Cultura

Associação Pivô realiza leilão de arte

A nona edição do evento promovido pela instituição cultural reúne trabalhos de mais de 130 artistas. O pregão online será no dia 5 de dezembro.

Venus Noire, 2020, de Antônio Obá
PUBLICIDADE

Que tal fechar o ano como feliz proprietário de uma obra de arte? O 9º Leilão Anual do Pivô é uma ótima oportunidade para começar a investir em um acervo de arte – ou crescer a sua coleção. O evento reúne trabalhos de mais de 130 artistas, entre fotos, objetos, gravuras, pinturas, esculturas e outras peças, com lances iniciais a partir de 700 reais, aproximadamente.

Nesta edição, diferentemente dos anos anteriores, o leilão será realizado online, em parceria com a plataforma iArremate. Mas quem quiser conferir as obras pessoalmente antes de dar seu lance pode ver os trabalhos no espaço do Pivô, localizado no edifício Copan, no Centro de São Paulo, observando todos os protocolos sanitários.

Entre os artistas que doaram obras para o evento estão talentos que estão despontando na cena cultural e nomes consagrados, como Anna Maria Maiolino, Antonio Obá, Leda Catunda, Lenora de Barros, Luiz Zerbini, Marcelo Cipis, Paulo Nazareth, Iran do Espírito Santo e Renata Lucas. Nesta edição, os artistas optaram entre realizar uma doação integral ou receber 50% do valor do arremate da obra.

Os valores arrecadados com o leilão são a principal fonte de financiamento do Pivô, uma associação cultural sem fins lucrativos que promove exposições, residências artísticas, cursos, intervenções e outras atividades para incentivar experimentações e debates em diferentes áreas da cultura.

PUBLICIDADE

O evento já está recebendo os lances e o pregão online será realizado no dia 5 de dezembro, a partir das 17h. Para ver o catálogo de obras participantes e saber mais informações, acesse o site do leilão.

Confira algumas obras que participam do leilão do Pivô

Venus Noire, 2020, de Antônio Obá. Aguada de aquarela.


Impossível prever como a pandemia e o isolamento forçado vão influenciar a produção artística nos próximos anos. Mas vale olhar para trás e ver como episódios dramáticos inspiraram obras e movimentos em diversos períodos.


O diretor criativo britânico, que tem dado o tom ao universo de Björk na última década, fala à ELLE sobre sua atual obsessão por pássaros, seu primeiro encontro com a cantora islandesa e sobre os significados que uma máscara pode ter.


Tenha acesso a conteúdos exclusivos
ASSINE A ELLE