Podcast

Rihanna, câmeras nos bastidores e Hood by Air

A Fenty, marca de roupas de Rihanna, chegou ao Brasil! Neste Pivô, aproveitamos a deixa para falar da poderosa relação da cantora com a indústria da moda.

  • O e-commerce de luxo Farfetch vira o responsável pela venda digital da grife no Brasil, trazendo ao país pela primeira vez a marca que tem como fundadora, CEO e diretora criativa, Rihanna.
  • A editora de moda especial da ELLE, Vivian Whiteman, explica o fator "star quality" que faz de Rihanna uma referência.
  • Com escolhas memoráveis para red carpet, a cantora usa o título de it-girl a sério, alavancando inclusive a carreira de novos designers. Nathália Levy, editora digital de ELLE, comenta.
  • Os repórteres Pedro João e Ísis Vergílio falam dos braços comerciais de beleza e de lingerie, Fenty Beauty e Savage X Fenty, respectivamente.
  • E ainda: Gucci e Maison Margiela escancaram os bastidores de suas novas coleções; a volta da Hood by Air; além dos 25 anos de Raf Simons e de mais algumas curiosidades da nossa ELLE View, com comentário do fotógrafo Leo Faria.
PUBLICIDADE



Ouça o Pivô em: Spotify | Apple Podcasts | Google Podcasts | Overcast | RSS | Deezer

Se preferir, você também pode ler este podcast:

A Fenty chegou ao Brasil. A marca de roupas de Rihanna, lançada há dois anos, começou a ser vendida no país na semana passada. Neste Pivô, a gente aproveita a deixa para discorrer um pouco sobre a relação da cantora com a moda. Da estrela que levou o título de it-girl a sério, virou diretora criativa que já faz história na indústria e uma das maiores empresárias do setor, com estratégias de mercado que têm mudado as regras do jogo.

Na última quarta-feira, no dia 15, Fenty aterrissou no Brasil. O e-commerce de luxo Farfetch é o responsável agora pela venda digital da Fenty no mundo, para além do site oficial da grife. No Brasil, ele é o único meio de adquirir uma peça da marca que tem como fundadora, CEO, e diretora criativa ninguém menos que Rihanna.

No e-commerce, estão os lançamentos de 2020 da grife, incluindo o mais recente de verão, chamado Release 6-20. Nela, você encontra uma referência à juventude, principalmente a dos anos 1990 e do começo dos anos 2000, com uma queda especial para o hip-hop e as roupas bem de rua.

PUBLICIDADE

E estão lá vários itens de desejo, principalmente os acessórios que ela usa, como os sapatos e as sandálias de salto alto, geralmente de tiras e mais esculturais, feitos em parceria com a designer Amina Muaddi. Os óculos de lentes coloridas, incluindo a versão fininha consagrada pela Bad Gal. E as joias como o earcuff, o colar de corrente, os pingentes de strass.

Existem ainda referências claras à história da cantora, como a estampa de Barbados, o seu país de origem, um print mais político, que exalta os imigrantes, e até um que tira onda com ela mesma, com a frase No More Music, para desespero geral dos fãs, que esperam um novo álbum da artista há pelo menos quatro anos.

São roupas para quem curte moda e principalmente para quem curte se divertir com moda. Da possibilidade de ser sexy a ser esquisitona, sem o menor problema de passear por essas características. Esse jeito de se vestir, de se expressar visualmente, inclusivo e libertário, é uma das maiores características Fenty, que também tem braços comerciais em peças íntimas, produtos de beleza e agora até de autocuidado com a pele.

PUBLICIDADE

A não ser que você tenha vivido, sei lá, em Marte nos últimos 15 anos, muito provavelmente sabe quem é Robyn Rihanna Fenty. A cantora caribenha já vendeu mais de 60 milhões de álbuns no mundo todo e colocou uma série de hits ao longo de sua carreira no topo das maiores listas de sucesso.

Além da música, ela também já esteve no cinema, virou uma das principais vozes políticas, reconhecida até mesmo pela Universidade de Harvard como Humanitária do Ano, em 2017. Rihanna tem, sem dúvidas, aquilo que os norte-americanos chamam de "star quality". E quem comenta isso é a nossa editora especial de moda, Vivian Whiteman.

"É uma personalidade muito envolvente em tudo o que faz. A presença dela traz uma coisa que é atraente, sedutora, inspiradora, acima de tudo. E ela consegue imprimir isso quando ela aparece como cantora. A coisa do Umbrella, do Jay Z… Ela já existia antes, mas ali ela ganha um reconhecimento diferente. E logo ela vai conseguindo se mostrar quem ela é como artista. E isso inclui tudo, quando ela resolve entrar para a moda. E ela vem com a imagem dela mesma, muito forte. As imagens de instagram que ela produz. A minha preferida é aquela famosa que ela está jogada na cadeira com um vestido vermelho. Se 400 stylist tentassem fazer com uma modelo não ia sair tão legal e tão incrível como ficou de fato. Porque tem isso, tem esse toque que é a personalidade dela mesma. Eu acho isso o mais interessante. Ela se coloca. Ela se permite não ter aquele protocolo chato de celebridade que fala tudo certinho. Um dia ela tá puta e no outro dia chama o Trump pra briga e não tá nem aí. Isso que faz ela ser tão incrível, tão foda."

Essa personalidade livre, que a Vivi comenta, fez com que ela virasse uma grande referência. O designer Peter Dundas, por exemplo, diz que Rihanna se tornou a grande musa das garotas nesta última década, que muitas passaram a desejar ser como ela. E que a cantora reconhecendo isso sempre deu passos cada vez mais adiante. A sua capacidade em ditar tendências para um público vasto, da rua aos maiores eventos de luxo, a consagrou como uma it-girl, disputada pelas maiores revistas de moda e as principais marcas do mundo. Mas ela nunca foi uma fashionista qualquer, a mercê das labels. Em cada aparição, por exemplo, usou a própria imagem inclusive para divulgar novos e pequenos designers. Foi o que aconteceu, por exemplo, com Adam Selman, o estilista responsável por criar aquele icônico vestido transparente feito de cristais, que ela usou em uma premiação do CFDA. Ele teve a carreira alavancada depois desse episódio.

Junto do stylist e diretor criativo da Interview Magazine, Mel Ottenberg, ela fez escolhas de look para aparições em red carpet que ficarão por muito tempo na memória. Como esquecer por exemplo do vestidão amarelo, de cauda gigantesca, da estilista chinesa Guo Pei, que ela usou no Met Gala 2015?

E quando ela apareceu com aquele Comme des Garçons volumoso, em uma homenagem à Rei Kawakubo, para o MET de 2017? Esse episódio, de uma Rihanna ousada enquanto a maioria dos convidados foi de proposta mais protocolar, marcou a nossa editora digital Nathalia Levy. E ela explica um pouco disso a seguir:

"Eu lembro que a expectativa tava muito alta pq fazia muito tempo que o MET não homenageava uma estilista que estivesse viva, em atividade, a última vez tinha sido com o Saint Laurent. E também porque tinha a Gisele como anfitriã. E, por mais que a gente não imaginasse que a Gisele fosse de Comme des Garçons, rolava uma expectativas porque era o tema e ela a anfitriã. Acabou não rolando. Ela foi de stella McCartney, pelo que eu me lembro. E quem surgiu literalmente parando o baile com um look incrível foi a Rihanna. Era um vestido vermelho, um pouco assimétrico, e meio que tinha umas pétalas de flor. Ela usou junto de uma sandália vermelha, de tiras, uma coisa mais sexy porque ia até a coxa. E usou um iluminador vermelho e rosa que mais tarde a gente foi descobrir que este iluminador já era um produto da Fenty Beauty que ela ia lançar no mesmo ano, mais pra frente, em setembro. No fim das contas poucas pessoas naquele baile usaram roupas da Comme de Garçons, não que todo mundo precisasse usar roupas da marca mas que pelo menos tivesse um pouco das características da rei kawakubo como estilista nas escolhas deles né: a transgressão, o olhar pro corpo de uma forma diferente, os tecidos, o jeito de reutilizar os tecidos, aparecessem nas roupas das pessoas mas poucos fizeram isso. Mas a Rihanna escolheu um vestido da marca. E eu acho que foi um look muito representativo de como ela é como celebridade, o estilo dela. Acho que ela consegue transitar muito bem entre o streetwear e a alta-costura, de um jeito tão fácil que faz parecer que esses mundos não são opostos né, mas complementares. E isso é uma coisa muito atual, muito do agora, que ela já faz há muito tempo. Outro exemplo foi o Women's March de 2017 quando ela usou um vestido de tule rosa da Molly Godard. E a roupa podia parecer fora de contexto, mas ela conseguiu transformar aquilo numa mensagem também, meio que uma quebra de estereótipos de feminilidade jogando o tule, aquele tecido delicado, em uma manifestação na rua. E, pra terminar, lembrei de uma coisa que acho que resume tudo: tem uma citação da Rei Kawakubo que ela diz que não desenha para que as mulheres que se preocupem com o que homens possam pensar sobre suas roupas. As peças delas não estão preocupadas em criar uma imagem feminina tradicional. Na verdade, elas não se relacionam com nenhum tipo de estereótipo de beleza. E por esse motivo é realmente raro ver celebridades usando Comme des Garçons por aí. Em entrevista pro Refinery29, alguns stylists de Hollywood admitiram que, apesar de respeitar imensamente as contribuições e o olhar vanguardista de Rei, não consideram a marca para suas clientes porque o trabalho deles era fazer com que o público amasse as mulheres que eles vestem. E acho que a Rihanna vai muito além disso, de querer parecer bonita, de querer que as pessoas amem ela por uma jeito específico. Ela sabe que a roupa vai dizer muito sobre um momento de mundo, sobre um momento da carreira dela, e ela coloca isso acima de querer simplesmente parecer bonita do jeito que o Instagram decidiu que é ser bonito naquele momento."

Mas não foi apenas com a própria imagem que Rihanna abalou as estruturas da indústria. Desde 2015 ela coloca a mão na massa, faz parte da criação. Primeiro, na parceria com a marca de roupa inglesa River Island. Depois, com a grife de beleza canadense MAC. E em 2016 iniciou a sua parceria de maior sucesso, com a Puma, na Fenty Puma. A collab rendeu — e muito! — durante quatro estações, que foram desfiladas nas semanas de moda de Nova York e de Paris.

Em 2017 veio o seu lançamento próprio de maior impacto, a Fenty Beauty. Em parceria com a Kendo, incubadora de beleza do LVMH, a linha gerou 500 milhões de euros só no primeiro ano de operação. E quem nos ajuda entender a dimensão que a Fenty Beauty tomou na indústria da beleza é o Pedro João, repórter da ELLE.

"Pra gente entender a importancia da Fenty Beauty é preciso entender o contexto em que ela surgiu o que ela de imediato trouxe em oposição ao que se considerava via de regra no mercado de beleza. Quando a marca de uma mulher tão influente quanto a Rihanna desponta no mercado e coloca como primeiro lançamento uma linha de bases de 40 tons a repercussão que isso causou transformou a maneira como o mercado funciona de modo geral. Se antes algumas marcas passavam ilesas ao lançarem linhas de base e corretivos com pouca diversidade depois disso se torna inaceitável. Não encontrar o seu tom de base deixou de ser um problema que as clientes tem que lidar mas que é uma responsabilidade das marcas como sempre deveria ter sido. Ela coloca a pele negra no centro das criações. E isso faz toda a diferença. Ela ainda chegou com a primeira coleção de iluminadores em pó que tinha cores como o magenta, tangerina, lilás, menta, todas as cores que na pele branca pareciam sombras espalhadas pelo rosto e que na pele negra traziam de fato este efeito de iluminador colorido. E é muito curioso porque de modo geral os iluminadores que são mais mainstream, são mais difíceis para a pele negra porque em muitos casos ele fica acinzentado, ele pode ter uma pigmentação branca por trás do brilho que deixa a pele negra acinzentada. E, no caso da Rihanna, isso é muito bem pensado. E todos os iluminadores funcionam muito bem na pele negra. Eu acho que inclusive a Fenty é uma marca visualmente de vanguarda porque eles criam visuais e apostam em belezas que vão muito além desse rosto super glamouroso. Trabalha, claro, com uma base de alta cobertura, com contorno, mas tem um jeito peculiar e deles de fazer isso que é muito bonito, mais democrático, inclusivo. Convida todo mundo a brincar com os produtos. "


E, ah! A chegada da Fenty ao Brasil, claro, anima também os fãs que esperam com isso a chegada também da Fenty Beauty…

"E está todo mundo enlouquecido da Fenty Beauty possivelmente chegar no Brasil. E isso é um bafo né menina. Ta todo mundo enlouquecido. Todo mundo querendo desesperadamente que ela chegue desde o dia que ela surgiu. Eu fico um pouco receoso com quem é que vai poder comprar a Fenty Beauty no Brasil. Uma marca que tem um discurso e uma gama de produtos que é tão democrática de repente vai chegar aqui com um preço que não seja tão democrático assim. Mas de qualquer maneira é um ganho enorme pro mercado de beleza brasileiro. Eu espero que eles consigam chegar aqui com toda essa gama de cores, de bases e de tudo. Seria muito legal se chegasse aqui com tudo, seria maravilhoso."

Em 2018 ela decidiu chacoalhar as engrenagens de outro setor, o de lingerie, com a criação da Savage Fenty. Feita em parceria com o grupo Techstyle Fashion, a marca alcança hoje uma receita anual estimada em 150 milhões de dólares.

O destaque da etiqueta é a grade maior de numeração, a publicidade efetivamente mais diversa e as apresentações em formato de show, que contam com vários tipos de corpos. Abre aspas pra Rihanna: "Existem muitas mulheres que se sentem no escuro, invisíveis. Que pensam que não podem experimentar algo porque não foi feito para elas. Aqui é onde você se sente mais segura, bem aqui na Savage", foi com esta frase que ela anunciou o lançamento da marca na época.

Mulheres que durante muitos anos sonharam em virar angel, viram ali a oportunidade de serem uma Savage exatamente como são. E, sim, por mais que este jeito de apresentar uma coleção tenha sido consagrado pela Victoria's Secret, a marca de Rihanna foi recebida pela crítica como a pá de cal no evento das angels que já acumulava críticas pela falta de diversidade. A última apresentação da Savage Fenty foi um impacto e tanto, teve até uma rápida presença brasileira, e quem conta isso é a nossa repórter Ísis Vergílio:

"A Rihanna pegou a régua de qualidade e jogou lá em cima. No dia 10 setembro aconteceu o desfile mas no dia 20 de setembro a Amazon soltou na íntegra pra gente poder surtar na internet. Porque foi isso o que aconteceu a internet quebrou naquele dia. E pra nós brasileiros ainda foi um grande babado porque ela usou um trechinho de Malokera, da Ludmila, e que foi um grande bafo. Levando em consideração que o funk é criminalizado no Brasil, ali ele foi colocado de forma extremamente valorizada, digna, incrível. E as pessoas que performaram em cima daquele som foi um grande elenco, extremamente diversos, com uma pluralidade de corpos riquíssima e que no meu ponto de vista dialoga com a política da Fenty, uma empresa que pensa e pauta diversidade"

Tanto com a Fenty Beauty quanto com a Savage Fenty o debate sobre inclusão na moda foi parar em outro patamar. Mas Rihanna fez história mesmo com a criação da grife de roupas da Fenty, que chega agora no Brasil. Ela foi lançada já dentro do LVMH, em 2019, grupo que detém grifes como Dior, Givenchy e Louis Vuitton.

Com este feito, a Fenty se tornou a primeira marca de moda lançada do zero dentro do LVMH, desde Christian Lacroix, em 1987. E, Rihanna virou a primeira mulher negra a ocupar o topo de uma das 70 casas pertencentes ao grupo. Ainda que a grife propriamente não seja uma revolução em termos de design, ela coloca em prática algumas iniciativas mercadológicas que marcas do mesmo nível não conseguiram assumir. Uma delas é a prática do tão comentado "see now buy now". Aquele tipo de coleção que é divulgada na própria estação e fica disponível para compra no mesmo momento. Com isso, o foco da marca é total na venda online. Uma inovação e tanto em termos de marca de luxo. E, além disso, inclusão na Fenty, ainda que dentro do contexto do luxo, é uma premissa nas estruturas do negócio. Não está só na imagem. E aí mais uma vez Riri muda as regras do jogo.

E a moda continua a procurar seus caminhos pra conseguir se expressar pelo meio digital. Na semana passada, um dos rumos que a gente viu foi o de escancarar os bastidores da produção e do processo criativo.

No último dia da semana de moda de Milão, a Gucci transmitiu durante 12 horas seguidas a realização do ensaio fotográfico da sua coleção cruise, no Palazzo Saccheti, em Roma. Muita gente que entrou no meio da transmissão ficou meio perdida, sem saber se o desfile já tinha começado ou ainda ia começar.

Na verdade, o que a Gucci fez foi exibir no meio da live o lookbook da coleção, com alguns comentários do diretor criativo Alessandro Michele. Batizada de Epilogue, a coleção, segundo a marca, é a terceira parte de um conto de fadas que questiona as regras e as tradições da moda. O início dessa trilogia foi a apresentação na semana de moda de Milão em fevereiro, em que Michele quis celebrar o desfile como um ritual mágico. Continuou com uma campanha criada pelos próprios modelos e foi concluída agora, com as roupas sendo vestidas pelos designers que desenharam as peças. Não faltaram cores vibrantes, mix de estampas, maxi acessórios e um toque 70's, tudo bem ao estilo da grife. Pra você não ter que assistir as 12 horas da gravação, que está disponível no canal de YouTube da marca, uma dica: o lookbook começa a ser exibido às 6 horas e 2 minutos do vídeo e vai até às 6 horas e 18 minutos. Quer outra dica? Enquanto você curte a coleção, pode pôr pra tocar a playlist que Alessandro Michele disponibilizou no Spotify. Procure por Gucci Epilogue.

Mas as cenas de bastidores que emocionaram muita gente foram as do filme da Maison Margiela, realizado pelo fotógrafo Nick Knight. O documentário de 50 minutos mostra todo o processo de criação da coleção de outono-inverno Artisanal. E é muito fascinante ver a empolgação do diretor criativo John Galliano e poder acompanhar o trabalho de pesquisa da equipe. Assistindo ao filme, você também consegue entender melhor a técnica criada por Galliano de cortes circulares. Com essa técnica, eles criaram peças que envolvem o corpo em drapeados superdelicados, que têm o mesmo efeito das estátuas de mármore cobertas por véus, que foram uma das referências da coleção.

A sensação, ao assistir ao filme, é às vezes de estar espionando o trabalho da equipe do lado de fora e, outras de estar mesmo dentro do ateliê. Isso porque o diretor Nick Knight usou vários tipos de câmera, como o próprio Galliano contou no podcast da Maison Margiela.

Então, nesse episódio do seu podcast, Galliano conta que nas primeiras 48 horas de filmagem no ateliê as pessoas ficaram meio tímidas, mas que Nick Knight fez a coisa de tal maneira que todo mundo acabou logo se esquecendo de que estava sendo filmado, mesmo tendo câmeras pra todo lado, inclusive aquelas do tipo Go-Pro, que foram usadas pela própria equipe. Até o cachorro do estilista, o Gipsy, entrou na dança das câmeras.

O filme está disponível na íntegra no canal de YouTube da Maison Margiela e vale muito a pena. O título é S.W.A.S.P., que é um acrônimo para "sealed with a kiss" que, traduzindo, selado com um beijo, porque Galliano define a produção como uma carta de amor ao ateliê.

Pra saber mais detalhes desses e outros dos principais desfiles que rolaram nas últimas semanas, fique de olho na cobertura publicada no nosso site.

E parece que agora vai! Depois de um hiato de três anos, a Hood by Air, umas das grifes de streetwear mais revolucionárias que surgiram nas últimas décadas, anunciou que está de volta. E avisa que não voltou apenas como uma marca, não. Em um post no Instagram, ela diz que vai ser um veículo pra promover e patrocinar jovens talentos, que, na visão da grife, estão sendo destituídos de seus espaços físicos e psicológicos necessários pro crescimento de novas ideias. "O sistema é antiquado e queremos substituí-lo por algo novo. Há outro mundo que precisa ser criado. Fizemos isso antes e estamos fazendo isso de novo."

No retorno, o designer Shayne Oliver, um dos fundadores da Hood by Air em 2006, segue na direção criativa. Nos anos em que esteve ativa no mercado, a marca trazia uma surpresa a cada temporada. Foi uma das primeiras a investir em um casting mais diversificado na passarela e a exibir uma moda sem gênero, além de fazer misturas ousadas de streetwear com high fashion.

Apesar do sucesso de crítica e de cair nas graças de famosos, como Rihanna, a Hood by Air anunciou o hiato em 2017. Em fevereiro do ano passado, Shanye Oliver deixou os fãs saudosos em polvorosa ao dar entrevistas sobre o retorno da marca, mas a concretização desses planos só aconteceu agora.

Como primeira ação, a Hood by Air lançou uma camiseta e um cartão para um aplicativo financeiro com design de Oliver. A renda obtida com a venda desses produtos será revertida pra instituições que apoiam a luta contra o racismo e a causa LGBTQIA+.

Bom, essa próxima notícia é pra enlouquecer o fã-clube do Raf Simons, que, por sinal, é bem grande na redação da ELLE. Pra celebrar os 25 anos de sua marca própria, o designer belga vai relançar 100 peças icônicas do seu arquivo, incluindo itens de coleções dos anos 90, como a camisa vermelha com gravata preta, que foi inspirada no visual da banda Kraftwerk. O anúncio dessa coleção especial, batizada de Raf Simons Archive Redux, foi feito na semana passada, mas calma que ela só vai ser colocada à venda em dezembro.

Enquanto isso, você pode aplacar sua ansiedade lendo a reportagem da nossa editoria especial de moda Vivian Whiteman, que entra no ar esta semana. A Vivi vai falar sobre os 25 anos da marca Raf Simons e dar uma lista de motivos pra ele ser considerado um dos nomes mais importantes da moda contemporânea

Bom, e a semana passada, aqui na Elle, quer dizer, cada um na sua casa, porque está todo mundo em home office, mas, enfim, essa foi semana em que a gente ficou lambendo a cria, né? A nossa revista digital mensal ELLE View foi lançada no dia 13 de julho e a repercussão tem sido muito bacana.

No último episódio do Pivô, nós trouxemos um pouco dos bastidores do editorial de moda, que simula cenas de abdução por extraterrestres. E, dessa vez, a gente vai contar como foram feitas as fotos e vídeos da reportagem de beleza com os leitores selecionados no nosso open casting. As imagens foram feitas à distância pelo fotógrafo Leo Faria, que é um colaborador de longa data da ELLE Brasil. O Leo contou que dois dias antes do ensaio ele fez uma videoconferência com os participantes, pra explicar o processo e deixar todo mundo preparado pro dia das fotos.

"E aí no dia, eu usei a videoconferência e eu ficava fotografando a tela com a minha câmera e foi uma experiência muito incrível de ver a preparação das pessoas e estávamos todos bem ansiosos, tanto eu pra fazer o projeto quanto elas pra serem fotografadas. E, interessante, o João, por exemplo, ele ficou sete horas pintando o cabelo pra fazer a foto. E teve ajuda de uma stylist, então, acho que as pessoas entraram de cabeça e isso foi muito legal. Algumas delas tiveram ajuda da mãe, do irmão, namorado, namorada, que ficavam segurando o celular e eu ia interagindo, dirigindo a pessoa e criava uma relação de confiança, né? Isso foi bem legal. E durante o processo também eu ia gravando toda a conversa e no final fiz algumas perguntas e pude editar um vídeo a partir dessas gravações. Outra coisa, as fotos, elas ficaram todas com as interferências da conexão que cada pessoa tinha, da interferência da tela também, da frequência e isso acho que ficou interessante. Foi um trabalho cheio de verdade e essa pluralidade é o que mais me encanta."

Além das fotos e dos depoimentos em vídeo, essa reportagem tem ainda o texto da nossa colaboradora Julia Anadam, que conversou com todos os personagens pra saber um pouco mais da história de cada um. Ficou muito legal. Já assinou a ELLE View? É só ir no nosso site e clicar no link de assinatura pra curtir essa edição de estreia.


Neste Pivô, conversamos com estudiosos da cultura brasileira para avançarmos no debate de apropriação cultural, para além da discussão rasa do pode ou não pode. Toda segunda-feira, a redação comenta as principais notícias de moda da semana.


Sim, e não só! É de lésbicas, bissexuais, transsexuais, travestis… No episódio #6 do Pivô, a importância de toda a população LGBTQIA+ na história desta indústria.


Toda segunda-feira, a redação comenta as notícias de moda mais relevantes da semana e entrevista gente de dentro e de fora do mercado no Pivô Podcast.

Tenha acesso a conteúdos exclusivos
ASSINE A ELLE