Por que as marcas de beleza estão investindo nos games?

O videogame virou ponto de encontro e palco de debates sociais durante a pandemia. Marcas como MAC e Givenchy perceberam, então, que era hora de invadir o mundo virtual para vender cosméticos.

Espartilhos: de símbolo de opressão à tendência do Tik Tok

Antes de queimarem sutiã, as feministas aboliram o corset. Porém, mais de 100 anos depois, a peça volta a bombar nas redes sociais e na moda. Mas afinal, ainda há espaço para eles?

PUBLICIDADE

A ascensão e possível queda das Kardashians na beleza

Kim e suas irmãs tornaram-se sinônimo do que se considera belo no mainstream e praticamente inventaram o marketing de influência. Porém, com a saída do reality da família da TV, tudo está prestes a mudar.

Abdômen trincado: entre o ataque e o fetiche

Para conseguir o six pack, muita gente vive rotina de atleta e até faz procedimentos estéticos invasivos. Em contrapartida, os músculos transformam mulheres fisiculturistas em alvos de comentários ofensivos.

Cuidado com o fake: pirataria de beauté aumentou na pandemia

Fábricas fechadas, falta de matéria-prima e entraves na importação contribuíram para o aumento de fakes de cosméticos.

Os perfumes se tornaram um refúgio na pandemia

Como um mercado dependente do teste físico precisou se reinventar e se tornou parte importante do bem-estar durante o confinamento.

Sem filtro: de cara limpa nos stories para alertar sobre exagero

Os chamados "filtros de embelezamento" do Instagram não surgiram há muito tempo, mas, para muitas pessoas, aparecer sem eles já deixou de ser uma opção. Chegou a hora de contestar essa obsessão.

O que é ser #aesthetic?

No TikTok e no Instagram, a maquiagem, a roupa e até aquele vaso no canto da foto podem dizer muito a respeito de alguém. Fique por dentro do termo que tomou conta das redes sociais.

Consumo do futuro no presente

A quarentena acelerou a implementação de novas formas de compra: mais high-tech e mais devagar (ainda bem).

Bota a cara no sol

Ele sempre esteve aí, mas o confinamento social levou as pessoas a buscarem frestinhas com raios solares para recarregar as energias e melhorar a saúde mental.

Shoptime 2.0: de volta aos tempos de compras ao vivo

No lugar da televisão, entram os recursos das redes sociais acompanhados de influenciadores como "vendedores". Renner, Americanas, Facebook e TikTok são alguns dos que estão tentando abocanhar um mercado que já é bilionário na China: o live shopping.

Tenha acesso a conteúdos exclusivos
ASSINE A ELLE