PUBLICIDADE

Eles não se conhecem pessoalmente, nunca se encontraram nem por vídeo. Tiveram diversas trocas de mensagens de áudio e texto e, assim, compuseram a elogiada música "Farol". O novo single da carioca Maria Luiza Jobim em parceria com o pernambucano Otto Ferreira é uma perfeita tradução da cantora e compositora – e de como ela está vivenciando este momento. "A minha relação com a arte é sinestésica, imagética, sensorial. Muito intuitiva. Transporto para a música o meu universo cheio de imagens, sons, sentidos e cheiros. Eu parto de um sentimento", explica Maria Luiza. A nossa conversa com ela foi em uma sala de zoom, diretamente da sua casa em Itaipava, região serrana no Rio, onde tem se refugiado na pandemia. Serena, a caçula de Tom Jobim nos contou que o período de reclusão não tem sido penoso para ela. "A vida do compositor é por natureza mais interna", disse. A cantora está aproveitando para ler muito, prosa e poesia, ficar ao lado da filha, Antonia, de 2 anos e meio, e estar em contato com o "essencial"

"Eu queria jogar luz, frescor nesse momento", diz Maria Luiza.Foto: Nicole Gomes

Para Maria Luiza, 33 anos (ela completa 34 no dia 20 deste mês) a pandemia coloca as pessoas em um lugar de "reconexão". "Não temos contato físico, mas não temos fronteiras", destacou. Foi dessa forma que nasceu seu novo trabalho. Pela primeira vez, ela fez todo o arranjo (sonhou com ele) e dirigiu os músicos. "Foi um desafio pra mim", contou. Simultaneamente, ela fazia trocas com Otto, artista que admira muito e a colocou em contato com suas raízes pernambucanas. "Tenho família pernambucana do lado do meu pai e da minha mãe", contou. "Farol" é a primeira música de estúdio inteiramente produzida por ela, que já teve duas bandas, Baleia (em que interpretava standards de jazz) e Opala (duo de música eletrônica com o músico Lucas Paiva) e lançou o álbum Casa branca (2019), "um eletrônico meditativo", segundo definição do produtor Alexandre Kassin.

PUBLICIDADE

A ideia de Maria Luiza foi trazer um pouco de alegria para esta fase difícil que o mundo atravessa. "Eu queria jogar luz, frescor nesse momento. Trazer uma doçura na melodia. O Otto entrou como uma estrada de terra. Com sua expressão máxima, sua personalidade. Não o conheço pessoalmente, mas a gente se conheceu muito nesse processo. Ficamos bem juntos e bem distantes: conectados. Acho o trabalho dele genial, potente, sensível." Otto conta que ficou impressionado com a capacidade de organização da compositora. "Filha de arranjador, né? ", brincou. "Ela foi precisa no que queria, onde eu teria que entrar, onde iríamos gravar juntos. Foi um privilégio para mim e a nossa conexão bateu na hora! No espírito da canção. Acertei na poesia! Refleti o que tenho passado", conta Otto.

PUBLICIDADE

Otto: parceria à distância em perfeita sintonia.Foto: Divulgação

Da mesma forma que Maria Luiza, ele disse escrever sobre o que vive. A música tem um respeito pelo passado, uma homenagem. Que ela classifica como "densa". Mas buscaram uma construção sem amargura. "Falamos do tempo que está suspenso, estamos presos no presente, a pandemia nos obrigou. Sem estímulos externos, usando a vida interior", explica Maria Luiza. Aos 52 anos, com 22 de música, Otto comemora ter gravado com as filhas de dois ídolos, João Gilberto e Tom Jobim. Ele gravou com Bebel Gilberto na sua estreia solo.

Se Maria Luiza já teve inseguranças sobre a profissão (ela cursou arquitetura e letras sem concluir), isso ficou no passado. Ela está agora cada vez mais tranquila em seu lugar. O que não é nada fácil, sendo filha de quem é. "Sou uma pessoa plural, com influências diversas", disse. No seu álbum Casa branca, ela gravou "Meditation" de Tom, em uma versão muito elogiada. Foi a primeira vez na vida adulta que Maria Luiza gravava uma música do pai, que costumava ouvir tocar quando era pequena e se apoiava no piano para dar os primeiros passinhos. "Me sinto muito confortável em visitar a obra dele: é a minha história. Tenho muito respeito e cuidado pelo que ele representa para a cultura mundial."

Em breve ela terá mais novidades. Vai lançar um clipe, que acabou virando um curta, com a música "Sonhos", também do álbum Casa branca. "Uma trilha sonora eletrônica, feita num outono soturno (quando ela se separou). Uma metamorfose lúdica, parte da minha vida", define. E, assim, vivendo e sentindo, ela vai compondo com cada vez mais propriedade. "Estou à vontade para transitar livremente pela música."

A capa do single "Farol" traz uma pintura de Otto.

Caixinha de memórias

de Maria Luiza Jobim

Um cheiro: da minha filha

Uma flor: as rosas mais bonitas crescem no sítio da minha família, Poço Fundo.

Uma cor: amarelo deus. O amarelo dos ipês.

Uma comida: tudo que dá na minha horta.

Uma bebida: whiskey (os japoneses são incríveis!)

Uma viagem: Japão, sozinha.

Uma sensação boa: ser independente.

Um vício: banho de banheira.

Meu passado: construção

Meu presente: tudo que temos

Meu futuro: muitos possíveis.

Farol: sol da manhã

Uma lembrança com seu pai: as coisas que ele me ensinava do jeito dele. Lembro do dia que aprendi a ver as horas.

Uma vivência com sua mãe: ir a Los Angeles receber o Grammy em nome do meu pai. Uma honra e uma emoção.

Uma passagem com Antônia: inventar histórias para dormir. A gente sempre vai longe.

Álbum de família: pra matar as saudades.

Uma música que te lembra seu pai e vocês juntos: a trilha de Fantasia (Disney, 1940)

Trilha sonora favorita: todas do (Ryuichi) Sakamoto.

Livro de cabeceira: A vida secreta das árvores, Um defeito de cor, algum da Sophie Calle.

Filmes que ama: (Ingmar) Bergman, vários do (Charlie) Kaufman, Woody Allen antigo, são tantos...

Um lugar: o presente

Rio de Janeiro: de onde eu vim.

São Paulo: vitalidade, pulsação.

NY: amor antigo.

Sobre a quarentena: vida interior

Astrologia: Peixes com Câncer com Lua em Sagitário.

Selfie: "ninguém nasce mulher. torna-se mulher", Simone de Beauvoir

Tenha acesso a conteúdos exclusivos
ASSINE A ELLE