Cadastre-se em nossa newsletter para ler este e outros artigos.

Doses semanais de moda, beleza, cultura e lifestyle, além, é claro, de todas os lançamentos da ELLE!
Inscreva-se gratuitamente.

  • ASSINE NOSSA NEWSLETTER
  • O melhor da ELLE direto no seu inbox! Inscreva-se gratuitamente.
  • INSCREVA-SE AQUI
Fotos: Bernoch, DRodrigues, Pedro Jorge AFRO-P, Mandra de Lucas e Igor Curzel
PUBLICIDADE

O desfile do Ateliê Criativo Vou Assim nesta Casa de Criadores foi resultado de um trabalho executado por 11 estilistas que fizeram uma imersão coletiva supervisionada pela coordenadora da marca, Pimentel. Eles contaram com a mentoria das designers Vicenta Perrotta, Bioncinha do Brasil, Alecrim Rosemary e Phel. Os selecionados participaram do curso de Moda, Costura de Upcycling e Transmutação Têxtil, ministrado pela marca, cujo produto final integra parte do que se viu nesta apresentação. A criação do vídeo, dividido em seis blocos, contou ainda com mais de 90 pessoas LGBTQIA+ de periferias.

Tudo começa com o trabalho da plataforma Africa Plus Size Brasil, idealizada por Lu Big Queen que, desde 2013, especializou-se em criar para corpos pretos e gordos. Para o vídeo, ela destacou os jeans estampados. O segundo bloco é a apresentação do clipe Astranscriaciscopia, da multiartista Feat em colaboração com Veni e Albert Magno, e também conta com peças feitas a partir de tecidos de descarte.

O curta segue com a mesma linguagem videoclíptica, num terceiro bloco formado pelo clipe da música Perecível, da artista Calllanga, que acaba de chegar do sertão da Bahia e mostra sua nova coleção de roupas. Já a quarta parte do vídeo, é o fashion filme Me reconheço no encontro, uma exaltação da rede de artistas dissidentes de Salvador.

PUBLICIDADE

A Coletiva Açu, ao lado de Bruno Mendonça, domina o quinto bloco apresentando o vídeo Bicha Zoopoetica, que pega elementos da indumentária típica do Sul do Brasil, como calças bombacha e mangas bufantes, para ressignificá-los.

A última parte é a exposição da plataforma Sou Assim, que, por fim, mostra as peças de upcycling desses onze estilistas que fizeram o curso de moda de Pimentel.

A união e a coletividade de pessoas negras, trans e periféricas é uma das grandes correntes de comportamento vistas nesta edição da Casa de Criaodores. Nesse contexto, o Ateliê Criativa Vou Assim mostra que é possível profissionalizar, formar, integrar, visibilizar e articular corpos dissidentes.

Tenha acesso a conteúdos exclusivos
ASSINE A ELLE