Cadastre-se em nossa newsletter para ler este e outros artigos.

Doses semanais de moda, beleza, cultura e lifestyle, além, é claro, de todas os lançamentos da ELLE!
Inscreva-se gratuitamente.

  • ASSINE NOSSA NEWSLETTER
  • O melhor da ELLE direto no seu inbox! Inscreva-se gratuitamente.
  • INSCREVA-SE AQUI
Cultura

Quem foi a primeira atriz negra a ganhar o Oscar

Em 1940 Hattie McDaniel precisou de uma autorização especial para poder receber pessoalmente o prêmio de melhor atriz coadjuvante em tempos de segregação racial. Já Halle Berry amarga o fato de ter sido sido a única negra a vencer na categoria de melhor atriz.

Foto: Silver Screen Collection / Getty Images
PUBLICIDADE

Historicamente, o Oscar tem um problema sério em reconhecer o talento de pessoas que fogem do padrão caucasiano tão celebrado nas telas de Hollywood. Após diversas críticas, nos últimos anos, a Academia de Artes e Ciências Cinematográficas vem tentando reverter essa situação, mas a lista de premiados nas mais diversas categorias está longe de se tornar etnicamente igualitária – e isso fica bastante claro nos prêmios de melhor atriz e melhor atriz coadjuvante.

Hattie McDaniel, primeira negra a vencer o Oscar de atriz coadjuvante

Hattie McDaniel com sua estatueta do Oscar

Bettmann / Getty Images

A primeira atriz negra a receber uma estatueta do Oscar foi Hattie McDaniel. O acontecimento histórico se deu em 1940, na 12ª edição da premiação, por sua atuação no clássico E O Vento Levou. Ela brilhou no papel de Mammy, a criada sarcástica que colocava limites na protagonista, a mimada Scarlett O'Hara, interpretada por Vivien Leigh. Hattie conseguiu se destacar mesmo estando presa ao estereótipo de empregada que vive apenas para servir aos seus patrões.

Apesar de ter tido o seu talento reconhecido, Hattie não pôde festejar com o resto do elenco. Primeiro, ela precisou de uma autorização especial para que pudesse entrar no teatro e participar da cerimônia, já que a lei Jim Craw impunha a segregação racial no estado da Califórnia. Ainda assim, a atriz foi colocada em uma mesa ao fundo, bem distante das outras estrelas. E, para finalizar, foi proibida de participar das fotos com os colegas no final do evento.

Vale ressaltar que ela também foi a primeira afro-americana a ser convidada para o Oscar. Quem conseguiu a autorização foi o renomado produtor David O. Selznick. A despeito de tantas restrições, Hattie teve a chance de subir ao palco para receber o prêmio com as suas próprias mãos e fazer um discurso de agradecimento.

O discurso de Hattie McDaniel ao vencer o Oscar

"Academia de Artes e Ciências Cinematográficas, membros da indústria cinematográfica e convidados de honra: este é um dos momentos mais felizes de minha vida e quero agradecer a cada um de vocês que me selecionaram a um dos seus prêmios por sua gentileza. Isso me fez sentir muito, muito humilde – e sempre o erguerei como um farol para qualquer coisa que eu possa fazer no futuro. Espero, sinceramente, ser sempre motivo de orgulho para a minha raça e para a indústria cinematográfica. Meu coração está cheio demais para lhes dizer como me sinto, e posso dizer obrigada e que Deus os abençoe."

Halle Berry, primeira e única mulher negra a ganhar o Oscar de melhor atriz

Halle Berry venceu em 2002 o Oscar de melhor atriz

Frank Micelotta Archive / Getty Images

Após a vitória de Hattie, foram necessários mais 62 anos para que, enfim, uma atriz afro-estadunidense fosse aclamada na categoria principal de atuação. Halle Berry ganhou o Oscar em 2002 por sua interpretação pulsante na pele da viúva Leticia Musgrove em A última ceia, se tornando a primeira mulher negra a subir ao palco para receber o prêmio de melhor atriz.

Se já é chocante pensar que esse marco histórico só ocorreu na 74ª edição da premiação, fica ainda pior saber que, de lá para cá, esse feito nunca mais se repetiu. Halle Berry não foi apenas a primeira atriz negra a vencer na categoria, como também foi a única. Em entrevista ao jornal britânico The Mirror, em janeiro deste ano, ela diz que essa situação parte seu coração. "A mágoa que eu tenho é porque eu realmente pensei que aquela noite significaria algo e, logo depois disso, outras mulheres negras ficariam ao meu lado. Já se passaram 20 anos e isso não aconteceu", desabafou.

Em 1999, quando ainda nem imaginava que um dia levaria a estatueta, ela protagonizou o filme Dorothy Dandridge - O Brilho de uma Estrela, que conta a história da primeira mulher negra indicada ao prêmio de melhor atriz. Entre a nomeação de Dorothy, em 1954 por Carmen Jones, e a vitória de Halle, apenas cinco outras atrizes afro-estadunidenses concorreram na categoria, foram elas:

  • Diana Ross, 1973, O acaso de uma estrela
  • Cicely Tyson, 1973, Lágrimas de Esperança
  • Diahann Carroll, 1975, Claudine corpo e alma
  • Whoopi Goldberg, 1986, A cor púrpura
  • Angela Bassett, 1994, Tina - A Verdadeira História de Tina Turner

Depois de Halle, outras cinco tiveram essa mesma chance, além de Viola Davis e Andra Day que concorrem este ano por A Voz Suprema do Blues e The United states vs. Billie Holiday, respectivamente. Ou seja, em 93 anos de cerimômia, apenas 14 mulheres negras foram indicadas à principal categoria de atuação do Oscar. A seguir, a lista das que sucederam a estrela de A última ceia:

  • Gabourey Sidibe, 2010, Preciosa
  • Viola Davis, 2012, Histórias Cruzadas
  • Quvenzhané Wallis, 2013, Indomável sonhadora
  • Ruth Negga, 2017, Loving
  • Cynthia Erivo, 2020, Harriet
  • Viola Davis, 2021, A Voz Suprema do Blues
  • Andra Day, 2021, The United states vs. Billie Holiday

O discurso de Halle Berry ao vencer o Oscar

"Oh meu Deus. Oh meu Deus. Eu sinto muito. Este momento é muito maior do que eu. Este momento é para Dorothy Dandridge, Lena Horne, Diahann Carroll. É para as mulheres que estão ao meu lado, Jada Pinkett, Angela Bassett, Vivica Fox. E é para cada mulher de cor sem nome e sem rosto que agora tem uma chance porque esta porta foi aberta esta noite. Obrigada. Estou muito honrada. E agradeço à Academia por me escolher para ser a embarcação pelo qual Sua bênção pode fluir.

Quero agradecer ao meu empresário, Vincent Cirrincione. Ele está comigo há doze longos anos. Você lutou todas as lutas, e você me amou quando eu estive por cima, mas, mais importante, você me amou quando eu estive por baixo. Você já foi gerente, amigo e o único pai que conheci. Mesmo. E eu te amo muito.

Quero agradecer à minha mãe que sempre me dá forças para lutar todos os dias para ser quem eu quero ser e me dá coragem para sonhar, que esse sonho possa estar acontecendo e seja possível para mim. Eu te amo muito, mãe. Obrigada, meu marido, que é só uma alegria na minha vida. E Índia, obrigado por me dar paz, porque somente com a paz que você me trouxe eu pude ir a lugares que eu nem sabia que poderia ir. Obrigada. Amo você e a Índia de todo o coração.

Quero agradecer ao Lions Gate. Obrigado, Mike Paseornek, Tom Ortenberg, por garantir que todos soubessem sobre este pequeno filme. Obrigado por acreditar em mim. Nosso diretor Marc Forster, você é um gênio. Você é um gênio. Essa experiência de fazer filmes foi mágica para mim por sua causa. Você acreditou em mim, você confiou em mim e gentilmente me guiou a lugares muito assustadores. Eu que agradeço.

Quero agradecer a Ivana Chubbuck, eu nunca teria descoberto quem diabos era essa senhora sem você. Eu amo você. Obrigada. Quero agradecer a Lee Daniels, nosso produtor. Obrigado por me dar essa chance, por acreditar que eu poderia fazer isso. E agora esta noite eu tenho isso. Obrigada.

Eu quero agradecer meus agentes, especialmente Josh Lieberman. Eu tenho que agradecer meus agentes. Kevin Huvane, obrigado. Obrigado por nunca me expulsar e me mandar para outro lugar. Obrigada. Hum ... Eu, eu, eu, quem mais? Tenho tantas pessoas que preciso agradecer. Meus advogados! Neil Meyer, obrigado. Ok, espere um minuto. Tenho que levar ... uns setenta e quatro anos aqui! Eu tenho que aproveitar dessa vez! Tenho que agradecer ao meu advogado Neil Meyer por fazer este negócio. Doug Stone.

Eu preciso agradecer por último, e não menos importante, ao Spike Lee por me colocar em meu primeiro filme e por acreditar em mim. Oprah Winfrey, por ser o melhor modelo que qualquer garota pode ter. Joel Silver, obrigado. E obrigado a Warren Beatty. Muito obrigado por serem meus mentores e por acreditarem em mim. Obrigada! Obrigada! Obrigada!"

Outros atores negros vencedores do Oscar 

A celebração à diversidade nunca foi o forte do Oscar. No entanto, as coisas começaram a mudar em 2016. Após dois anos seguidos com indicações apenas para pessoas brancas nas categorias melhor ator e melhor atriz, a hashtag #OscarsSoWhite tomou conta das redes sociais como forma de protesto. Algumas estrelas chegaram, inclusive, a boicotar a cerimônia.

De lá para cá, a Academia de Artes e Ciências Cinematográficas vem tomando iniciativas para tornar o seu quadro de membros mais plural, ampliando convites a mais mulheres, pessoas negras, de minorias étnicas e estrangeiros. O propósito é que essa mudança se reflita diretamente nos indicados e – consequentemente – nos vencedores.

Por enquanto, o baixo número de atores e atrizes afro-estadunidenses que receberam a estatueta mais desejada do cinema ainda choca. Além de Hattie, quatro negras ganharam o Oscar de melhor atriz coadjuvante. Já entre os homens negros, foram cinco vencedores na categoria melhor ator coadjuvante e quatro na categoria melhor ator. Mahershala Ali foi o único premiado duas vezes. São eles:

Melhor atriz coadjuvante

  • Whoopi Goldberg, 1991, Ghost - Do outro lado da vida
  • Mo'Nique, 2010, Preciosa
  • Octavia Spencer, 2012, Histórias cruzadas
  • Viola Davis, 2017, Um limite entre nós

Melhor ator coadjuvante

  • Louis Gossett Jr., 1983, Oficial e cavalheiro
  • Denzel Washington, 1990, Tempo de glória
  • Cuba Gooding Jr., 1997, Jerry Maguire - A Grande Virada
  • Morgan Freeman, 2005, Menina de ouro
  • Mahershala Ali, 2017, Moonlight: Sob a Luz do Luar
  • Mahershala Ali, 2019, Green Book

Melhor ator

  • Sidney Poitier, 1964, Uma voz nas sombras
  • Denzel Washington, 2002, Dia de treinamento
  • Jamie Foxx, 2005, Ray
  • Forest Whitaker, 2007, O último rei da Escócia


A noite em que Julia Roberts eternizou o vintage, a transparência inesperada de Barbra Streisand, o roubo do vestido de Lupita Nyong'o e outras curiosidades que marcaram o evento para além da cerimônia.



Tenha acesso a conteúdos exclusivos
ASSINE A ELLE

A ELLE Brasil utiliza cookies próprios e de terceiros com fins analíticos e para personalizar o conteúdo do site e anúncios. Ao continuar a navegação no nosso site você aceita a coleta de cookies, nos termos da nossa Política de Privacidade.

Assine nossa newsletter

Doses Semanais de moda, beleza, cultura e lifestyle, além, é claro, de todas as novidades e lançamentos da ELLE no seu inbox.
Increva-se gratuitamente.