PUBLICIDADE

Esta reportagem faz parte de uma série de perfis que estamos publicando aqui em ELLE.com.br na qual apresentamos novos talentos da maquiagem no Brasil e no mundo.

Imagine a cena. Você tem 17 anos de idade e, de repente, recebe uma DM de Solange Knowles pelo Instagram: "Quer trabalhar comigo no meu próximo disco?". Foi isso que aconteceu com a norte-americana Ali, mais conhecida pelo seu perfil no Instagram @SweetMutuals, que hoje tem mais de 100 mil seguidores. "Quando a Solange me chamou, ninguém me conhecia. Eu tinha só 4 mil seguidores. Fiquei muito surpresa ao ver uma celebridade tão interessada em descobrir e apoiar novos talentos", conta em entrevista à ELLE Brasil. Depois desse convite tão especial, a jovem (que ainda estava no Ensino Médio) ganhou apoio total dos pais para perseguir a carreira de maquiadora. Afinal de contas, ela aprendeu sozinha a brincar com os pincéis e foi exatamente sua coragem de se expressar a sua maneira que cativou o olhar da estrela do R&B conceitual.


Ao acessar a página de Ali, você vai descobrir que a característica mais interessante no estilo da maquiadora é a capacidade de compor imagens delicadas que passam mensagens poderosas. Mesmo quando ela não está grudando adesivos como "PROTECT BLACK WOMEN" (em tradução livre, "Proteja mulheres pretas") no rosto, sua postura frente às normas da beleza hegemônica revela qual lado dessa briga ela escolheu. "Meu estilo é ousado e colorido. Eu considero o que eu faço como arte. Arte que engaja, mas que diverte também! Por que, não?" Abaixo, descubra como tudo começou para a jovem prodígio e aonde ela pretende chegar nos próximos anos.

PUBLICIDADE

De onde surgiu o nome "Sweet Mutuals"?

É em homenagem às pessoas que me ajudaram a chegar onde estou hoje! Eu tenho queridos que estão me seguindo desde quando comecei com apenas 400 seguidores. Eles são como uma família para mim. Não poderia pedir por gente mais querida me seguindo, então dedico meu "username" a eles. Eles são meus "doces queridos" (risos).

Foto @sweetmutuals

Como começou a sua relação com maquiagem?

Aos 3 anos de idade, eu já estava usando os batons da minha mãe. Não conseguia sair de casa sem eles. No ensino fundamental, assistia à Jackie Aina e Alissa Ashley, no YouTube, e ficava absolutamente encantada pelos visuais delas. Eu, no entanto, não conseguia testar essas maquiagens em mim, ficava muito intimidada na época. No primeiro ano do ensino médio, decidi me desafiar a superar essa barreira. O resultado final desses esforços não se parecia em nada com os maquiagens da influencers de beleza do YouTube. Era a primeira vez que eu pegava aquilo para valer e, devo dizer, estava usando produtos que a minha mãe tinha comprado, provavelmente, antes mesmo de eu nascer. Fiquei um pouco desencorajada, mas pensei comigo: 'Eu posso não conseguir esfumar as sombras perfeitamente, mas sei pintar. Então, por que não simplesmente pintar, em vez do papel, a minha cara?' Foi o que fiz e, desde então, nunca mais olhei para trás.

PUBLICIDADE

Quem são as pessoas que inspiram você hoje? De modo geral, de onde você tira inspiração?

Minha mãe, meus amigos, minha família, eu e o mundo ao meu redor. Antes de tudo, sou uma artista. Tenho prazer em pintar e desenhar. Então, naturalmente, já tenho minhas próprias inspirações que vêm à cabeça. Eu amo a natureza também e tento demonstrar esse amor ao colocar flores e nuvens no meu rosto. Quem está do meu lado também me inspira muito. Vê-los dividindo seus projetos criativos com o mundo me inspira a continuar e a ser sempre a melhor versão de mim mesma.

Foto @sweetmutuals

Quais técnicas você considera serem a sua "marca registrada" hoje em dia?

Sobrancelhas brancas e lábios com gloss. Tenho feito sobrancelhas brancas desde meu primeiro ano do ensino médio e todos os meus visuais são finalizados com um bom gloss na boca.

O que você diria para alguém que está querendo começar a trabalhar com beleza?

Pratique, acredite em você! Tenha confiança! Mas, mais importante, faça isso ser uma coisa sua! Divirta-se!

Quão importante o Instagram é para você? Como você acha que ele ajuda a impulsionar essa cena de maquiagem experimental que temos visto acontecer digitalmente?

É como eu consigo mostrar o meu trabalho. É um currículo portátil. Como maquiadora, o Instagram me ajuda a me conectar com a minha audiência que entende maquiagem como arte, assim como eu. Isso, sem contar os possíveis (e influentes) clientes que podem vir de lá.

Foto @sweetmutuals

A conversa sobre beleza pode se tornar uma ferramenta para mudança política?

Sim, padrões de beleza são um tópico muito importante que precisamos discutir enquanto sociedade. Mesmo que você não queira corresponder a eles, é importante refletir sobre o assunto. De alguma forma, todos nós nos importamos com a maneira como somos vistos, é natural. Mas ver sempre pessoas de pele clara pode fazer com que pessoas de pele escura se sintam desencorajadas, desestimuladas. Infelizmente, esse é o estereótipo de beleza que a mídia reproduz e que tem sido forçado a nós. Sendo uma mulher negra de pele escura, eu desafio a noção de que, para ser bonita, é preciso ter a pele clara, olhos azuis e cabelos loiros e compridos. E, para além de mim, há muitas pessoas pretas fazendo o mesmo e isso já é uma maneira de transformar politicamente a visão e a definição social de beleza. Quero mostrar que as pessoas negras são lindas, criativas e livres.

Como foi trabalhar com a Solange Knowles?

Foi surreal. Ser contratada aos 17 anos com apenas 4 mil seguidores... Realmente, abriu meus olhos e me fez entender que é isso o que eu quero para a minha vida. A Solange é muito doce e muito pé-no-chão. Ela me deu mais fome e vontade de ser uma revolucionária.

Você ainda é muito jovem, como se vê no futuro?

Eu me vejo em capas de revistas de moda. Eu me vejo em campanhas para marcas como Nike, MAC Cosmetics, Fenty, Glossier, Louis Vuitton, Gucci e muito mais. Eu me vejo em clipes da Solange, da Beyoncé, de Summer Walker, Tyler The Creator... E eu também adoraria criar a minha linha própria de maquiagem e skincare, uma marca de roupas e um orfanato para crianças pretas.

Foto @sweetmutuals

Quando você está sem maquiagem, o que vê ao olhar para o espelho?

Minha mãe sempre me fala que a beleza se esvai com o tempo. Eu penso nisso quando construo meus visuais. Faz com que eu entenda que a beleza real está debaixo da maquiagem. É a minha pele, o meu coração. O momento em que eu me sinto mais linda é quando eu tiro a maquiagem. Ver a minha pele sem nada, como ela é, me faz entender que a minha beleza fala alto independentemente de qualquer produto.

Qual a sua definição de beleza?

A beleza é preta!

O jovem maquiador assina o editorial "Um novo digimundo" da segunda edição da ELLE View e aqui você confere uma conversa sobre seus processos, sua história e seu ponto de vista sobre a intersecção entre beleza e arte.



Tenha acesso a conteúdos exclusivos
ASSINE A ELLE