Revista Digital

PATROCINADO • CONTINUE ABAIXO

Novas tecnologias para quem?

Projetadas por meio de uma perspectiva hegemônica, soluções tecnológicas já vêm programadas com preconceito nos algoritmos. Movimentos brasileiros e internacionais mostram por que uma abordagem inclusiva beneficia não só as pessoas mais marginalizadas, mas toda a sociedade.

Olho no olho

Desafiamos catorze selecionados do nosso #OpenCasting para ficar frente a frente com o espelho e nos contar quem é essa pessoa que cada um deles enxerga refletido ali.

Por que beleza ainda importa tanto?

Apesar de ter dado seus primeiros passos rumo à diversidade, o conceito de beleza ainda é dominado por padrões hegemônicos e opressivos. Como chegamos a eles e por que esses ideais de beleza continuam tendo papel importante na emancipação das pessoas? Na busca por essas respostas, você também vai encontrar muitos motivos para quebrar paradigmas.

Sci-face

A beleza ganha novos contornos com makes inspiradas na tecnologia 3D e na ficção ciborgue.

Bota a cara no sol

Ele sempre esteve aí, mas o confinamento social levou as pessoas a buscarem frestinhas com raios solares para recarregar as energias e melhorar a saúde mental.

Me leva, que o futuro nos espera

A obsessão por seres extraterrestres não é uma exclusividade nacional, mas quando acontece por aqui, tudo fica, no mínimo, genuíno. Demos um giro pelas referências mais emblemáticas — ou apenas curiosas — dessa relação da cultura brasileira com outros mundos. E, spoiler: vai da lisergia à crítica ao regime militar.

Contatos imediatos (ou quase)

Há mais de 30 mil anos, no que é hoje o sul da França, alguém contornou uma mão em uma parede de pedra. Esse registro, uma das muitas pinturas rupestres na caverna Chauvet-Pont-d'Arc, é um tipo de contato com o futuro feito por alguém que certamente não conseguiria nos imaginar. É um comportamento que ainda reproduzimos.