• ASSINE NOSSA NEWSLETTER
  • O melhor da ELLE direto no seu inbox! Inscreva-se gratuitamente.
  • INSCREVA-SE AQUI
PUBLICIDADE

Quem nunca pensou em platinar os fios? Geralmente a vontade vem como um raio, no momento em que você esbarra em transformações radicais, muitas protagonizadas por celebridades que exibem o cabelo sedoso, brilhante, platinadíssimo e muito chique, como exemplo recente, a modelo Gigi Hadid, a cantora Dua Lipa, e as atrizes Bruna Linzmeyer e Jéssica Ellen.

O passo a passo se multiplica na internet, com inúmeros tutoriais e dicas. O termo “nevou”, uma febre no Tik Tok, é usado para descrever o cabelo quase branco, de tão descolorido. No YouTube, há relatos desastrosos envolvendo ardência, queda, cabelo manchado. E, quem busca por platinar os fios, encontrará ainda uma cartela de cores extensa, pois hoje, dependendo do cabelo, é possível alcançar diferentes tons dentro do platinado.

O processo

“Existem vários, o prateado, os mais amarelos, mais acinzentados, mais branqueados, mais dourados, mais beges, gelos, tem de várias cores”, lista o hairstylist Evandro Angelo, do Studio Lorena, salão de São Paulo. “Tanto a quantidade de pó reagente, quanto a quantidade de descolorante vai variar de acordo com o tipo, a cor, e também a facilidade que o cabelo tem para clarear”.

Mas como realizar esse processo exatamente? Em casa, não é uma boa ideia. Especialistas consultados pela reportagem desaconselham a descoloração caseira devido ao risco de alergias, além dos danos que podem ser causados aos fios, como o temido corte químico. Essa cautela é impulsionada pela reação agressiva que o processo com água oxigenada e pó descolorante causa nas madeixas.

PUBLICIDADE

“[O fio] é formado por três camadas, anatomicamente falando: a cutícula, que se assemelha a escamas de peixe, uma intermediária chamada córtex, que dá sustentação, e a medula”, explica Luciano Barsanti, médico tricologista, presidente da Sociedade Brasileira de Tricologia e diretor médico do Instituto do Cabelo.

Dependendo da tonalidade que a pessoa quer alcançar, a água oxigenada pode ter menos ou mais volume, que variam entre 10, 20, 30 e 40. E nela é adicionado um pó descolorante. Assim, por meio dessa mistura, a água oxigenada abre a cutícula e o pó extrai o pigmento de cor dos fios. O tempo necessário para realizar esse processo, além do número de sessões, dependerá do tipo de cabelo, cor e tonalidade pretendida.

“Esse procedimento é extremamente agressivo. Além de remover o pigmento colorido, ele desidrata o fio, lesa a cutícula e extrai de forma irregular nutrientes e aminoácidos”, explica Barsanti.

“Tem pessoas que são alérgicas ao tipo de produto usado, não recomendo jamais fazer esse processo em casa” – Adriana Cairo, dermatologista membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia

PUBLICIDADE

“Como consequência estética, há um cabelo poroso, ressecado, com aumento de frizz, difícil de pentear, e com o tempo, as ações físicas, como raios UV do sol, o calor do secador, poluição, fumaça de cigarro e corantes artificiais de xampu e condicionadores amarelam os fios”, prossegue o médico. “O tingimento é bem menos agressivo que o processo de descoloração”.

“É uma tendência forte mesmo, mas não é você que escolhe, o seu cabelo tem que estar preparado. Não basta querer”, alerta a dermatologista Adriana Cairo, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia.

Ela conta que o procedimento, quando mal executado, pode quebrar a estrutura do fio, que ganha aparência elástica, como um chiclete, e provocar quedas. “Tem pessoas que são alérgicas ao tipo de produto usado, não recomendo jamais fazer esse processo em casa”.

“Procure um bom profissional e exija o teste da mecha”, aconselha a dermatologista Fernanda Fuji, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia, que também recomenda que não se clareie mais de três tons, para evitar o tempo prolongado de química no cabelo.

Ela explica que, mesmo quem tem cabelos “virgens”, ou seja, que nunca passaram por procedimentos químicos, devem ficar alerta, pois não são necessariamente saudáveis.

PUBLICIDADE

“O dano é um pouco menor que outros que já vieram de outras químicas. O ‘virgem’ é o cabelo que a cutícula quer acreditar que está integra. Mas tem outros fatores que a alteram, como o sol, uso de chapinha e baby liss”, explica. “E nunca associe química. Tem gente que quer logo ficar loiro e fazer alisamento. Se quiser fazer os dois, nunca ao mesmo tempo. E cabelos finos às vezes são mais frágeis para esse procedimento, a chance de corte químico é maior”.

O corte químico é uma lesão provocada por químicas que literalmente partem o fio de cabelo. “Ele se rompe, e uma característica importante é que ele quebra em pedaços diferentes. Não todo de uma vez, mas um na raiz, um mais em cima, outro embaixo, a pessoa fica parecendo que está de peruca de carnaval, de um carnaval triste, infelizmente”, disse Luciano Barsanti, que recomenda, inclusive, que se evite trocar de tinturista ao fazer a manutenção da cor, para evitar incompatibilidade de produtos e agressão maior.

Para quem ainda assim encarou a descoloração e alcançou o efeito platinado, alguns cuidados podem ajudar na manutenção da cor e melhorar o aspecto dos fios, que tendem a ficar ressecados e porosos.

Hidratação

A hidratação é fundamental, e pode ser feita semanalmente ou duas vezes por semana com auxílio de produtos abastecidos com queratina, manteigas de Karité e óleos como o de Argan e de coco.

“Para um cabelo virgem, que platinou e deu certo, é hidratar duas vezes por semana, fazer algum processo com queratina, devolver nutrientes para o cabelo e usar xampu específicos para cabelos danificados”, aconselha a dermatologista Adriana Cairo. Ela também indica o uso de touca ou fronhas de seda, quando for dormir, para reduzir um pouco o frizz.

Lavagem

Sobre frequência de lavagens, vai depender de cada tipo de cabelo de couro cabeludo, além do grau de oleosidade. “Tem que lavar sim, independentemente de platinar ou não”, disse a médica. “A ordem certa é lavar o cabelo com xampu, depois passar máscara hidratante e aí sim o condicionador. Isso ajuda a hidratar”, disse. “Depois, pode passar um leave-in, e quando o cabelo estiver seco, passar óleo nas pontas”.

Uma das consequências das agressões da descoloração é o amarelamento, que pode ser atenuado por meio de xampus de pigmento violenta ou roxo. “Esses shampoos são antioxidantes, e o pigmento violeta é antagonista da cor laranja, então com a utilização uma vez por semana, você tem um resultado muito bom”, indica o médico tricologista Luciano Barsanti.

O especialista ressalta, portanto, que o uso deve ser feito intercalado ao xampu usual pois, se usados com muita frequência pode ser que o cabelo ganhe um tom arroxeado. “E lembrar de comprar o produto hidratante, seja o condicionador ou máscara, mais incolor possível. Como o cabelo vai estar descolorido, com cutículas abertas, qualquer pigmento pode deixar o cabelo colorido”, disse.

Retoques e acabamentos

“Sempre oriento corte, manter ‘as pontas em dia’, isso evita que quebre mais o cabelo, a ponta dupla deixa o fio mais fino”, disse a dermatologista Fernanda Fuji. Ela aconselha ainda usar água morna, nunca quente, para lavar os cabelos. Se optar por usar o secador, é necessário passar antes um produto com proteção térmica nos fios, e manter o aparelho em uma distância segura, de 15 a 30 centímetros.

Os retoques de cor devem ser planejados seguindo a velocidade de crescimento dos fios, que é de 1 centímetro ao mês, em média. “No mínimo, após 30 dias [após a descoloração]”, disse Fernanda. “Não é uma regra, mas é o tempo para cuidar do cabelo, assim ele estará menos fragilizado na hora do retoque.”

É preciso também o cuidado com excesso de produtos com queratina, por exemplo, fortes aliados na hidratação de cabelos descoloridos. Pois quando é usado exageradamente, ela pode deixar o cabelo “empastado”. O conselho, portanto, é seguir recomendação de especialistas. “É bem caso a caso”, pontua.

“Alguns cabelos aguentam só um processo de descoloração, já um retoque, não aguentam”, disse o hairstylist Evandro Angelo. Ele aconselha, nesses casos, o uso de tintas clareadoras, que quebram menos os cabelos, no lugar do pó descolorante. “Se tiver muito ressecamento, pode fazer realinhamento do fio, que o deixa mais macio e sedoso. Eu recomendo também o uso de tonalizantes com pigmentos de cor gelo, prata, eles vão deixar os cabelos muito bonitos e com cores legais.”

Shopping

Preços consultados em abril de 2022

Tenha acesso a conteúdos exclusivos
ASSINE A ELLE

A ELLE Brasil utiliza cookies próprios e de terceiros com fins analíticos e para personalizar o conteúdo do site e anúncios. Ao continuar a navegação no nosso site você aceita a coleta de cookies, nos termos da nossa Política de Privacidade.

Assine nossa newsletter

Doses Semanais de moda, beleza, cultura e lifestyle, além, é claro, de todas as novidades e lançamentos da ELLE no seu inbox.
Increva-se gratuitamente.