Beleza

Será que o isolamento social deu fim à era das luzes californianas?

No último ano, a coloração mais popular entre as brasileiras saiu dos holofotes e deu espaço para dois opostos ganharem destaque: cabelos naturais ou cores fantasia.

Foto: Reprodução / Instagram: @matildadjerf
PUBLICIDADE

Depois de um ano de isolamento social, muita coisa já mudou no cenário global de beauté. Nossa relação com o espelho está diferente, "arrumar-se" já não é mais tão essencial, a maquiagem ganhou outros significados, o skincare virou válvula de escape dentro de uma realidade distópica… E o cabelo? Bom, ao contrário do batom e da base que mancham com o uso das máscaras, os fios ainda têm algum lugar ao sol. Ainda assim, ir ao cabeleireiro com tanta frequência já não é possível. Tudo isso para perguntar: será que o sucesso das luzes californianas, um clássico da beleza brasileira, sobrevivem à quarentena?

O look você já conhece: trata-se de uma raiz natural com degradê loiro até as pontas que simula o efeito dos raios solares nos cabelos. Até aí, tudo certo. O problema é que o tal estilo demanda certa manutenção. Algo em torno de um ida ao cabeleireiro a cada quatro meses. "Decidi que queria cortar", diz a empresária sorocabana Fernanda Freitas, adepta das californianas antes do isolamento desde 2017. "Passei um ano sem ir ao cabeleireiro. Depois de tanto tempo sem cuidado, achei melhor cortar e deixar ele crescer mais forte a partir de agora."

E ela não está sozinha. A top Gigi Hadid não é brasileira, mas, sem dúvida, é uma das responsáveis pelo hype da balayage no final dos anos 2010. Conhecida mundialmente por suas longas, onduladas e brilhantes madeixas, a modelo apareceu totalmente diferente no inverno 2020 da The Row, marca capitaneada pelas icônicas gêmeas Mary-Kate e Ashley Olsen. Foram-se embora os fios dourados entrou em cena o seu tom natural: um castanho médio que combinou 100% com o estilo austero e minimal da etiqueta estadunidense. Aliás, Mary-Kate também diminuiu o contraste de suas luzes que, agora, ficaram exatamente na linha fina entre o loiro e o moreno que, nos Estados Unidos, popularizou-se como "bronde" (um mix das palavras "blonde" [loiro] e "brunette" [moreno]).

PUBLICIDADE

gigi-hadid Gigi Hadid abriu o desfile da The Row de inverno 2020 com seu cabelo ao natural.Foto: Divulgação / The Row

gigi-hadid


"Desde que retomamos as atividades do salão, a maioria dos pedidos tem sido para voltar a textura do cabelo natural que, invariavelmente, é mais saudável e mais fácil de cuidar do que o fio oxidado da descoloração", assegura o cabeleireiro João Bosco, do Salão 1838 de São Paulo. O paulistano Daniel Lacerda, hairstylist há 20 anos que trabalha no CAB, no bairro de Pinheiros, diz que, apesar de as luzes não terem ido embora completamente, a procura é por visuais de baixa manutenção e aparência bem cuidada. Segundo ele, o momento é mais democrático.

PUBLICIDADE

"Desde que retomamos as atividades do salão, a maioria dos pedidos tem sido para voltar a textura do cabelo natural que, invariavelmente, é mais saudável e mais fácil de cuidar do que o fio oxidado da descoloração", João Bosco, cabeleireiro

Fã de sol, calor e praia, a paulistana Ana Flávia Fernandes, estava adaptada a uma versão do-it-yourself das californianas. Com a ajuda da camomila e do clássico Sun In, da Phytoervas, hit dos anos 2000, a empresária e astróloga retocava suas luzes à beira-mar. Devido à quarentena, no entanto, o cabelo não demorou a perder o glow dourado. Contudo, ao invés de assumir os fios ao natural, ela apostou no extremo oposto: "Sempre quis testar a descoloração global. Quando era pequena, fazia aquelas mechinhas na franja à la Avril Lavigne porque não tinha coragem de platinar 100%", relembra. Uma vez dentro de casa e podendo ousar sem medo do olhar do outro, Fernandes não só platinou como ainda investiu em cores fantasia. Testou o roxo que sempre sonhou, depois foi para o lilás, passou pelo cinza e teve até um período azul.

"Em momentos sombrios como os que estamos vivendo por causa da pandemia do novo coronavírus, as pessoas tendem a almejar imagens mais alegres que contrastem com a realidade dura à sua volta", disseca a expert em tendências Luiza Loyola do WGSN. "No início deste ano, estamos mais inclinados a apostar em cores: tanto em tons que acalmam quanto naqueles que animam", continua. De acordo com ela, violeta, cereja e azul estão em alta porque "trazem sensações de bem-estar e energia". Iza Dezon, fundadora da consultoria estratégica DEZON também aponta para uma mudança na maneira como nos relacionamos com beleza na quarentena que possibilita mudanças que, antes, pelo medo da reação das pessoas, nos privávamos de fazer. "Principalmente na cultura latina, a gente se arruma para ser vista. Hoje, de cabelo preso, óculos escuros e máscaras, você pode ser qualquer uma. Tudo o que acontece, acontece dentro de casa. Esse reencontro com o anonimato é também um reencontro com a gente mesmo", arremata.




Com o retorno dos anos 2000 à moda, eles voltam a conquistar as cabeças das mulheres que querem fios diferentões sem apelar para as tintas coloridas

Tenha acesso a conteúdos exclusivos
ASSINE A ELLE