Cadastre-se em nossa newsletter para ler este e outros artigos.

Doses semanais de moda, beleza, cultura e lifestyle, além, é claro, de todas os lançamentos da ELLE!
Inscreva-se gratuitamente.

  • ASSINE NOSSA NEWSLETTER
  • O melhor da ELLE direto no seu inbox! Inscreva-se gratuitamente.
  • INSCREVA-SE AQUI
Moda

Thear celebra art déco goianiense com detalhismo

Primeira e única marca do Centro-Oeste a integrar Casa de Criadores, grife de Theo Alexandre homenageia característica desconhecida da capital goiana.

Fotos: Vitor Goiano
PUBLICIDADE

Quando alguém pensa em Goiânia, possivelmente o título de expoente da arquitetura art déco no Brasil não virá à cabeça. Deveria.

O Acervo Arquitetônico e Urbanístico Art Déco de Goiânia, conjunto de 22 edifícios e monumentos públicos localizados no centro da capital de Goiás, é tombado pelo Instituto do Patrimônio Histório e Artístico Nacional (Iphan) desde 2003. Ali, o Cine Teatro Goiânia, a Torre do Relógio e a Estação Ferroviária seduzem como signos do caldeirão estético do país.

E foi na estação, onde os olhos se perdem entre linhas geométricas, cores pastel e detalhes dos vitrais, que o estilista Theo Alexandre gravou o filme da Thear em sua terceira coleção para a Casa de Criadores.

A escolha é mais do que justa, uma vez que, além de ter sido a primeira, a marca segue como única representante do Centro-Oeste no line-up do evento. Lançada em 2018, a grife apresenta roupas feitas apenas com tecidos naturais, em um esforço do fundador de "juntar sustentabilidade com uma maior experimentação de design".

O movimento artístico é interpretado nas peças com modelagens cheias de recortes, cujas linhas conversam com as colunas de um prédio típico desse estilo. Os shapes alongados, nos quais a cintura marcada foi posta de lado para dar liberdade ao corpo, guardam relação com a década de 1920, um momento estelar para o art déco na Europa.

PUBLICIDADE

Outro destaque positivo da pesquisa de Theo é a profusão de detalhes que ganham toque brasileiro. No tule de algodão, foram costurados fuxicos feitos de reaproveitamento têxtil, uma maneira de reforçar o decorativismo quase excessivo da cartilha déco. E há ainda espaço para broches e botões de cerâmicas, assim como o uso de dois sapatos oxford, criados pela marca, nos quais se vê desenhos e sutilezas.

A coleção tem previsão de chegada ao ateliê da Thear em um mês, mas já foi escalada para outro endereço. Ela poderá ser vista em uma mostra na estação ferroviária de Goiânia, em outubro, dentro da programação que comemora os 88 anos da cidade.

Foto: Vitor Goiano

Tenha acesso a conteúdos exclusivos
ASSINE A ELLE