• Nas 48 horas após o lançamento de Black is King, Marine Serre viu as pesquisas relacionados ao seu nome aumentarem em 426%.
  • Beyoncé, que já tinha usado a marca em 2019, escolheu um look com estampa de lua crescente para o vídeo da faixa "Already".
  • A estilista francesa de 28 anos resolveu se dedicar à moda depois de sofrer um acidente de carro.
  • Graduou-se na Bélgica e estagiou em grandes marcas, como Dior, Alexander McQueen e Maison Margiela.
  • Em 2017, lançou a sua marca homônima e no mesmo ano ganhou o prêmio LVMH.
  • Estreou na Paris Fashion Week na temporada de inverno 2018 e conquistou a crítica, os compradores e inúmeras celebridades.
  • Acompanhe sua trajetória abaixo.
PUBLICIDADE

Beyonc\u00e9 com macac\u00e3o colado com estampa de lua crescente da estilista Marine Serre. Depois que Beyoncé usou o macacão de Marine Serre, as buscas pela estampa de lua da marca cresceram vertiginosamente.Reprodução

Das quadras às passarelas

Nascida na pequena vila de Corrèza, na França, os planos de Marine Serre para a sua vida passam bem longe da moda. Durante toda a sua infância e adolescência, a jovem foi uma entusiasta da corrida e do tênis. Apaixonada por esportes, chegou a encarar a prática de forma profissional e a participar de torneios mundiais de alto nível. Porém, aos 18 anos, se feriu em um acidente de carro e se viu obrigada a se afastar das quadras.

Foi justo nesse momento que Marine, que sempre teve um apreço e conexão com as artes, resolveu concentrar os seus esforços na moda. Já acostumada com a exigência e pressão do tênis, decidiu usar a disciplina adquirida para conseguir entrar em algum bom curso de design. Mas não queria estudar em Paris — para ela era óbvio demais –. Preferiu se mudar para a Bélgica e passou a frequentar a academia La Cambre (escola que o atual estilista da Saint Laurent, Anthony Vaccarello, também frequentou), onde formou-se em 2016.

Já graduada, a estilista voltou à França e criou a sua marca homônima em 2017. Porém, antes disso, chegou a estagiar em grandes casas de moda, como Dior, Alexander McQueen e Maison Margiela. Além disso, durante um ano, enquanto já se dedicava à sua própria etiqueta, ela também desempenhou o papel de designer júnior da Balenciaga. Tendo um currículo com as melhores experiências que uma jovem estilista poderia ter, a história de Marine já estava sendo escrita.

PUBLICIDADE

Prêmio LVMH

Ainda em 2017, a coleção feita por Marine para a sua graduação, intitulada "Radical Call for Love", foi selecionada para o prêmio do grupo LVMH, um feito admirável para uma estilista que ainda nem mesmo havia lançado uma linha oficial em sua marca. Sendo a mais jovem indicada naquela edição, aos 25 anos, ela surpreendeu um júri de peso, com nomes como Karl Lagerfeld, Phoebe Philo e Nicolas Ghesquière, e foi a vencedora, recebendo o prêmio das mãos de ninguém menos que Rihanna.

Marine Serre e Rihanna no pr\u00eamio LVMH. Marine Serre recebeu o prêmio LVMH em 2017. Getty Images

Paris Fashion Week

Com a vitória, além do prêmio em dinheiro de € 300.000 pelo LVMH, Marine também teve as portas abertas para se apresentar pela primeira vez na Paris Fashion Week. A sua estreia na temporada de inverno 2018 foi decisiva para a sua ascensão, sendo extremamente aclamada pela crítica e compradores.

PUBLICIDADE

Desde então, a designer se apresenta na semana de moda parisiense e virou um dos nomes mais interessantes da nova geração de criadores. O desfile de verão 2020 foi com certeza um dos pontos altos de sua recente e chamativa carreira. Debaixo da chuva, Marine apresentou uma coleção que já parecia estar preparada para emergências. Nela, se destacavam peças utilitárias e um nítido discurso sobre as mudanças climáticas que aniquilam a sociedade contemporânea.

Desfile Ver\u00e3o 2020 de Marine Serre na Paris Fashion Week com estampa de lua crescente Desfile Verão 2020 de Marine Serre na Paris Fashion Week.Agência Fotosite

Conectada com o seu tempo

Discursos ambientais e comportamentais são constantes em suas coleções. Muitas delas são, inclusive, construídas a partir de tecidos reciclados ou técnicas de upcycling, destacando o compromisso de Marine com a sustentabilidade. A francesa, integrante de uma geração de criadores que se mostra bastante preocupada com os impactos de suas produções, acredita que é um dever ter controle de sua cadeia, e que a reciclagem já deveria ser o habitual.

Marine é, de fato, uma grande pensadora de atualidades. Ela carrega consigo um olhar provocador e atento, além de uma consciência política que é essencial para a criação de uma nova moda. Prova disso é a estética explorada por ela e descrita pela própria como "futurewear", um encontro entre futurismo, sustentabilidade e referências socioculturais em designs extremamente desejáveis.

Conectada com o seu tempo e com o que ainda está por vir, a estilista se arrisca e demonstra coragem ao assumir realidades nem sempre otimistas. Já há algumas temporadas, Marine pensa em cenários apocalípticos para a construção e concepção das peças, imaginando guerras climáticas, civilizações ameaçadoras e extinção em massa. Foi seguindo esse raciocínio que a estilista passou a desenhar máscaras. Desde a coleção de inverno 2019, elas aparecem nas passarelas da marca. Se há poucos meses, máscaras aparentavam ser parte de um contexto bastante distante, Marine parecia já estar à frente.

Pela lua crescente

O elemento mais identificável de suas criações é a lua. Não querendo se tornar o foco da própria marca criando, por exemplo, uma estampa com suas iniciais, Marine escolheu a lua crescente como logo, símbolo repetido em inúmeras peças que logo se tornaram sucesso de vendas. O significado está diretamente ligado à iconografia islâmica. Alguns viram essa escolha como algo radical, outros nem mesmo entendem o conceito mas, para a estilista, esse antagonismo é justamente a grande magia de criar.

Getty Images

Atravessando a cultura pop

Independentemente das divergências sobre a lua, não dá para negar que essa imagem trouxe sorte para Marine. E que sorte. As peças com a estampa foram adotadas por inúmeras celebridades como Dua Lipa, Kylie Jenner, Rosalía e Ariana Grande.

Beyoncé, por sua vez, já tinha sido vista usando um macacão da marca em um jogo da NBA em 2019, e agora, em 2020, apareceu novamente vestindo outra versão no já histórico Black is King. Ao atravessar a cultura pop com um look de sua assinatura em um dos grandes atos artísticos do ano, a estilista viu as buscas por "estampa de lua crescente Marine Serre" aumentarem em 426% nas 48 horas após o lançamento do álbum visual, como foi divulgado pela plataforma de pesquisa Lyst. A faixa "Already" ainda rendeu um post de Adele, no qual, ela aparece assistindo ao filme e usando um top da marca semelhante ao look de Beyoncé.

Se para alguns, representar o espírito do tempo de forma orgânica e genuína tem sido um enorme desafio, para Marine Serre isso surge como parte natural de quem ela é e do que ela faz como estilista. Tendo essa bela ajudinha de Beyoncé, então, a sua trajetória parece estar muito bem encaminhada.




Em resposta a um mercado que superproduz para depois descartar, estilistas e marcas independentes estão mixando peças de várias etiquetas de luxo para criar um novo guarda-roupa consciente.

Tenha acesso a conteúdos exclusivos
ASSINE A ELLE VIEW, A REVISTA DIGITAL DA ELLE BRASIL