Margot Robbie
PUBLICIDADE

Margot Robbie é a atriz de cinema mais bem paga em Hollywood, com rendimentos de US$ 12,5 milhões. Ainda assim, ela aparece apenas na 18ª posição na lista publicada pela revista Variety. Quem encabeça o ranking é Tom Cruise, com cerca de US$ 100 milhões, seguido por Will Smith, Leonardo DiCaprio, Brad Pitt e Dwayne Johnson. Além da atriz australiana, só Millie Bobby Brown (19ª), Emily Blunt (23ª), Jamie Lee Curtis (25ª) e Anya Taylor-Joy (26ª) estão entre os 26 maiores salários.

Na televisão, a situação é um pouco melhor, com Elisabeth Moss em segundo (US$ 1,1 milhão por episódio), depois de Mahershala Ali e Kevin Costner empatados na primeira posição (US$ 1,3 milhão por episódio). Na casa do US$ 1 milhão, há sete atores, sendo Helen Mirren a única mulher, recebendo o mesmo que Harrison Ford por episódio de 1923. Os outros são Michael Keaton, Will Ferrell, Paul Rudd, Jason Sudeikis e Sylvester Stallone. Em quarto lugar está Elizabeth Olsen, e em quinto, Brie Larson, Rose Byrne (ganhando o mesmo que Seth Rogen por Platonic) e Anne Hathaway (com salário igual ao de Jared Leto em WeCrashed).

Os números mostram que a luta pela equidade de gênero na indústria do audiovisual está longe de terminar. O movimento Me Too, que ganhou força em Hollywood depois das denúncias de assédio e abuso sexual contra o produtor Harvey Weinstein, completa cinco anos em 2022. A noção de que o abuso fazia parte de uma estrutura machista levou à criação do movimento Time’s Up, em janeiro de 2018, que atua em várias frentes para conquistar mais espaço e salários iguais para mulheres em Hollywood e outras indústrias.

PUBLICIDADE

Elisabeth Moss, a mais pem paga da TV, em cena de "Handmaid's Tale"


Há anos, a televisão está mais aberta a histórias contadas sob o ponto de vista feminino. Mas, no cinema, dominado por histórias de super-heróis e filmes de ação, a paridade está bem longe de ser conquistada. Segundo a pesquisa É um mundo (de celuloide) dos homens, mesmo em um ano de pandemia: Retratos de personagens femininas nos filmes no topo de bilheteria em 2021, do Centro de Estudos de Mulheres na Televisão e no Cinema da Universidade Estadual de San Diego, os personagens masculinos superam os femininos em uma proporção de quase 2 para 1. A boa notícia é que o número de mulheres protagonistas aumentou levemente, de 29% em 2020 para 31% em 2021.

PUBLICIDADE
"Há anos, a televisão está mais aberta a histórias contadas sob o ponto de vista feminino. Mas, no cinema, dominado por histórias de super-heróis e filmes de ação, a paridade está bem longe de ser conquistada."

Lendo o Relatório de diversidade em Hollywood da Universidade da Califórnia – Los Angeles (UCLA), dá para entender por que a primeira mulher da lista de maiores salários da Variety apareça apenas na 18ª posição. Embora tenha números mais otimistas que o da pesquisa de San Diego, apontando que 47,2% dos papeis principais no cinema são femininos, um crescimento considerável frente aos 25,6% de 2011, apenas 4,6% das produções com uma mulher protagonista têm orçamentos de US$ 100 milhões ou mais. Enquanto isso, 14,5% das produções com um homem protagonista têm orçamentos acima de US$ 100 milhões.

Chloé Zaho com a estatueta do Oscar de melhor diretora. Chris Pizzello-Pool/Getty Images


As mulheres podem ter ganhado espaço, mas, em geral, foi nas produções com orçamentos pequenos, abaixo de US$ 10 milhões, que representam 45,9% dos filmes com protagonistas femininas.

Entre as dez maiores bilheterias de 2021, apenas uma tem uma protagonista feminina (Viúva Negra) e outra tem paridade de gênero (Eternos). Não por acaso, são os dois únicos filmes dirigidos por mulheres, Cate Shortland e Chloe Zhao, respectivamente.

"As mulheres podem ter ganhado espaço, mas, em geral, foi nas produções com orçamentos pequenos."


Obviamente, maiores orçamentos permitem maiores salários e têm expectativa de maior bilheteria – Tom Cruise, na verdade, ganhou por Top Gun: Maverick um salário semelhante ao de Margot Robbie, mas tem direito a porcentagem dos ingressos vendidos. Como o longa passa de US$ 1,2 bilhão, o dinheiro que vai entrar no seu bolso é bem maior.

PUBLICIDADE
Tenha acesso a conteúdos exclusivos
ASSINE A ELLE

A ELLE Brasil utiliza cookies próprios e de terceiros com fins analíticos e para personalizar o conteúdo do site e anúncios. Ao continuar a navegação no nosso site você aceita a coleta de cookies, nos termos da nossa Política de Privacidade.

Assine nossa newsletter

Doses Semanais de moda, beleza, cultura e lifestyle, além, é claro, de todas as novidades e lançamentos da ELLE no seu inbox.
Increva-se gratuitamente.