Cadastre-se em nossa newsletter para ler este e outros artigos.

Doses semanais de moda, beleza, cultura e lifestyle, além, é claro, de todas os lançamentos da ELLE!
Inscreva-se gratuitamente.

  • ASSINE NOSSA NEWSLETTER
  • O melhor da ELLE direto no seu inbox! Inscreva-se gratuitamente.
  • INSCREVA-SE AQUI
PUBLICIDADE

O estilista Alexander Wang negou as acusações de assédio sexual deflagradas pelo modelo Owen Mooney em seu perfil no TikTok no início de dezembro, e endossadas por outros profissionais do meio nos últimos dias.

Em comunicado ao site Dazed, Wang afirmou ser inocente. "Nos últimos dias, tenho recebido acusações infundadas e grotescamente falsas. Essas alegações foram amplificadas injustamente por perfis das redes sociais conhecidos por publicar material difamatório de fontes não divulgadas ou anônimas, sem nenhuma evidência ou qualquer verificação de fato."

"Ver essas mentiras sobre mim serem perpetuadas como verdades é enfurecedor", continua Wang. "Nunca me envolvi no comportamento atroz descrito e nunca me comportaria da maneira que foi alegada. Pretendo chegar ao fundo disso e responsabilizar quem quer que seja responsável por originar essas reivindicações e disseminá-las viciosamente online."

Descendente de tailandeses, Wang, de 37 anos, foi diretor criativo da Balenciaga entre 2012 e 2015. Hoje, continua com a grife que leva seu nome, assinando colaborações e vestindo famosas como as irmãs Gigi e Bella Hadid, Kendall Jenner e Kaia Gerber.

Owen Mooney acusa Alexander Wang de assédio

Em dezembro, o modelo britânico Owen Mooney postou um vídeo no TikTok contando que foi assediado por um "famoso estilista" durante uma festa em 2017. Dois dias depois ele revelou, pela mesma plataforma, que se tratava de Alexander Wang, a quem chamou de "predador sexual".

As acusações ganharam fôlego no início da última semana, quando republicadas pelos perfis do Instagram @diet_prada e @shitmodelmgmt, que endossaram as acusações com outros relatos de assédio e abuso sexual, publicados via stories. Segundo eles, os autores das denúncias preferiram permanecer anônimos.

A modelo e atriz Gia Garison também acusa Wang de assédio. Segundo ela, o estilista teria tentado abaixar sua calcinha e expor seus órgãos genitais na área VIP de uma festa da Holy Mountain em fevereiro de 2017. "Eu me lembro de estar dançando perto dele, e Wang estender a mão para puxar a parte de baixo do meu biquíni". Ela conta que contestou a atitude do designer e se afastou, mas não fez nenhuma denúncia na época.

Segundo o jornal britânico The Guardian, um jovem chamado Nick, cujo sobrenome não desejou que fosse revelado, alegou ter sido estuprado por Wang em agosto de 2017, que teria feito sexo oral no homem enquanto ele estava inconsciente.

Outro homem, Nick Ward, que trabalha para uma construtora em Nova York, também acusou o estilista de agarrar repentinamente seu pênis em uma boate na madrugada de 10 de setembro de 2017. "Ele me agarrou, me apertou e continuou avançando pelo clube com sua comitiva como se nada tivesse acontecido". Ainda segundo a publicação britânica, o advogado de Wang disse que ele estava em um desfile de moda até as 3 da manhã daquela noite e poderia provar que não estava na boate.

Alexander Wang pede desculpas pelas acusações de assédio


Meses após as acusações, Alexander Wang encontrou os dez homens que lhe acusaram de assédio sexual. Segundo a advogada Lisa Bloom, eles: "tiveram a oportunidade de falar sua verdade para ele [Wang] e expressar sua dor e sofrimento".

Em resposta, Wang publicou um pedido de desculpas em seu Instagram: "Um número de indivíduos recentemente questionou meu comportamento passado. Eu reconheço o direito de se manifestar, e ouvi com cuidado o que eles tinham para dizer. Não foi fácil para eles compartilhar sua história e eu me arrependo de ter agido de alguma forma que lhes tenha causado sofrimento. Apesar de discordarmos quanto a alguns detalhes sobre nossos encontros, eu irei usar minha influência e visibilidade para dar o exemplo e encorajar outras pessoas a reconhecer seus comportamentos nocivos". Wang disse que aprendeu com a situação e prometeu melhorar no futuro.


Quando falamos de cultura do estupro, estamos falando que, sim, fomos nós que construímos isso e é nosso dever desconstruir e não aceitar esses comportamentos como naturais.

PUBLICIDADE



Na vanguarda da América Latina, senado argentino aprovou nesta quarta-feira a lei que permite a interrupção voluntária da gravidez até a 14º semana de gestação.

Tenha acesso a conteúdos exclusivos
ASSINE A ELLE

A ELLE Brasil utiliza cookies próprios e de terceiros com fins analíticos e para personalizar o conteúdo do site e anúncios. Ao continuar a navegação no nosso site você aceita a coleta de cookies, nos termos da nossa Política de Privacidade.

Assine nossa newsletter

Doses Semanais de moda, beleza, cultura e lifestyle, além, é claro, de todas as novidades e lançamentos da ELLE no seu inbox.
Increva-se gratuitamente.