Beleza

Harmonizei e me arrependi, e agora?

Cuidado: alguns dos procedimentos envolvidos na famigerada harmonização facial são irreversíveis. Falamos com vários especialistas para entender como não cair na armadilha do rosto quadradão superpadronizado.

Ilustração: Gustavo Balducci
PUBLICIDADE

No dia 4 de outubro deste ano, o Fantástico, da Rede Globo, exibiu uma entrevista com o cantor sertanejo Lucas Lucco. Ex-modelo, o popstar nacional falava na ocasião sobre o arrependimento de ter topado passar por um procedimento de harmonização facial cujo resultado julgou ser mais agressivo do que gostaria. "Fui ao dentista para diminuir um pouco as olheiras", contou no programa de domingo. Desde 2016, devido a uma resolução do CFO (Conselho Federal de Odontologia), os processos de harmonização facial são considerados também uma especialidade dos dentistas. Segundo Lucco, o profissional em questão se ofereceu para ir além do preenchimento da região abaixo dos olhos. "Fiquei sem jeito de dizer não. Já estava ali... É muito ruim, porque eu estou assim nas fotos do meu noivado, é uma coisa que dura para sempre. Fica a lição", concluiu pouco depois de revelar que, em 2019, começou a "desarmonizar" o rosto com sessões que prometem reverter o efeito do primeiro procedimento.

"A harmonização facial, na verdade, é um conjunto de processos de embelezamento que pode ou não envolver mais de um procedimento", explica o dentista especialista no assunto Armando Hipólito, que atende em São Paulo. "Você tem o botóx, o fio, o microagulhamento, a bichectomia (cirurgia que retira gordura das bochechas) e, claro, o preenchimento com ácido hialurônico, que é o mais popular atualmente." Segundo o dermatologista carioca Thales Bretas, a substância aplicada por injeções no rosto é uma molécula que o nosso próprio corpo já produz naturalmente. "Ela é degradada com o tempo. Em geral, dura até 12 meses, dependendo da concentração de ácido hialurônico e das propriedades da ampola."

PUBLICIDADE

"Quando bem executados, esses procedimentos ajudam o paciente a resgatar sua autoestima e os resultados são muito positivos. É uma pena que eles estejam sendo tão mal utilizados", Daniel Cassiano, dermatologista.

O cirurgião plástico Victor Cutait explica que, para acelerar esse processo no caso de arrependimento, a única saída é a aplicação da hialuronidase, uma enzima que dissolve o ácido hialurônico. "E esse é um processo que, por vezes, sai quase pelo mesmo valor da própria harmonização", aponta. Antes de realizar qualquer procedimento em seu consultório, Hipólito, e a maioria dos dentistas, dermatologistas e cirurgiões que aplicam o preenchimento, pedem para que o paciente em questão assine um termo de responsabilidade. "Ainda que seja raro, existem riscos como o surgimento de nódulos ou até a obstrução de vasos sanguíneos e necrose. O paciente precisa estar ciente disso quando topa fazer a harmonização". Ou seja, se você quer desfazer a sua harmonização porque não gostou do resultado, vai ter que pagar caro por isso. A enzima só é aplicada gratuitamente quando algum problema de saúde é resultado da aplicação.

PUBLICIDADE

Fuja da cilada

"Não faça nada no seu rosto porque a blogueira te mandou fazer!", aconselha Daniel Cassiano, dermatologista. "Há uma banalização dos procedimentos estéticos hoje em dia. As pessoas são frequentemente bombardeadas nas redes sociais por profissionais de saúde e influenciadores vendendo uma ideia intangível de rejuvenescimento e beleza. Nesse cenário, existe a falsa impressão de que todos devem 'fazer alguma coisa' para melhorar. O maior cuidado antes de fazer uma harmonização facial é, na verdade, entender a razão pela qual você está se submetendo a um procedimento. O que realmente te incomoda?"

Bretas, por sua vez, reforça a importância de escolher bem o profissional que vai executar o procedimento. "Procure recomendações, pesquise sua formação, sua experiência. Estabeleça uma relação de confiança. É importante manejar expectativas, não esperar resultados mirabolantes e fazer o processo em etapas. Com isso, você evita transformações abruptas, indesejadas e que causam estranhamento." Hipólito engrossa o coro: "Tem muita gente que vem até o meu consultório e repensa muito antes de fazer a harmonização, porque a gente dialoga até entender o que ela realmente deseja. Às vezes, por causa das redes sociais e da desinformação, as pessoas chegam aqui querendo entrar nessa como quem está aderindo a uma tendência. Mas não é sobre isso. É sobre entender o que faz sentido para você".

Segundo o dentista, é exatamente essa vontade de fazer "alguma coisa", mesmo que sem saber que coisa é essa, que dá margem para os resultados tão padronizados que se espalham pela internet. "Se não há esse cuidado de entender o desejo do paciente, de respeitar os seus traços, o que se vê no final é o mesmo rosto quadrado de maçãs saltadas que convencionou-se como padrão de beleza nesse momento da nossa história. Um profissional menos preparado sempre cai nesse lugar."

"Quando bem executados, esses procedimentos ajudam o paciente a resgatar sua autoestima e os resultados são muito positivos. É uma pena que eles estejam sendo tão mal utilizados", lamenta Cassiano.



Tenha acesso a conteúdos exclusivos
ASSINE A ELLE