Cadastre-se em nossa newsletter para ler este e outros artigos.

Doses semanais de moda, beleza, cultura e lifestyle, além, é claro, de todas os lançamentos da ELLE!
Inscreva-se gratuitamente.

  • ASSINE NOSSA NEWSLETTER
  • O melhor da ELLE direto no seu inbox! Inscreva-se gratuitamente.
  • INSCREVA-SE AQUI
Podcast

A volta dos desfiles físicos (na gringa!)

Marc Jacobs fez uma apresentação presencial que foi recebida como um símbolo de reabertura em países que controlam bem a pandemia. Neste episódio, contamos todos os detalhes deste desfile e outros assuntos da moda, como o calendário de alta-costura que começa hoje; o desacordo envolvendo adidas e Thom Browne; além do encerramento das atividades da Gap no Reino Unido.

PUBLICIDADE



Ouça o ELLE News em: Spotify | Apple Podcasts | Google Podcasts | Overcast | RSS | Deezer | Youtube


Se preferir, você também pode ler este podcast:

Na última segunda-feira, 28 de junho, Marc Jacobs enfim voltou a apresentar uma coleção. Ele fez isso por meio de um evento físico, um desfile de moda, em plena Biblioteca Pública de Nova York, que está localizada na Quinta Avenida.

E esse desfile lembrou um pouco a realidade que a gente estava acostumado antes da pandemia: tinha fotógrafos logo na entrada recebendo os convidados, que puderam se sentar próximos, sem a necessidade de um distanciamento social ou a obrigação da máscara.

Claro, tudo isso só foi possível porque a cidade de Nova York já conta com mais de 70% de sua população vacinada e a maioria das restrições já caiu por terra ali. Uma realidade que, é bem importante lembrar, está bastante distante da brasileira.

Marc Jacobs não só não desfilava como não desenvolvia nenhuma coleção desde fevereiro de 2020. Diferentemente dos seus colegas, ele não testou nenhum formato digital de apresentação, que ocupou o lugar dos eventos físicos nos últimos meses. Na verdade, ele ficou esses 16 meses bem longe daquilo que o tornou tão celebrado: fazer roupas e desfiles de encher os olhos.

PUBLICIDADE

Por isso, essa volta não só foi muito aguardada como agora é vista como um símbolo de reabertura. Ela é a primeira grande apresentação física de moda em Nova York, depois da pandemia. A Semana de Moda de Nova York oficial voltará em setembro com várias marcas desfilando presencialmente e o Met Gala também retornará em Setembro, mesmo que em uma versão mais enxuta.

Fora isso, as semanas de moda de outras capitais internacionais, como Londres, Milão e Paris, também avançarão na volta dos desfiles físicos e aberturas a eventos presenciais, em maior ou menor grau nesta próxima temporada.

E agora a gente comenta um pouco dessa apresentação de retorno de Marc Jacobs. No total, ela não chegou nem a dez minutos, foi muito rápida. Mas as roupas geraram um impacto e tanto.

"São roupas cheias de metáfora", descreveu Vanessa Friedman, a crítica de moda do New York Times. E a gente explica. Foram 35 looks ao todo, muito volumosos, cheios de camadas, em grandes dimensões.

Capuz, gola, lenço, tudo muito exagerado, cobriam os rostos dos modelos, que eram meninos e meninas, mas nem dava para reconhecer.

PUBLICIDADE

O shape, o formato dos looks, era de casulo, superprotetor, com elementos da roupa de esqui, com casacões puffer e cashmeres que tinham o objetivo de cobrir tudo.

Dentre as referências, é possível enxergar uma conversa com o futurismo da Era Espacial, lá dos anos 1960, além da brincadeira com a Op-art, em listras de preto e branco bastante exageradas, que davam um efeito retrô.

De toda maneira, Marc Jacobs deixou claro que segue atento à maneira novaiorquina de se vestir, reforçando os signos da cidade que vão das patricinhas do Upper East Side aos clubbers do Brooklyn.

Mas, dessa vez, tanto os looks glamurosos quanto os ultraesportivos ganharam todos um toque de alta-costura, principalmente com o exagero das formas. As caldas varriam o chão, peles sintéticas bem grandes foram usadas de estola, lantejoulas giga apareceram em sobreposições e sapatos pesados de plataforma deram o tom dramático.

Aos poucos, os looks passam a revelar uma ou outra fresta de pele, como nas saias baixas que revelavam as costas e traziam uma certa vulnerabilidade ou esperança.

Em resumo, é impossível não associar todos esses elementos à ideia de isolamento que nós vivemos e que ainda estamos vivendo e o desejo de vida que projetamos no futuro.

Diferente de seu último desfile, que tinha uma vibe de pura animação, este, apesar da esperança, não foi necessariamente um alvoroço. E, claro, porque não é hora, porque o vírus está à espreita e ainda afetando duramente a população de diversos países como o nosso.

O Brasil, por exemplo, registra mais de 518 mil óbitos desde o início da pandemia e tem uma média móvel de mortes da ordem de 1500 pessoas por dia. Por aqui, ainda é mais do que necessário seguir com os cuidados de usar máscara, manter o distanciamento social e, se puder, ficar em casa.

De toda forma, a apresentação de Marc Jacobs foi propositalmente mais poderosa com os presentes. Este não foi um desfile pensado para o vídeo, o digital. Ele foi para emocionar quem estava ali, dando a ideia de se celebrar o momento e as reuniões que a gente tanto quer de volta.

Não à toa, o nome da coleção é Happiness, ou, em bom português, felicidade.

"Na jornada de voltarmos a fazer o que amamos, na esteira de perdas imensuráveis, solidão, medo, ansiedade e incerteza, eu me lembro do porquê a criatividade é tão vital para a nossa existência", disse Jacobs sobre o seu desfile.

Semana de alta-costura começa hoje!

Mas não foi só Marc Jacobs que voltou para o presencial, não. A semana de moda masculina, que começou no início de junho e se desenrolou por todo o mês, contou com algumas apresentações físicas, como as da Dior e da Hermés.

Jacquemus, o estilista francês, também fez um evento presencial, na semana passada, no dia primeiro de julho, para apresentar a sua coleção de inverno 2021.

E essa abertura para cada vez mais apresentações físicas será testada em Paris, durante a semana de alta-costura que começa hoje, dia 5 de julho e vai até a próxima quinta-feira, dia 8.

E a gente aproveita aqui para destacar alguns pontos deste calendário e você ficar de olho.

Fendi, Maison Margiela e Schiaparelli seguirão com apresentações digitais, mas Chanel e Balenciaga vão mostrar desfiles presenciais. E os olhos estarão bastante atentos para o desfile da Balenciaga, porque esta será a primeira apresentação de Demna Gvasalia, o diretor criativo da casa, na alta-costura. Além disso, esta é também a celebração do retorno da maison ao calendário mais luxuoso de todos, após 53 anos longe. E a expectativa só ficou maior quando a marca decidiu apagar todas as suas publicações em sua conta do Instagram. O que será que vem aí, hein?

Já a apresentação de Jean Paul Gaultier, quem está acompanhando os últimos episódios do ELLE News sabe muito bem porque geral está ansiosa para ver: Chitose Abe, a estilista da Sacai, assinará a coleção da grife francesa. Com a aposentadoria de Jean Paul Gaultier, ela inicia a série de colaborações que a marca vai fazer daqui por diante com designers convidados.

Acontecerá também o primeiro desfile da grife Azzedine Alaia, desde que o couturier de mesmo nome, o fundador da casa, faleceu em 2017. O retorno da marca às passarelas também é a estreia do diretor criativo Pieter Mulier, o estilista belga que há anos trabalha como braço direito de Raf Simons e, agora, alçará o seu primeiro voo solo.

Fora isso, outro momento imperdível será a primeira apresentação da Pyer Moss, a marca novaiorquina, de Kerby Jean-Raymond, na Semana de Alta Costura. Ele é o primeiro estilista negro americano a se apresentar no calendário centenário.

Ou seja. Geral ligada na cobertura da ELLE esta semana e no episódio que vem pode deixar que a gente traz os highlights.

Gap fecha suas lojas no Reino Unido e Irlanda 

A rede de varejo Gap anunciou que vai fechar todas as suas lojas no Reino Unido e na Irlanda nos próximos meses. No total, 81 estabelecimentos serão fechados entre o final de agosto e o final de setembro. Os britânicos e os irlandeses, no entanto, vão poder continuar a comprar as coleções da Gap pela internet.

Apesar de um pouco chocante para os fãs da marca, a medida não é exatamente uma surpresa. A Gap já vem dando sinais desde o ano passado de que encerraria pontos de venda na Europa. A marca também está negociando a venda de lojas físicas na França e na Itália.

Criada em San Francisco, na Califórnia, em 1969, a Gap virou um sucesso mundial com sua moda básica e acessível. Há alguns anos, entretanto, a empresa vem enfrentando um declínio nos lucros, que se acentuou ainda mais com a pandemia de Covid-19. E não foi a única: com a crise mundial provocada pelo novo coronavírus, vários grandes varejistas que já não andavam bem das pernas acabaram entrando com pedido de recuperação judicial no ano passado, como a J. Crew, o grupo Neiman Marcus e o grupo Arcadia.

Para sobreviver, a estratégia da Gap é focar no comércio online e no mercado estadunidense. E torcer para que a tão aguardada coleção Yeezy Gap, em parceria com Kanye West, seja mesmo esse sucesso todo que o povo espera. De acordo com um estudo feito pela companhia financeira Wells Fargo, o lançamento da linha Yeezy Gap pode representar um aumento nas vendas de quase 1 bilhão de dólares para a empresa, no ano fiscal de 2022.

Adidas processa Thom Browne por uso de listras paralelas

Quando você vê uma peça de roupa ou um par de tênis com três listras paralelas você relaciona com qual marca? Provavelmente, Adidas, né? Pois é, e a empresa alemã espera que essa conexão imediata que o público faz continue assim por muito tempo. Se alguma outra grife começa a aparecer com listras similares por aí, a Adidas trata logo de botar o seu time jurídico em ação. A Juicy Couture, a Forever 21 e a Marc Jacobs são algumas das marcas que já foram acionadas na Justiça pelo uso de listras que a Adidas considerou similares à sua marca registrada.

A bola da vez é grife estadunidense Thom Browne. Na segunda-feira passada, dia 28, a Adidas entrou com um processo na corte de Nova York acusando a Thom Browne de comercializar roupas e calçados de estilo esportivo exibindo duas, três ou quatro listras paralelas de uma maneira "confusamente similar à marca de três listras da Adidas".

A Thom Browne foi fundada em 2001 pelo designer de mesmo nome. Nos primeiros anos, a grife trabalhava apenas com coleções masculinas, mas a partir de 2011 passou a lançar também modelos femininos. Em 2018, a Ermenegildo Zegna comprou 85% da companhia.

A grife ficou conhecida por suas peças de alfaiataria, mas, de algumas temporadas pra cá, tem investido também numa linha mais esportiva, que inclui tênis e uma parceria com o time de futebol Barcelona – e aí a Adidas começou a não gostar nada da história.

Em entrevista ao site WWD, o CEO da Thom Browne, Rodrigo Bazan, declarou que a grife tem um acordo com a Adidas que permite o uso das listras. Segundo Bazan, eles consentiram por 12 anos e agora estão mudando de ideia. "A corte não vai permitir isso, nem os consumidores. É uma tentativa de usar a lei ilegalmente", disse o CEO.

Vamos ver que fim vai dar a disputa. Só pra dar uma dimensão do tamanho do apego da Adidas às suas listrinhas: em 2017, a marca alemã fez até a empresa automobilística Tesla, de Elon Musk, mudar o logotipo do seu carro Model 3, que passou a ter um numeral 3, no lugar dos três tracinhos originais.

Coleção Chanel Factory 5 chega ao Brasil 

Este ano, o perfume Chanel número 5 completa um século de existência, e as comemorações pelo centenário desse ícone da perfumaria estão a todo vapor. Na semana passada, foi lançada a coleção Chanel Factory 5, que traz produtos como gel de banho, loção e creme para o corpo, tudo com a fragrância do perfume mais famoso do mundo.

Detalhe: os produtos vêm em embalagens que remetem a objetos bem prosaicos, como uma lata de tinta, um frasco de detergente e uma garrafa de água, entre outros. A ideia de se inspirar nesses itens do dia a dia, explica a grife, é lembrar que ao usar Chanel número 5 você transforma aquilo que é comum.

A coleção, em edição limitada, tem 17 produtos e já está à venda no Brasil. No site da marca, os valores começam em 385 reais, que é o preço do sabonete de 90 gramas, que vem numa latinha que lembra aquelas de cera para sapatos.

Relembrando um pouco a história do Chanel número 5, a fragrância foi criada pelo perfumista Ernst Beaux, a pedido de Gabrielle Coco Chanel. Beaux era famoso por ter elaborado fórmulas para a família imperial russa e, segundo conta a história, o briefing que ele tinha era fazer um perfume que invocasse palácios imperiais russos e águas congeladas, mas que também fosse bem francês e correspondesse à imagem de mulher independente e moderna que Coco defendia e encarnava.

A fórmula criada por Beaux contém mais de 80 ingredientes e foi lançada no dia 5 de maio de 1921. Se você quiser saber mais sobre a história desse perfume, a gente indica a reportagem Um século de Chanel número 5, escrita pelo jornalista Guilherme de Beauharnais, que está lá no nosso site elle.com.br.

E agora é a hora dele, Pedro Camargo, com aquele comentário sobre algum assunto do universo da beleza que você não pode perder nesta semana. Hoje, ele fala da nova tese dos TikTokers de que o Lip Balm pode potencializar uma sombra. Isso é real ou não, Pedro!?

"Estava eu, bem pirilampa, passeando pelo Tik Tok. Eu sou um grande representante da Geração Millennial, altamente cringe, cheios de boleto, amante de café. E estava eu passeando no Tik Tok, porque eu vou só a passeio mesmo, mas tretou relou eu descubro uma tendência nova. E agora nem foi uma tendência, foi uma técnica nova de usar o lip balm na maquiagem. Na minha For You Page apareceu uma garota fantástica, chamada @Glamzilla. Ela explicou como você pode usar o seu lip balm para potencializar a sua sombra. Você pega o seu lip balm, passa a boquinha dele na sombrinha que você quer e, de repente, vira batom, vira blush, potencializa o brilho das sombras… O que acontece, e a @Glamzilla explica, é que o lip balm é feito de manteiga de cacau, ou de geleia de petróleo, ou de cera de abelha, ou seja, são todos emolientes, hidratantes e isso torna o lip balm em si o melhor meio condutor possível para qualquer pigmento, então dá para você brincar muito. É uma grande farra. Dá pra fazer lip tint, blush, bronzer. Essa é a minha dica da semana."

E, para finalizar o episódio de hoje, a nossa dica cultural da semana, apresentada por C6 Bank & Mastercard. Dessa vez, nossa editora de cultura, Bruna Bittencourt, indica dois lançamentos musicais brasileiros. Conta mais, Bruna!

"Depois de quatro anos desde seu último trabalho, Mallu Magalhães lança Esperança, seu quinto disco – vale lembrar que a cantora e compositora de 28 anos começou a cantar ainda adolescente. O álbum, que é bem ensolarado, estava pronto ainda no início do ano passado, mas aí veio a pandemia e Mallu decidiu esperar por um um momento em que o cenário pandêmico tivesse uma luz no fim do túnel e viu um sinal no avanço da vacinação. No disco, ela conta com Preta Gil e Nelson Motta, canta também em inglês e espanhol, flerta com jazz e ritmos jamaicanos. A gente conversou sobre o disco com Mallu, que falou também sobre sua vida em Portugal, onde mora com o marido, Marcelo Camelo, da rotina como mãe de uma menina de 5 anos e sobre exposição na mídia. A cantora contou ainda que prepara uma marca de moda e objetos, baseada em estamparia criativa. Por falar no Camelo, ele é um dos vários parceiros de Marisa Monte em seu novo álbum, Portas, que a cantora lançou na última quinta-feira, 1º de julho, seu aniversário de 54 anos. O álbum é o primeiro de inéditas de Marisa em dez anos. Além do Camelo, ela contou com antigos parceiros como Arnaldo Antunes, Nando Reis e Dadi, entre nomes como Chico Brown (filho de Carlinhos), Silva, o maestro Arthur Verocai, Seu Jorge e sua filha, Flor. Marisa conta que seu plano era entrar em estúdio em maio passado. Mas veio a pandemia e ela esperou até novembro para gravar com uma equipe enxuta, no Rio de Janeiro. Ela experimentou gravações remotas em Nova York com o produtor Arto Lindsay, que assinou discos da cantora como Mais e Cor de rosa e carvão. Deu certo e ela foi alternando gravações presenciais no Rio com outras à distância em Lisboa e Los Angeles. No canal dela no YouTube, há alguns vídeos que mostram esses bastidores. Por aqui, a gente fica com "Calma", o primeiro single do disco."

Este episódio usou trechos das músicas Here comes the sun, dos Beatles; Solar Power, da Lorde; My adidas, de Run DMC; Chanel; de Frank Ocean: Lipstick de Willow; Barcelona, de Mallu, Magalhães; e Calma, de Marisa Monte.

E nós ficamos por aqui. Eu sou Patricia Oyama. E eu sou o Gabriel Monteiro.

E a gente sempre te lembra: Curte o ELLE News? Então assine o nosso podcast na sua plataforma de preferência, para que seja notificado toda vez que um episódio novo estiver no ar. É muito simples! Basta entrar em nosso perfil e apertar o botão "seguir"!

Até semana que vem!

Tenha acesso a conteúdos exclusivos
ASSINE A ELLE