Cadastre-se em nossa newsletter para ler este e outros artigos.

Doses semanais de moda, beleza, cultura e lifestyle, além, é claro, de todas os lançamentos da ELLE!
Inscreva-se gratuitamente.

  • ASSINE NOSSA NEWSLETTER
  • O melhor da ELLE direto no seu inbox! Inscreva-se gratuitamente.
  • INSCREVA-SE AQUI
PUBLICIDADE

Os últimos meses foram palcos para diferentes descobertas pessoais, e isso também inclui revelações capilares. Quem sempre deixou o cabelo curtinho pode ter encontrado em si uma nova faceta com os fios mais longos. As franjas também vieram para ficar em quem sempre teve curiosidade mas nunca apostou no look. Em 2021, o cenário não será diferente, a palavra da vez é movimento e para os cortes de cabelos cacheados não deve ser diferente.


Especializados em cabelos crespos e cacheados, os cabeleireiros JP Freitas, de São Paulo, Thais Amaro, do Rio de Janeiro, Priscilla Pêgo, de Belo Horizonte, e Aline Moura, de Porto Alegre, perceberam algumas mudanças no comportamento da clientela, algo que deve permanecer nos próximos meses. "Muita gente saiu do cabelo extra longo para um médio, de um médio para um cabelo curto e muita gente cortou franja – foi uma febre porque é uma forma rápida de mudar o visual", conta a também beauty artist Priscilla Pêgo, que atende em seu próprio salão no bairro de Santo Antônio.

Para a profissional, 2020 foi ano de deixar de "cortar só as pontinhas" e os mais pedidos foram cortes dramáticos e muita franja. Afinal, transformar o visual pode ser um aliado em momentos instáveis. "Quando a gente vive situações em que não temos controle, tipo essa pandemia, nós, enquanto seres humanos, vamos tentar controlar e mudar o que dá. Uma forma muito fácil de externar esse desejo é com o cabelo", reflete a cabeleireira mineira.

PUBLICIDADE


Na capital gaúcha, a cabeleireira Aline Moura, que atende a domicílio, acompanhou o crescimento da vontade por mudanças radicais. "Cortes para se ver diferente. O contexto de isolamento também fez com que as pessoas começassem a se perceber e entender o que podem fazer em si mesmas", explica a profissional. De maneira evidente, o tempo em casa colaborou para o pontapé inicial. "Falo das minhas clientes porque a maioria são mulheres cis, mas elas trazem a questão de fazer cortes que sempre quiseram mas não se sentiam à vontade. Nesse momento, acabam tendo coragem para fazer", conta Aline.

O cenário não está restrito às mulheres, todo mundo, de certa forma, viveu a sua própria revolução interior. No Rio de Janeiro, muitos clientes de Thais Amaro, que atende no Salão Azul em Botafogo, gostaram tanto do que viram que mudaram de estilo: "Muitos homens se perceberam cacheados e ondulados. Não sabiam que tinham esse tipo de cabelo porque sempre fizeram curtinho na máquina. Agora, eles só querem cortar na tesoura para manter os cachinhos, então atendi esse homem que agora quer manter porque adorou".

PUBLICIDADE


O tamanho dos fios também foi uma questão em São Paulo. No caso das clientes do cabeleireiro JP Freitas, que mantém salão no bairro do Alto da Boa Vista, o cabelão ainda é requisitado: "A busca pelo crescimento é maior. O número de mulheres que cujos cabelos não passaram do ombro é gigante, por isso esse desejo. Porém, acredito que será passageiro pelo fato do comprimento proporcionar muito peso no movimento dos fios". O desejo deve se manter no ano que vem, se tornando uma das tendências mais requisitadas para cortes de cabelos em 2021, assim como as franjas, os supercurtos, o tapered cut e heart shaped cut. Saiba o que pensa quem entende do assunto sobre os visuais que vão bombar no futuro:

Cacheados ou crespos com camadas combinadas

Versáteis e em movimento, os cortes em camadas para crespas e cacheadas têm a ver com volume e possibilidades de penteados. "Percebo uma tendência de manutenção de cortes que dão movimento. As pessoas têm essa relação de mais comprimento, mas que seja um longo com movimento em camadas, seja a partir de um repicado ou desfiado", conta a gaúcha Aline Moura.

O corte funciona em comprimentos variados, mas foi especialmente requisitado para os fios mais longos. "Movimento foi a palavra que ouvi muito nas demandas. Praticamente todas as pessoas trouxeram isso: não quero perder tamanho, mas quero mudança. Observo que isso tem a ver com o processo de percepção de si, então mudam o que podem no momento – o cabelo, a unha… ", lembra a cabeleireira sobre os últimos meses.

Inclusive, Aline ofereceu acompanhamento para quem ficou com dúvida sobre como cuidar dos cachos em casa. Seja como cortar as pontinhas, truques para mais definição ou o que a pessoa está em busca: "Tem coisas que se repetem, mas partindo da conexão com o cuidado que ela já faz. Dou uma orientação do que pode prejudicar, a gente vai aprendendo muito junto".

A manutenção do corte em camadas pode variar pelo tamanho e textura dos fios, mas parte principalmente das necessidades de cada cabelo. A cabeleireira Priscila costuma ver caso a caso: "As camadas têm uma variação enorme de tempo porque tem gente que segura o corte muito bem. Até seis meses, sabe? Mas tem gente que está aqui de dois em dois meses".

Tapered cut

"Com certeza, um dos cortes mais desejados foi o tapered, laterais e nucas mais curtas com franja alongada", aponta JP Freitas, profissional há 20 anos especializado em cabelos crespos, cacheados e ondulados. Estilosos, frescos e modernosos são uma boa pedida nos meses de calor.

Segundo as adeptas, o estilo é popular para quem está passando por transição capilar. Há diferentes referências de famosas que adotaram o look, como Alicia Keys e até mesmo Rihanna. Ele valoriza o volume natural dos fios e pode ganhar detalhes na régua, como desenhos geométricos.

Cacheados com Franjas mil

Queridinhos da quarentena, os variados estilos de franja não vão embora tão cedo já que os medos envolvendo franjas cacheadas também estão sendo desmistificados. "Tem muito a ver com a quebra de paradigmas. As pessoas já vinham há muito tempo querendo ter, agora tem mais referências em cacheados curtos, por exemplo", explica Aline Moura. Ela completa: "Era algo que não tinha tanta visibilidade, tinha uma certa imagem de um corte que atendia a cabelo mais liso".

Entre as mais pedidas entre as clientes cariocas da cabeleireira Thais Amaro, a versão shaggy foi uma recordista: "está se usando bastante para cacheada, a franja um pouquinho mais pesada, que pega a parte lateral também". Como uma moldura, os fios acompanham o formato do rosto e são capazes de transformar visuais completos. No caso de Thais, a referência para o combo franja + comprimento foi a atriz Juliana Paes. "Ela deixou o cabelo cacheado e todo mundo adorou aquele volumão. Esse é o estilo que mais apresentam, pessoas de todas as texturas querem um corte parecido com aquele", diz sobre os pedidos. Para a atualização do estilo, aposte em franjas assimétricas.

Supercurtos

Os curtinhos brilharam neste ano e devem continuar roubando a cena no ano que vem. Nos fios curtos para cacheados e crespos, o desejo tem a ver com liberdade. "Uma coisa que vai se manter, algo que vejo como uma crescente, é essa coisa do movimento do volume e da leveza. Essa palavra tem sido bastante usada, acho que é uma forma de simbolizar a falta de obrigação de definição", pondera Priscilla Pêgo.

Há também uma busca por cortes mais radicais, que em muitos casos incluem as tradicionais máquinas. Para Aline Moura, isso tem a ver com o avanço em discussões relacionadas a padrões: "Vejo os cortes de barbearia como uma crescente, como os curtos disfarçados e os com mais degradê. Esses cortes vêm associados à experiência que muitas clientes tiveram quando tentaram acessar espaços para um corte diferenciado. Eram muitas vezes não atendidas ou valores diferentes eram cobrados por um corte feminino".

Heart shaped out

O heart shaped cut significa, literalmente, formato de coração. Nos cabelos crespos e cacheados, o corte já vem sendo explorado mas continua ganhando novas atualizações. Em vez de optar pela risca na metade do cabelo, muitas adeptas estão usando repartido ao lado. Isso também inclui franjas, como a shaggy, ou ainda mais curtinhas, há muito para ser explorado. Para alcançar o formato especial, a cabeleireira Thais Amaro explica: "você parte do corte em camadas para assim conseguir o formato de coração". A manutenção do corte vai variar da textura dos fios, mas a profissional costuma indicar pelo menos um retorno a cada dois ou três meses.


Como reflexo de um retorno cada vez mais forte ao cabelo natural, o volume dos fios volta a ser celebrado. Corte em camadas, mullets, shaggy hair e franjas prometem brilhar nos próximos meses.



Tenha acesso a conteúdos exclusivos
ASSINE A ELLE