Cadastre-se em nossa newsletter para ler este e outros artigos.

Doses semanais de moda, beleza, cultura e lifestyle, além, é claro, de todas os lançamentos da ELLE!
Inscreva-se gratuitamente.

  • ASSINE NOSSA NEWSLETTER
  • O melhor da ELLE direto no seu inbox! Inscreva-se gratuitamente.
  • INSCREVA-SE AQUI
Fotos: Getty Images
PUBLICIDADE

Em julho, na apresentação da coleção masculina de verão 2022, Rick Owens cobriu a praia do Lido, em Veneza, com uma espécie de neblina. A ideia, segundo o estilista, era reproduzir uma áurea mística, misteriosa e de incerteza na iminência de um período de celebração. Nesta quinta-feira, 30.09, seu desfile feminino também começou com uma nuvem de fumaça saindo bem do centro de sua passarela, na parte externa do Musée d'Art Moderne, em Paris. De cima das casas, surge sua esposa e musa Michèle Lamy, caminhando enquanto duas pessoas jogam folhas secas de jasmim do teto do prédio.

Rick Owens é mais conhecido por sua moda sombria, de formas brutas e apaixonado pela estética brutalista. Mas dessa vez, é a leveza e suavidade que dá o tom para a coleção. O fato do desfile começar com sua amada já indica bastante: de um jeito todo seu, o estilista está otimista – ou pelo menos olhando para a vida e para o mundo de uma maneira mais romântica. Vide os bordados e aplicações de pássaros em peças de tule e organza transparente, os drapeados que envolvem o corpo sensualmente e a boa quantidade de pele à mostra.

A construção das peças também indicam esse caminho. O look de Lamy, por exemplo, uma regata coberta de tule e uma espécie de jaqueta de couro usada meio que amarrada na cintura, sugere um despir ou troca de pele. Como se, depois de enclausurada dentro de uma armadura, essa mulher pudesse finalmente desabrochar sem medo de se ferir, mas ainda algo desconfiada dos perigos do mundo.

PUBLICIDADE

Esse mesmo recurso se repete em várias outras entradas. Algumas peças de tricô meio esgarçado trazem golas na altura do umbigo, mangas deslocadas, sugerindo o rompimento de uma casca exterior. O mesmo vale para as botas com recortes, as peças navalhadas, os devorês e torções. A cartela de cores também chega mais fresca, laranja clarinho, rosa bebê, ocre, vermelho queimado e azul acinzentado.

Mesmo com os momentos mais suaves, o que fica na cabeça é o brutalismo. Sempre foi assim. Na modelagem, os recortes e decotes geométricos estruturados transmitem a segurança que sua mulher precisa para transitar em um mundo cheio de incertezas como o que vivemos, assim como os óculos máscara e as blusas de golas exageradas e mangas grudadas ao tronco que se comportam como escudos. A mulher de Rick Owens não é do tipo que comemorar antes da hora. Em vista das novas variantes de Covid-19 e pessoas que se recusam a se vacinar, não é hora de baixar a guarda – ainda que essa guarda venha um pouco mais colorida neste verão.

PUBLICIDADE
Tenha acesso a conteúdos exclusivos
ASSINE A ELLE