PUBLICIDADE

Nunca houve um acesso à informação tão facilitado no mundo. E também nunca houveram tantas notícias falsas em circulação. É sobre isso que o estilista Victor da Justa fala em sua coleção de estreia na SPFW, nomeada de Cognição Faminta. As inspirações dialogam entre a paciência de viver o agora com afeto e a nocividade que a tecnologias pode ter.


Ao experienciar o contexto atual, Victor conta que almejou ''fazer uma dualidade entre o tecnológico e o analógico''. Durante a pandemia, muitas pessoas passaram a migrar apenas da tela do celular para a do computador, e estilista buscou explorar os desdobramentos desse fenômeno. O estilista olhou para o cenário de informações excessivas, a (pseudo) escassez de tempo e as fake news. Além disso, o objetivo foi ''fazer uma ode à cultura e à educação, que estão deixadas de lado no país'', diz ele, natural do Rio de Janeiro.

Foi a primeira vez que o estilista participou da SPFW, sua marca, no entendo, foi criada no final de 2019. Como ele mesmo diz, seu filme fashion está meio dramático, afinal, ''estamos vivendo momentos dramáticos''.

O resultado pode ser visto, principalmente, nas estampas dos 16 looks. São lonas e outros tecidos de algodão que ilustram três designs principais: o Ied de Code, uma espécie do clássico pied de pouple num QR Code repaginado; a Noticia Servida, que trás elementos do filme A Pequena Sereia; e a Cultura Analógica, que compila vários livros, fotos, filmes e pedaços de jornais em um formato de quebra cabeça. Nos acessórios, aparecem cintos e bolsas. As últimas tem, no lugar da alça, um garfo moldado pelo próprio estilsta. As peças da coleção estão disponíveis no site da marca e na loja Pinga, em São Paulo.

PUBLICIDADE

Victor da Justa na SPFW

Tenha acesso a conteúdos exclusivos
ASSINE A ELLE