Cultura

Os favoritos de Russo Passapusso

A biografia de Marighella, uma canção de Milton Nascimento e uma peça sobre Itamar Assumpção estão na lista do vocalista do BaianaSystem.

Foto: Divulgação/Daryan Dornelles
PUBLICIDADE

Nesta semana, o BaianaSystem conclui o lançamento de OxeAxeExu, quarto álbum do coletivo, dividido em três atos (Navio Pirata, Recital instrumental e América do Sol), e lança uma faixa inédita, "Brasiliana", também parte do projeto. Como definiu o vocalista Russo Passapusso à ELLE, o disco aborda um desejo de "remontar a Pangeia nos nossos corações". Aqui, Passapusso, que também tem uma carreira solo, lista seus filmes, livros, canções e séries favoritos:

Alguém que te fez querer cantar:
Minha irmã. Eu canto porque a vi cantando.

Um disco que gostaria de ter gravado:
Ossos do ofício, de Antônio Carlos & Jocafi.

Uma música que gostaria de ter escrito:
"Certas canções", de Milton Nascimento.

Que cantor(a) ou banda nunca falta em uma playlist sua?
Curumin.


Foto: Reprodução


Três discos que você levaria para uma ilha deserta:
Nelson Angelo e Joyce, Os Diagonais e Celia & Johnny, de Célia Cruz e Johnny Pacheco.

Um show inesquecível que você assistiu:
Death Grips, no Fuji Rock (festival em Nigata, no Japão, onde o BaianaSystem se apresentou em 2013).

Um show que você ainda quer assistir:
Uma apresentação da banda Fania All-Stars.

Um filme você que adora ver a reprise:
A vida é bela (de Roberto Benigni).

Uma série que você maratonaria de novo:
Dinheiro fácil (série sueca disponível na Netflix).

PUBLICIDADE

Uma ator/atriz ou diretor preferido:
Fábio Lago (de Tropa de elite).

Quem você adora seguir no Instagram?
MC Vandal.

Uma exposição que te marcou:
Jamaica, Jamaica! (que mostrou a evolução política e musical do país, em 2018), no Sesc (SP).

Reprodução

Um livro de cabeceira:
A biografia de Marighella (escrita por Mário Magalhães).

Uma peça que gostaria de rever:
A ópera sobre Itamar Assumpção (Pretoperitamar - O caminho que vai dar aqui, de 2019, dirigida por Grace Passô).

Uma descoberta recente nas artes:
O movimento chamado Singeli Music, da Tanzânia, com seus cantores e produtores. Me deixa intrigado.



Sem aglomeração, sem bloco na rua, sem desfile ou trio elétrico, este ano ficamos sem Carnaval. Mas o que você vai encontrar nesta edição é uma prova de que algo desse tamanho não desaparece assim.


Figura fundamental na festa, Margareth Menezes põe a sensatez acima da paixão pela folia: "É algo muito mais grave o que estamos passando. A gente não pode arriscar a vida humana".





Tenha acesso a conteúdos exclusivos
ASSINE A ELLE