Cadastre-se em nossa newsletter para ler este e outros artigos.

Doses semanais de moda, beleza, cultura e lifestyle, além, é claro, de todas os lançamentos da ELLE!
Inscreva-se gratuitamente.

  • ASSINE NOSSA NEWSLETTER
  • O melhor da ELLE direto no seu inbox! Inscreva-se gratuitamente.
  • INSCREVA-SE AQUI

Manu Gavassi, que atuou, colaborou com o roteiro e foi coprodutora de "Me sinto bem com você".

PUBLICIDADE

Me sinto bem com você nasceu sem a pretensão de virar um filme. Quando se viu isolado e com seus trabalhos paralisados, ainda na metade de 2020, o roteirista Matheus Souza – conhecido por longas como Apenas o fim (2008) e Ana e Vitória (2018) –, seguiu escrevendo como uma fuga à crise. "Por um vício de roteirista, por prática, porque tudo pode virar um dia uma cena ou um filme, fui escrevendo tudo o que eu pensava, tudo o que eu vivia, tudo o que eu via meus amigos vivendo", conta Matheus, que colaborou com a série Onde está meu coração, que estreou este mês na Globoplay, e assina o roteiro do ainda inédito Eduardo e Mônica. "Em algum momento, de tanto escrever, percebi que tinha um filme."

Matheus, 32 anos, dividiu então o roteiro costurado no distanciamento social com os amigos. "Sempre que termino de escrever um filme, sou muito cruel comigo, sou meu maior hater. Preciso mandar o roteiro para os meus amigos para saber se é bom ou péssimo, como estou imaginando." Os amigos, entre eles, a atriz/cantora Manu Gavassi, se identificaram com as personagens e colaboraram com suas experiências e desabafos, conta. "Ela foi uma das primeiras pessoas que leu o roteiro e foi uma grande incentivadora para o filme acontecer".

PUBLICIDADE

Me Sinto Bem Com Você | Trailer oficial | Amazon Prime Video www.youtube.com

O diretor levou o projeto adiante, que ganhou corpo em menos de dois meses. Com ensaios prévios pelo Zoom, o longo foi filmado em duas semanas, entre setembro e outubro do ano passado, com uma equipe enxuta, dos quais fizeram parte os amigos que acompanharam a gestação do longa, e produção da Delicatessen Filmes. Sete meses depois, Me sinto bem com você estreia nesta quinta-feira (20.5), na Amazon Prime Video. Além de Manu Gavassi, que também é produtora associada do longa, Amanda Benevides e Gabz, que estão no elenco do filme, assinam como colaboradoras do roteiro. "É um filme com um painel de personagens diversos, o que acho essencial hoje em dia. Era fundamental também que eu extrapolasse minhas próprias vivências. Hoje em dia, evito escrever 100% sozinho."

O diretor e roteirista Matheus Souza em cena do longa.Foto: Divulgação

O filme traz cinco histórias de afeto em meio à quarentena, acompanhadas por mensagens de celular, áudios e videochamadas que se desenrolam na tela e pontuadas pelas referências pop de Matheus, que vão da banda Wilco ao K-pop. Entre as histórias estão ex-namorados (interpretados por Matheus e Manu) que voltam a conversar em meio ao distanciamento social, um casal que lida com a convivência intensa da pandemia e a possibilidade da separação (o casal de atores Victor Lamoglia e Thati Lopes, de A porta dos fundos) e duas irmãs que lidam à distância com o luto da mãe (uma homenagem de Matheus ao diretor Domingos de Oliveira, morto em 2019 e um grande incentivador de seu trabalho). "O que me serviu de consolo e manteve minha saúde mental (no distanciamento social) foi conversar com as pessoas que eu amo. Esses sinais de afeto foram fundamentais para todo mundo."

PUBLICIDADE

Thati Lopes e Victor Lamoglia vivem um casal que cogita a separação em meio à pandemia no filme.Foto: Divulgação

O diretor vê uma conexão direta de Me sinto bem com você com seu primeiro filme, Apenas o fim, com o qual ficou conhecido aos 19 anos. Protagonizado por um então quase desconhecido Gregorio Duvivier, o filme foi premiado no Festival do Rio e na Mostra Internacional de Cinema de São Paulo. "Me sinto bem com você é quase uma sequência de Apenas o fim. Ele mostra minha mudança de visão de mundo e do próprio mundo, mas não só na questão tecnológica. Esse longa (Me sinto bem com você) é marcado pela tecnologia, mas tentei fazer um filme sobre conexões virtuais através de conexões reais", diz. "Para mim, não é um longa sobre a pandemia, sobre a tecnologia ou sobre o Zoom. É sobre o que a gente sentiu neste momento. A vida não faz o menor sentido, o que faz é o afeto."






Tenha acesso a conteúdos exclusivos
ASSINE A ELLE