PUBLICIDADE

O Clubhouse é um aplicativo de mensagens de voz. Mas não basta apertar o play e sair enchendo a caixa de entrada dos seus amigos de áudio, ou entrar de penetra em conversas de outros usuários, como as de Elon Musk ou até de José Bonifácio Brasil de Oliveira, o Boninho, entusiastas da nova rede social. Primeiramente, o app funciona apenas para o sistema iOS, do iPhone, e, para participar, você precisa ter sido convidado por alguém que já é membro. Os critérios de exclusividade, no entanto, aumentaram o interesse pelo aplicativo.

Desenvolvido por Rohan Seth, um ex-funcionário do Google, e por Paul Davison, empresário do Vale do Silício, o Clubhouse foi lançado em abril de 2020. Pessoas ligadas à tecnologia foram as primeiras a testarem o aplicativo. Quase um ano depois, os fundadores comemoram o sucesso da rede.

"O Clubhouse pareceu atingir um verdadeiro acorde com as pessoas e se acelerou rapidamente nos últimos dez meses — de um pequeno punhado de testadores beta para uma rede diversificada e crescente de comunidades", escreveram Rohan e Paul no blog do aplicativo.

"Na semana passada, dois milhões de pessoas em todo o mundo — músicos, cientistas, criadores, atletas, comediantes, empresários, corretores de ações, líderes de organizações sem fins lucrativos, autores, artistas, agentes imobiliários, fãs de esportes e muito mais — vieram ao Clubhouse. É a coisa mais emocionante de que já participamos."

PUBLICIDADE

A agitação em torno do aplicativo aumentou após Elon Musk, bilionário dono da Tesla, participar de um programa ao vivo, por assim dizer, no Clubhouse, junto ao presidente-executivo do aplicativo de investimentos Robinhood, Vlad Tenev. O Boninho também adotou o aplicativo para conversar com os espectadores do Big Brother Brasil sobre a viségima primeria edição do programa, e usa a plataforma para confessar detalhes que irão acontecer no programa antes mesmo de eles serem divulgados pela Globo.

Hoje, o Clubhouse conta com 600.000 usuários, entre eles Kevin Hart, Oprah Winfrey, Ashton Kutcher, Drake e Crhis Rock. A empresa, em si, já está valendo US$ 1 bilhão.

Como funciona o Clubhouse?

A plataforma funciona a partir de salas de bate-papo. Há salas sobre todos os assuntos. Elas podem ser frequentadas apenas pelos membros selecionados, ou abertas para todos, de acordo com a vontade do moderador. Para falar, basta "levantar" a mão e aguardar a autorização. Algumas sala permitem apenas que usuários participem como ouvintes.

Toda a comunicação ocorre apenas por meio da voz. Os áudios não podem ser gravados nem salvos.

Como nas demais redes sociais, cada usuário cria um perfil, com um @ exclusivo. O espaço para se apresentar no Clubhouse é relativamente grande, e os usuários costumam incluir uma breve descrição de si junto a formações, conquistas, todo que ele ou ela julgue necessário para que sua opinião seja levada em consideração pelos ouvintes de alguma sala.

Como eu faço para entrar e participar do Clubhouse?

Tela inicial do Clubhouse para quem ainda n\u00e3o \u00e9 cadastrado: "Ol\u00e1, ainda estamos abrindo, mas qualquer um pode se juntar a n\u00f3s com o convite de um usu\u00e1rio existente"

Tela inicial do Clubhouse para quem ainda não é cadastrado: "Olá, ainda estamos abrindo, mas qualquer um pode se juntar a nós com o convite de um usuário existente"

Getty Images

Por enquanto, é preciso ser convidado por alguém que já tenha um perfil no Clubhouse. Cada usuário, no entanto, tem direito apenas a um convite.

Caso você não tenha convite, pode realizar um pré-cadastro, reservar seu nome de usuário e esperar que o aplicativo seja aberto a todos. Muito possivelmente algum membro já cadastrado do Clubhouse que tenha seu número na agenda de contatos irá receber uma notificação para aprovar sua entrada no aplicativo, sem gastar um convite.

A empresa afirma que quer criar uma comunidade engajada de forma mais lenta, e se preparar para atender números altos de usuários. No site, a empresa afirma: "Estamos construindo o Clubhouse para todos e trabalhando para tornar o app disponível para o mundo o quanto antes".




Tenha acesso a conteúdos exclusivos
ASSINE A ELLE