PUBLICIDADE

Nossa forma de enxergar a beleza tem se transformado muito nos últimos tempos – ainda bem. Mas se a pressão para nós, pessoas anônimas, é alta, para aqueles que estão sob os holofotes ela pode ser ainda mais cruel. "Eu acho que ainda existe um padrão estético muito forte, que a gente sabe muito bem qual é, e eu me vejo muito ainda contra esse padrão", conta Baco Exu do Blues à ELLE Brasil. Encontramos o rapper, além das cantoras Duda Beat e Marina Sena, na primeira edição do Turá, festival de música brasileira que aconteceu nos dias 2 e 3 de julho, e batemos um papo com eles sobre beleza e autoestima. Abaixo, você confere o que eles compartilharam sobre o assunto.

Duda Beat

"Eu sinto uma mudança grande acontecendo no mundo. As pessoas estão parando de seguir padrões e olhando para o novo. Antes, até existia essa conversa de aceitar todos os corpos, mas acho que agora as pessoas sentem isso de fato, o que é maravilhoso. Isso está cada vez mais evidente em todas as pessoas nas quais eu me inspiro. E isso vem do movimento feminista, que me ajudou muito com a minha relação com o espelho, porque cada vez eu me amo e me aceito mais. É importante também aceitar nossos ciclos, porque às vezes estamos com os hormônios à flor da pele. Tem dias que a gente não se sente tão bem, mas em outros a gente se sente maravilhosa e isso é normal. Acho que o mais legal é aceitarmos que somos humanos e vulneráveis."

PUBLICIDADE


Baco Exu do Blues

"Minha autoestima foi muito agredida durante muito tempo. Até que chegou um momento em que eu decidi parar de escutar as pessoas e comecei a me observar e a cuidar de mim mesmo. Isso transformou a minha vida e me fez a pessoa que eu sou hoje. Eu acho que ainda existe um padrão estético muito forte, que a gente sabe bem qual é, e eu me vejo muito ainda contra esse padrão. Mas eu tô meio foda-se para isso, sabe? Eu sou tão feliz comigo mesmo que não importa se eu me encaixo no que colocam de homem ideal. Eu estou bem com o que eu sou. Como homem negro, eu ouvi as pessoas a vida toda. Então, quando eu decidi parar de escutar, eu realmente parei de escutar todo mundo e passei a olhar mais para mim, independente de eu ser uma figura pública ou não."

PUBLICIDADE


Marina Sena

"Eu só me senti bonita depois que comecei a cantar profissionalmente. Quando eu me coloquei como artista, eu fui de zero a cem no nível gostosa. (risos) Se você visse uma foto minha com 16 anos, você choraria, não dá para acreditar que é a mesma pessoa. (risos) Eu acho que a beleza está totalmente ligada a você estar confortável com quem você é, com o que você faz. É um combo mesmo, sabe? Eu me sinto mais bonita sempre que eu faço algo que eu gosto. Quando eu me sinto realizada com o meu trabalho, quando eu subo no palco, eu penso: 'olha, eu sou gostosa mesmo!'".

Tenha acesso a conteúdos exclusivos
ASSINE A ELLE

A ELLE Brasil utiliza cookies próprios e de terceiros com fins analíticos e para personalizar o conteúdo do site e anúncios. Ao continuar a navegação no nosso site você aceita a coleta de cookies, nos termos da nossa Política de Privacidade.

Assine nossa newsletter

Doses Semanais de moda, beleza, cultura e lifestyle, além, é claro, de todas as novidades e lançamentos da ELLE no seu inbox.
Increva-se gratuitamente.