PUBLICIDADE

Os últimos anos foram bem agitados para o Teto Preto. A banda surgiu de maneira independente em 2014, nas pistas da festa Mamba Negra, em São Paulo, e viu seu corpo e voz mudar de forma quando estreou o primeiro álbum, Pedra Preta, em 2018. De lá para cá, entraram para o selo Urban Jungle, tiveram mais de um milhão de plays no Spotify, mudaram integrantes, incendiaram palcos em uma turnê mundial de 12 meses que passou até pela Tasmânia, e, se não fosse pela pandemia da Covid-19, ainda estariam na estrada. Em maio, eles teriam se apresentado no famoso festival Primavera Sound, em Barcelona.

Apesar da pausa obrigatória, o quinteto formado por Laura Diaz (a.k.a Carneosso), Pedro Zopelar, Loïc Koutana, William Bica e Henrique Martinelli (novo talento do grupo), não está parado. Eles lançam à meia noite de 04/09 seu primeiro single em espanhol, Tu Cuerpo és Una Armada (disponível em todas as plataformas), em parceria com o Onda Mundial, novo selo mexicano com foco em artistas latinos – preferencialmente de eletrônica no underground, como Rubinskee, Matias Aguayo, Badsista, Linn da Quebrada, entre outros.

Tu Cuerpo Es una Armada




"Durante a turnê, sentimos a necessidade de levar essa internacionalidade da banda para as letras", explica Laura. A cantora e DJ se apresenta como "uma bacante ciborgue preg-adora de um futuro cheio de desejos autônomos, vivos y exuberantes, de carne e osso". Sua ideia original era cantar em inglês, mas optou pela latinidade. "Sempre miramos a Europa como parâmetro sendo que temos uma América Latina riquíssima para se comunicar e aprender, então decidimos fazer como a Anitta e cantar em espanhol para ser pop e causar nesse continente", dispara ela. "Escrevi a letra com o meu espanhol superenferrujado e recorri à querida e talentosa Valesuchi para me ajudar a revisar o trabalho final. Ela é uma DJ e produtora guerreira do Chile, mora no Rio de Janeiro já faz alguns anos, nos gostamos e nos admiramos muito." No início e fim da faixa, aliás, estão alguns áudios que a chilena enviou corrigindo a pronúncia de Laura, que agora também divide os vocais com Loïc.

PUBLICIDADE


Loïc Koutana veste acessórios Eduardo Caires.Foto: Hick Duarte

"Ele está desenvolvendo uma carreira solo com o L'homme Statue, então foi algo fantástico que conseguimos trazer tanto para o single como para a banda", diz Laura. "No Teto Preto, gostamos de ir aonde não se espera", conta Loïc. "O underground está no nosso DNA, mas também desafiamos expectativas ao ir para um lado mais pop, fazendo uma música em espanhol", acrescenta o artista franco-congolês.

PUBLICIDADE

O flerte com o pop, porém, não ofusca a mensagem política e de resistência da banda. Tu cuerpo és una Armada fala de abuso de autoridade ('los pacos asesinos'), de luta social ('escuchame hermane/la calle llama') e de como nosso corpo pode ser um instrumento importante na guerra contra a ignorância e a intolerância. "O fascismo opera pelas armas da repressão, nossas armas são outras", diz Laura.

Uma delas com certeza é o público, quase tão enérgico e diversificado quanto a banda. "O front do Teto é sempre muito generoso, cheio de mulheres, bichas, sapatões e travestis", conta ela, que também faz uma reverência a esses seguidores na nova faixa. "Estava sentindo falta de escrever uma letra que devolvesse força para essas pessoas que seguram uma puta bronca de energia e dizer: seu corpo é um exército e é muito maior que esse pauperismo. Acho que na quarentena as pessoas precisam ouvir isso."

Para Loïc, o processo de criação é quase místico e sempre acaba se conectando com as urgências do momento. "É como prever o futuro, produzimos as músicas e as coisas acontecem." Foi assim com Bate Mais, que faz referência às execuções de Marielle Franco e Matheusa Passareli, em 2018; Gasolina Neles, com as Olimpíadas; e Pedra Preta, sobre o incêndio do Museu Nacional do Rio, em que tudo o que restou foi um meteorito preto. "Agora, nessa música, canto sobre os policiais assassinos que não param de nos matar ('Les keufs assasins n'arrêtent pas de réclamer'), e, pouco depois, George Floyd foi morto nos Estados Unidos."


Loïc Koutana, veste top, Leandro Benites; e brincos, Brennheisen. Laura Diaz usa look de Fábia Bercsek.Foto: Hick Duarte

No sentido musical, o Teto segue com seu patchwork de referências,agora com vertentes da música latina. "Geralmente temos a influência da música eletrônica de Detroit, da Alemanha, do techno e do house, mas nesse trabalho começamos a brisar em batidas mais latinas para fazer uma colagem de elementos", explica Zopelar. "Temos canto em coro, alguns momentos de rap com vocal falado, um refrão que talvez remeta a um som mais pop. É como tudo que costumo produzir e aqui não é diferente, misturar vários gêneros para criar algo original", conta o músico.

Originalidade e inovação são qualidades intrínsecas à banda. E isso não se limita à sonoridade. Igualmente potente são as imagens produzidas em parceria com outros talentos da cena nacional, como o fotógrafo Hick Duarte, a editora de moda de ELLE e stylist Suyane Yanaya, a beauty artist Mika Safro e o produtor cultural Raphael Lobato. Esses, aliás, são alguns dos nomes que compõem o time por trás do shooting de lançamento do single. "São pessoas muito talentosas, especialmente fortes e inspiradoras com quem tivemos o privilégio de trabalhar", conta Laura.

Outra figura essencial nessa história imagética é a estilista Fabia Bercsek. ´Foi ela quem assinou os figurinos da banda desde 2016. "A Igi Ayedun nos apresentou e eu me entreguei a essa mulher visionária, perfeccionista y virginiana que amo", revela Laura. "Mas agora, como Fabia está mergulhada em sua produção artística em Lisboa, achamos que era hora de compor com mais gente, porque, como tudo no Teto, temos momentos e ciclos, e são todos incríveis."

Enquanto não retomam os shows físicos, a banda tem abraçado o formato digital, com performances online e projetos paralelos. "Fizemos sessions para o Boiller Room, lançamos o álbum de remix do Pedra Preta, então conseguimos fortalecer a cena de alguma forma", diz Loïc. A pausa também abriu espaço para uma reorganização do grupo, já dedicado a um segundo álbum. "Lógico que queríamos estar tocando no mundo e no Brasil, temos saudades imensas, mas também precisávamos de um momento para abrir um novo ciclo, se enclausurar e começar a produzir essas músicas", completa Laura.

Laura Diaz com look de Fábia Bercsek.

Foto: Hick Duarte.


Sem revelar muitos detalhes do que vem por aí, o Teto prefere deixar o mistério no ar. "Tem uma música muito foda que já fizemos e outra perigosíssima, sem vergonha", antecipa Diaz. "O trabalho ainda está em formação e acho que ele fala por si só, mas as pessoas podem esperar coisas que o Teto já se pressupõe de ser e ser e significar, misturado com elementos que nós não imaginávamos, nem o público", revela Zopelar. "A gente precisa de privacidade, mas fiquem tranquiles, estamos trabalhando", finaliza Carneosso.


O single "Tu Cuerpo Es una Aramada" estará disponível em todas as plataformas a partir de 04/09.Foto: Hick Duarte




A cantora, que comanda sua própria rádio nas madrugadas da quarentena, lança Mundo Novo esta semana e divide as músicas que escutou enquanto criava o álbum em uma playlist feita especialmente para ELLE.


Sobre dedicar músicas, amar, mudar as coisas e fazer um programa de rádio por escrito.

Tenha acesso a conteúdos exclusivos
ASSINE A ELLE