Cadastre-se em nossa newsletter para ler este e outros artigos.

Doses semanais de moda, beleza, cultura e lifestyle, além, é claro, de todas os lançamentos da ELLE!
Inscreva-se gratuitamente.

  • ASSINE NOSSA NEWSLETTER
  • O melhor da ELLE direto no seu inbox! Inscreva-se gratuitamente.
  • INSCREVA-SE AQUI
PUBLICIDADE

BRANDED CONTENT

Em meados de fevereiro, a Vans e a Opening Ceremony anunciaram uma nova parceria. São quatro modelos de tênis (o Authentic, a primeira silhueta desenvolvida pela marca californiana ), uma jaqueta, uma calça e uma bolsa, que ganham lançamento nacional a partir do início de maio. "A Vans tem sido nossa parceira criativa de longa data e estamos muito animados em colaborar, usando mais uma vez sua icônica estampa, nesta temporada", diz Humberto Leon, diretor criativo da OC e cofundador da etiqueta ao lado de Carol Lim.

A estampa, no caso, é a famosa Checkerboard (aka xadrez). Nas mãos dos fundadores da Opening Ceremony, o motivo foi reinterpretado com padrões abstratos de cobra e leopardo. "Estamos motivados e inspirados para trazer uma nova abordagem gráfica à clássica estampa da Vans", fala Humberto. A ideia é transformar as formas geométricas em desenhos livres e orgânicos. Mas as linhas retas ainda aparecem numa segunda cápsula de tênis: dois modelos monocromáticos com o quadriculado feito de matelassê.

A história entre a marca símbolo dos esportes de ação e a label nova-iorquina vem de longa data. Mais precisamente desde 2014, quando surgiram as primeiras ações conjuntas – uma collab mesmo só aconteceu em 2018. Nesse ano, Humberto Leon deu uma entrevista na qual disse que o motivo da aproximação era a importância histórica da Vans na cultura estadunidense. É que a Opening Ceremony sempre gostou de trabalhar com grifes e profissionais que tivessem alguma relação – quase apaixonada, na real – com a diversidade, que celebram a criatividade e apoiam movimentos jovens, principalmente os que nascem e acontecem nas ruas.

PUBLICIDADE

Pois bem, a Vans foi fundada em 1966 por Paul Van Doren, na cidade de Anaheim, Califórnia, quando ele deixou de trabalhar para outros fabricantes de calçados. Em pouquíssimo tempo, o negócio começou a fazer sucesso entre jovens locais, principalmente surfistas e skatistas. Paul percebeu aí uma oportunidade e passou a patrocinar alguns com doações de tênis a serem usados em sessões de skate nas ladeiras de Santa Mônica, como também nas competições dentro das pistas. Deu certo.

Deu tão certo que, no fim dos anos 1970 e começo dos 80, os modelos Authentic e Old Skool se tornaram sinônimos do estilo sul-californiano. Para tirar a prova, basta assistir o filme Fast Times at Ridgemont High, de 1982, com Sean Penn no papel principal, eternizando o clássico e atemporal Vans Slip-On Checkerboard. A marca não ficou restrita às praias e pistas da costa oeste dos EUA. Impulsionados pela cena do skate e também pelo hip-hop, os tênis se tornaram itens essenciais no uniforme de vários movimentos da cultura de rua.

PUBLICIDADE

Na virada entre as décadas de 1980 e 90, a moda voltou a se interessar pelo que acontecia e influenciava fora das passarelas. Foi a época em que o grunge se tornou extremamente popular, e seu estilo, copiado até por grifes de luxo. Era o pontapé final para firmar a Vans também como um item indispensável entre os fashionistas.

Desde então, foram vários os momentos em que modelos da marca voltaram a ser tendência. Só para citar alguns exemplos recentes: no começo dos anos 2000, o Slip-On com padrão Checkerboard marcou toda a cena indie. Entre 2017 e 2018, com a obsessão por clássicos do streetwear, o Old Skool se tornou um dos tênis mais desejados pelos fãs desse movimento. E, agora, com todo mundo olhando de novo para a moda da virada do milênio, o estilo atemporal do icônico Authentic é utilizado como uma tela em branco para tangibilizar a paixão da Vans e da OC pela autoexpressão.

O motivo do sucesso longevo pode soar simples – conexão e adaptação às necessidades e aos estilos de diferentes gerações –, mas a prática, contudo, é um tanto mais complexa. Tem a ver com DNA, propósito e valores essenciais. No caso, esses ideais possibilitam e apoiam a expressão criativa, desde a sua fundação, através de esportes de ação, música, arte e cultura urbana. A Vans soube atender a cada um deles. Esse, aliás, é outro ponto de conexão com a Opening Ceremony.

Fundada em 2002 por Carol Lim e Humberto Leon, a OC emergiu como uma multimarcas criativa e motivada pelos princípios da exploração e da amizade e, desde então, celebra perspectivas únicas e diversas de pessoas e países de todo o mundo. Não foi à toa que deu match.

A colaboração entre a Vans e a Opening Ceremony já está disponível exclusivamente em revendedores selecionados, nas Vans Stores e em vans.com.br/openingceremony.

Fotografia: Tauana Sofia

Assistente de Fotografia: Pedro Pradella

Styling: Suyane Ynaya

Maquiagem: Branca Moura

Modelos: Tatiane Iizuka e Pedro Kmonuwana

Produção executiva: Gustavo Grota

Vans Brasil: Arthur Pagni e Arthur Gragnani

Tenha acesso a conteúdos exclusivos
ASSINE A ELLE