sintoma. Cronometrava quanto tempo ficava com o aparelho na mão."

Hoje, uma rápida olhada em seu perfil no Instagram dá uma pista de como ele se relaciona com as redes: apesar de seus mais de 2,2 milhões de seguidores, segue de volta apenas a própria empresa, Laboratório Fantasma. "Já é uma forma de dizer para as pessoas que eu não tenho uma relação pessoal com aquilo."

Profissionalmente, no entanto, as redes têm um peso importante. Lançado em maio, o projeto multiplataforma AmarElo Prisma, por exemplo, aprofunda conceitos de seu disco mais recente, AmarElo, espalhando-se em conteúdos por YouTube, Instagram, Twitter, Facebook e plataformas de streaming.

O pano de fundo das conversas que ele tem com entrevistados de diversas áreas de atuação é a ideia de que somente um ambiente de paz proporciona a serenidade e, consequentemente, a clareza necessária para refletir sobre a realidade. Em tempos de fake news e cancelamentos, como encontrar nas redes esse lugar? Se entre curtidas e comentários não vê resposta fáceis, no mundo offline ele enxerga boas possibilidades.

PUBLICIDADE

"Só vira problema se, ao contrário de um poema, em vez de nos fazer voar, nos prende como algemas", diz em seu recém-lançado livro infantil, E Foi Assim que Eu e a Escuridão Ficamos Amigas. A aventura, em meio a sentimentos assustadores, nada tem a ver com redes sociais, mas bem que poderia ilustrar sua perspectiva sobre o tema, de "amor e ódio", como ele mesmo define.

À ELLE, uma das vozes mais relevantes da música brasileira traz sua visão sobre cancelamentos, que ele relaciona com a carência das pessoas por uma religião, e sua experiência pessoal para equilibrar os benefícios que enxergou ao se permitir tirar os olhos das telas, ao mesmo tempo que sabe das possibilidades (e necessidades) que a presença nas redes traz.

A discussão sobre o papel e o impacto das redes sociais nas nossas vidas ganhou corpo com o lançamento do documentário O Dilema das Redes, mas há mais de um ano vi você recomendar a leitura de 10 Argumentos pra Você Deletar Agora Suas Redes Sociais, do Jaron Lanier, um dos entrevistados no filme. Em que contexto você entrou em contato com esse livro e esse tema?

PUBLICIDADE

Vi uma entrevista em que ele (Jaron Lanier) falava de uma maneira muito lúcida a respeito da nossa relação com as redes sociais, e eu já tinha sentido que estava lidando com isso de uma maneira patológica. Depois vi que eu não era a única pessoa que estava exagerando nas horas que passava ali e comecei a dar uma olhada na estrutura mesmo. E comecei a fazer coisas simples, tipo me distanciar do celular em todos os momentos em que eu não precisava estar com ele de fato. Ali, começou a minha relação mais saudável com esses aparelhos e as redes sociais. Passei a observar certas coisas. Por exemplo, acho extremamente desrespeitoso a gente estar conversando, você estar falando e eu pegar meu celular. E, também, convivo e convivi com pessoas tipo Dona Onete, o Wilson das Neves, a Fernanda Montenegro, que bagulho doido, nenhum deles fica nessa loucura. Todos eles, você senta e conversa. O Caetano, o Gil... Eu quero isso, sabe. Eu vou perder vários memes, mas sinceramente vou viver vários baratos. Vou ter histórias para contar.

Como você vê a relação entre as redes e a disseminação de fake news, por exemplo? Algumas pessoas têm falado em uma vilanização injusta.

Acho que no momento que a gente vive há uma tendência de abraçar teorias conspiratórias. A internet é um incentivo a isso. Não acho que a gente esteja vilanizando as redes sociais. Acho que a gente está percebendo de onde vem o problema. Poder acessar qualquer informação do mundo é maravilhoso, mas de fato existem conglomerados que estão lucrando muito adquirindo nossos dados de uma maneira obscura e vendendo isso para sabe-se lá quem. Eu não terminei de ver o filme (O Dilema das Redes), tenho uma problemática nesse debate: acho que a gente precisa dessacralizar a palavra capitalismo. Eu posso falar mal de qualquer coisa, mas eu não posso fazer uma crítica, por mais embasada e óbvia que ela seja, à estrutura capitalista, porque "meu Deus do céu, a gente está dentro do capitalismo". Não, a gente tem que fazer, sim. Essa foi a preguiça que eu comecei a sentir, porque tem toda essa reflexão de gente que ganhou muito dinheiro dentro dessas estruturas, mas que não toca nessa palavra e também não entra em um conflito direto. E acho que há uma questão política também, porque você deteriora completamente o sonho das pessoas de poder participar da vida pública dando a entender que elas estão participando, mas na verdade elas estão sendo completamente condicionadas a perder força.

"Eu vou perder vários memes, mas sinceramente vou viver vários baratos. Vou ter histórias para contar."

Como é que você se relaciona pessoalmente no ambiente das redes sociais?

Interajo mais no Twitter, porque tenho uma relação maior com a escrita e porque foi a rede onde comecei. Mas diminuí bastante o meu uso. Vez ou outra o bichinho da curiosidade me toca também (risos) e eu vou lá ver o que estão falando. Principalmente agora que a gente não sai na rua, né? Mas já está bom, porque senão começa a consumir seu dia todo e corrói a criatividade. Começa a te associar com um monte de linha de raciocínio que não é necessariamente a sua. E o legal de ser um artista, um escritor, um filósofo é ficar girando ao redor de um ponto, você vai descobrindo ideias. Senão você começa a ser puxado e a adequar seu raciocínio a um determinado grupo que concorda com você, sua vaidade vai condicionando sua arte a isso.

Com frequência seus posts no Twitter acabam viralizando, há uma série de perfis de fãs dedicados a replicar as coisas que você diz. Em que medida você reflete sobre o alcance que vai ter? Não no sentido de likes, mas sim de que forma vai impactar as pessoas.

Quando vou compartilhar um pensamento, me preocupo apenas para não falar besteira, então me informo a respeito dele. Mas tem um monte de frases que todo dia alguém reposta e não são minhas, viu? Deve ser pior para a Clarice Lispector, mas todo dia tem uma minha lá também. (risos) Mas, como eu me manifesto menos, acho que acabo tendo mais atenção de verdade das pessoas do que visibilidade. Tem uma coisa também: há momentos em que a "patrulha" das redes sociais está "in love" comigo, mas outros em que eles também estão cheios de ódio de mim. Eu não posso ficar refém das oscilações do psicológico dessas pessoas.

E isso nunca te afeta?

Não. Às vezes vem alguém e fala "eu tô super do seu lado", e eu nem sei o que está acontecendo. A primeira vez que você vê uma horda de gente falando mal de você, parece que nunca mais você vai poder sair na rua. Aí, você sai e vê que nenhuma daquelas pessoas existem na calçada. Ou pior, encontra as pessoas que online estão falando mal de você, mas elas não têm o mesmo colhão de falar na sua frente. É a forma que elas têm de angariar atenção, like, fluxo de gente na página. É um negócio. As pessoas se engajam mais em mensagem negativa, um paradoxo deprê.

Foto: Júlia Rodrigues

"Tem um monte de frases que todo dia alguém reposta e não são minhas, viu? Deve ser pior para a Clarice Lispector, mas todo dia tem uma minha lá também."

Mas deve ter vezes em que você pensa em se manifestar sobre algo e quando termina de escrever apaga tudo só por não estar com disposição para a discussão...

(Risos) Apago porque não quero virar essa pessoa do "pera aí, tem alguém errado na internet, preciso corrigir". Apago e vou viver minha vida. A gente está vivendo um momento tenso e é legítimo isso. A gente está tão indignado que quer falar, a gente quer levantar nossa voz, mas me sinto mais produtivo em outras coisas. Já fui de debater na internet, mas entendi que sou péssimo nisso porque eu não tenho paciência. Tem gente que gosta dessa energia negativa, bate, rebate, tem a tréplica do comentário, "mas você não leu tal coisa, mas você não estava em tal lugar, mas você não viu tal filme", uma competição. Isso foi sábio da minha parte, porque nem sempre tive essa visão.

Você já se manifestou dizendo que vê o cancelamento como alguém sendo questionado sobre algo que disse. Queria falar um pouco mais sobre onde você enxerga o limite para esse questionamento.

Eu já vi várias pessoas educadamente levantando um ponto, e a que está sendo questionada criar um circo, "meu Deus, eu não posso falar mais nada". E muitas vezes são pessoas que estão acostumadas a ter sua voz ouvida e acatada por muitas. Esse é um ponto, o meu ponto de até onde eu considero que tem uma importância ter voz. Porque tem aquela coisa do Umberto Eco, que falou que a internet deu voz a uma legião de imbecis. E aí eu acho que é positivo, porque antes só podia falar o imbecil que tinha dinheiro. Se a imbecilidade é aceita, vamos democratizar o acesso. Agora, é o seguinte: essa coisa de perseguir, expor, a gente precisa tomar muito cuidado. Primeiro, porque o cancelamento só tem poder de construir fogo amigo. O fã do Olavo de Carvalho não consegue cancelar a Manuela d'Ávila. Porque para cancelar tem que positivar primeiro. E vice-versa. O fã do Lula não consegue cancelar o Bolsonaro. Só isso para mim é uma motivação para pensar se é produtivo mesmo. No final das contas, acho que a gente lida com isso de uma forma doentia, porque muitas pessoas têm carência de uma religião, mas não têm colhão de abraçar uma. A gente é educado dentro de uma cultura judaico-cristã, que oferece para nós uma ideia de messias. As pessoas querem essa referência do Super-Homem, que vai restituir nossa glória. Elas têm essa carência e usam o ativismo, ou pseudoativismo. Eu acho que a gente precisa muito diferenciar quem realmente constrói alguma coisa ligada a alguma pauta que a gente chama de ativismo, quem realmente atua na construção de uma sociedade antirracista, que constrói igualdade de gênero. A gente tem que saber muito quem são essas pessoas, para não dizer que ativistas são pessoas mal-humoradas e frustradas, que dão opinião 24 horas por dia na internet. E nós não temos responsabilidade nenhuma de ninar essas pessoas. Elas que amadureçam e consigam buscar uma igreja. Até porque atingir a estrutura racista, a estrutura machista, é muito difícil. E quando você é imaturo, você se cansa de tentar, se vira para o lado e começa a perseguir seu semelhante. Só para mostrar para essa horda de pessoas frustradas que você está ativo. De alguma forma, eu quis me colocar no lugar do cancelado. Eu não quero colar com os "canceladores". Eu quero estar livre para dar minha opinião. Quanto mais saudável for a minha relação com as redes sociais, menos eu sou refém desse tipo de lógica. O "fado sensato", "nunca errou". Agora eu estou na fase "nunca errou". Toda vez que vejo isso penso: "que nada, errei pra caramba" (risos).

"O cancelamento só tem poder de construir fogo amigo. O fã do Olavo de Carvalho não consegue cancelar a Manuela d'Ávila. Porque para cancelar tem que positivar primeiro. E vice-versa."

Considerando que o trabalho de um artista hoje passa necessariamente pelas redes sociais, não só para divulgar o próprio trabalho, mas também como fonte de renda, especialmente em um ano em que quase não foi possível fazer shows, como calibrar essa relação se estamos aqui, o tempo todo, falando que o ideal seria as pessoas passarem menos tempo nesses sites?

Essa é a pergunta de 1 milhão de dólares. Já existem experiências que estão propondo o oposto. Não são poucas as empresas que estão sugerindo que a gente deveria vincular o streaming ao blockchain (tecnologia que permite rastrear do início ao fim, sem violação de dados, o envio de uma informação pela internet. Ela surgiu para viabilizar a comercialização de criptomoedas como o Bitcoin, mas pode ter outros usos). Agora, falando das formas como a gente joga e atua hoje, porque essas outras formas ainda não estão acessíveis para todo mundo, nem para compreender muito menos para utilizar. Para mim, esse aí é o dilema das redes enquanto artista, porque não quero ter que condicionar a audição da minha música a ter que ficar 24 horas dizendo "Oi, pessoal, tudo bem? Você sabia que eu lancei uma música?". Eu acho essa uma bifurcação muito perigosa, a gente sempre tem que ficar equalizando. Então, vou ceder nesse ponto para poder me resguardar naquele. Porque se eu for me dedicar a isso como, por exemplo, as pessoas que são influencers fazem... Artistas não são influencers. Isso a gente tem que ter muito claro. A arte precisa de tempo para evoluir, para criar, para conceber, para imaginar. Influencer é outra coisa. Tem pessoas que fazem essa intersecção de uma maneira bacana, mas eu prefiro funcionar como um artista. Se isso significar um pouco menos de visibilidade por não estar tão entregue a essas redes, eu prefiro lidar com isso.

"Quanto mais saudável for a minha relação com redes sociais, menos eu sou refém desse tipo de lógica. O 'fado sensato', 'nunca errou'. Agora eu estou na fase 'nunca errou'. Toda vez que vejo isso penso: 'que nada, errei pra caramba'."

No AmarElo Prisma, ao final dos episódios você propõe soluções para as problemáticas que aborda. Para essa questão das redes, você já disse que não enxerga uma solução simples e fácil no ponto em que estamos, mas você acaba de lançar mais um livro infantil e é pai de duas meninas. Enquanto alguém que está imerso nesse universo das crianças, como vê as possibilidades para que elas, sim, consigam lidar com as redes de maneira mais saudável e sem sofrimento?

Minha mãe saía para trabalhar e me deixava na televisão oito horas por dia, que era o que ela podia fazer. Eu posso criar as crianças de uma forma mais saudável, desvinculada disso. Sinto que tem uma coisa de a rede social adultizar as crianças. Eu sou radicalmente contra. Sinto que a Estela, que tem 10 anos, vive esse dilema. Quando a Teresa, minha filha mais nova, nasceu, provocou a mais velha a ser criança de novo, brincar, desenhar. Isso foi uma coisa que percebi, eu não impus. E aí eu estava conversando esses dias com ela sobre computador, as crianças entendem demais. Então, a gente também precisa organizar nosso tempo para dar uma atenção para elas de uma maneira que se sintam dignas de atenção. Não dá para a gente ficar andando com o celular na mão 24 horas por dia e falando "peraí, tô trabalhando, peraí, tô resolvendo um negócio". Elas vão migrar para um tablet, um celular. E não é um papo de bicho grilo de "saia completamente das redes sociais". Isso faz parte da minha geração e vai fazer parte da geração delas de uma forma mais profunda ainda. É preciso criar um nível de qualidade na relação para que elas não fiquem presas ali.