Cultura

Para todos os garotos: 8 curiosidades sobre a trilogia que virou um marco nas comédias românticas

O romance de Lara Jean Covey e Peter Kavinsk se despede do público na Netflix com o filme "Agora e para sempre". Há cenas gravadas na Coreia, conflitos sobre o futuro e uma boa dose de motivos para se emocionar. Saiba mais sobre os filmes inspirados nos livros de Jenny Han.

Foto: Netflix
PUBLICIDADE

Quase três anos após a estreia do primeiro filme, o capítulo final da trilogia Para todos os garotos estreia nesta sexta-feira (12.2), na Netflix, em comemoração ao Valentine's Day. A história da jovem Lara Jean Covey, que tem suas cartas secretas de amor escritas na infância enviadas pela irmã mais nova aos antigos crushes iniciando uma série de acontecimentos emocionantes, foi um marco nas comédias românticas.

O motivo? A sua protagonista metade estadunidense, metade coreana. Afinal, não é comum as produções hollywoodianas terem uma mocinha de origem asiática. Para todos os garotos que já amei encantou mostrando o óbvio: que é possível, sim, contar histórias universais com personagens fora do padrão caucasiano estabelecido pelos estúdios.

O filme foi assistido por mais de 80 milhões de pessoas em todo mundo já nos primeiros 4 meses após seu lançamento, se tornando uma das produções originais da Netflix mais assistidas de 2018. Todo esse sucesso rendeu mais dois filmes: P.S. Ainda amo você (2020) e Agora e para sempre, que acaba de estrear. Confira abaixo algumas curiosidades sobre as produções:

Para todos os garotos é baseado em uma série de livros

Livros da trilogia para todos os garotos que ja amei

Intrínseca

Quem vem acompanhando o romance de Lara Jean e Peter desde que primeiro filme foi lançado provavelmente já sabe que, originalmente, a história do casal foi publicada em uma série literária. A autora dos livros é Jenny Han, uma escritora estadunidense filha de coreanos.

Ela teve a ideia do gancho narrativo no banco de trás de um taxi, enquanto se lembrava das cartas secretas de amor que escrevia nos tempos da escola e se perguntou: o que aconteceria se elas fossem enviadas? Como resultado, veio o livro Para todos os garotos que já amei, lançado em 2014. Ele ficou 40 semanas na lista dos best sellers do The New York Times, na categoria Young Adult, sendo o primeiro com uma asiática na capa a aparecer em um ranking do jornal.

O segundo livro, Para todos os garotos: P.S. ainda amo você, veio em 2015 e o terceiro, Para todos os garotos: Agora e para sempre, em 2017. Traduzidos para mais de 30 línguas, eles foram publicados no Brasil pela editora Intrínseca e, juntos, venderam mais de 900 mil exemplares por aqui.

Whitewash: Tentaram embranquecer Lara Jean

\u200bLana Condor interpreta Lara Jean na trilogia Para todos os garotos

Lana Condor interpreta Lara Jean na trilogia Para todos os garotos

Netflix

Uma prática que vem diminuindo em Hollywood nos últimos anos, mas que foi muito forte por décadas e ainda acontece, é a chamada "whitewashing" – quando atores brancos são escalados para papéis que deveriam pertencer a atores de outras etnias. Ela só não aconteceu nos filmes de Para todos os garotos por resistência de Jenny Han.

Em um artigo escrito para o The New York Times quando o primeiro filme saiu, ela relatou que vários produtores tentaram convencê-la a desistir da descendência asiática de Lara Jean. No entanto, ela seguiu firme com a convicção de que a sua história só poderia ganhar as telas se a protagonista fosse interpretada por uma atriz ásio-americana, já que a mãe da personagem é coreana e o pai estadunidense.

Tudo mudou quando a produtora de Will Smith, Overbrook Entertainment, entrou na jogada e aceitou produzir o filme respeitando as características de Lara Jean e sua família. A escolhida para o papel foi Lana Condor, atriz nascida no Vietnã e criada em Chicago, nos Estados Unidos, por seus pais adotivos. A escalação das irmãs da protagonista seguiram a mesma regra, com Janel Parrish e Anna Cathcart, ambas de descendência chinesa, interpretando a primogênita Margot e a caçula Anna Cathcart respectivamente.

Desde que o primeiro livro foi lançado, Jenny tinha a preocupação de que as meninas asiáticas se sentissem representadas por sua história, uma vez que ela mesma cresceu nos Estados Unidos sem referências de personagens ásio-americanos. E não foi só com a aparência que ela teve cuidado.

Ao longo da história, muitos elementos da cultura coreana foram apresentados, como comidas, produtos de skincare e peças de roupas típicas dos jovens atuais. A autora, inclusive, presenteou Lana com um kit cheio de desses itens para que ela se conectasse com as origens da sua personagem e revelasse da melhor maneira possível a sua essência.

Noah Centineo quase interpretou outro personagem

\u200bNoah Centineo vive Peter, par romantico da protagonista

Noah Centineo vive Peter, par romântico da protagonista

Netflix

No início da história, Lara Jean tem crush em vários meninos da escola, mas – como pudemos acompanhar nos dois primeiros filmes – é Peter Kavinsky quem ganha o seu coração. O rosto carismático por trás do personagem é Noah Centineo, que rapidamente virou um dos galãs oficiais de comédias românticas da Netflix após o sucesso de Para todos os garotos e, atualmente, acumula mais de 18 milhões de seguidores no Instagram.

Porém, quase que essa história foi diferente, já que a ideia original da diretora Susan Johnson era que ele interpretasse Josh, o vizinho que completa o triângulo amoroso do primeiro filme. Israel Broussard, que acabou ficando com o papel, também estava escalado para ser um dos crushes de Lara Jean e era Jordan Bruchett o favorito para viver Peter.

No entanto, tudo mudou de figura quando Susan viu a química intensa entre Noah e Lana nos testes feitos justamente com esse intuito. Ele, então, ficou com o papel de maior destaque, enquanto Israel foi escalado como Josh e Jordan como John Ambrose McClaren, um terceiro crush que só da as caras na última cena do longa de estreia. Ele ganha mais relevância no segundo filme, mas houve uma mudança na escalação e Jordan Bruchett foi substituído por Jordan Fisher para estrelar a sequência.

Agora e para sempre teve cenas gravadas na Coreia

Para todos os garotos: Agora e para sempre começa com Lara Jean curtindo um mês de férias em Seul, capital da Coreia do Sul, com suas irmãs, seu pai e sua mais nova madrasta. O mais legal é que essa parte do elenco, de fato, viajou até lá para gravar essas cenas – nada de cenário montado em estúdio! –, então dá para admirar um pouco das paisagens da cidade e da cultura local assistindo ao filme.

Uma das cenas mais marcantes acontece no terraço do N Seul Tower, um espaço cultural que fica em cima da montanha Namsam, ponto mais alto da cidade. O espaço é tomado por dezenas de milhares de cadeados colocados por casais apaixonados como símbolo do seu amor – até as árvores foram dominadas por eles!

Na época das gravações, a atriz Janel revelou em seu Instagram que ela, Lana e Anna fizeram questão de deixar um cadeado por lá como registro do laço profundo que elas criaram interpretando as irmãs Covey.

O café que parece uma ilustração existe de verdade em Seul

Durante a viagem, Lara Jean escreve várias cartas para Peter e, em uma cena específica, parece que ela está dentro de uma ilustração enquanto coloca no papel detalhes do passeio ao namorado. Logo depois, sua irmã Margot surge com cupcakes e percebemos que elas estão em um café, mas a sensação de que o cenário é, na verdade, um desenho continua.

No entanto, pode acreditar: esse café é de verdade e fica mesmo em Seul. Seu nome é Greem Cafe, mas muita gente se refere a ele pelo seu endereço, Cafe Yeonnam-dong 223-14. Inspirado na série de drama coreana W, em que o mundo real e o universo dos quadrinhos se misturam, é um dos lugares mais instagramáveis da cidade.

Outros pontos turísticos de Seul mostrados em Agora e para sempre

Elenco de Para todos os garotos: Agora e para sempre em cena no famoso Gwangjang Market Netflix
  • Templo Bongeunsa: templo budista fundado em 794 e localizado no centro de Seul.
  • Rio Han: É onde fica a escultura I SEUL U, perfeita para fotos turísticas. A cena das irmãs Covey andando de bicicleta tandem (de três lugares) também é na sua orla.
  • Myeongdong Shopping Street: Rua cheia de lojas e barracas de comida, perfeita para comprar roupas coreanas, meias de bichinhos, produtos de skincare, e se deliciar com a culinária local. É lá que Kitty compra o sorvete de casquinha de 30 cm.
  • Noraebang: São as salas privadas de karaokê na Coreia, com luzes coloridas e tudo.
  • Dongdaemun Design Plaza: É onde acontece o Seul Fashion Week todos os anos. A arquitetura é bem marcante e fica em uma área cheia de outros shoppings.
  • Gwangjang Market: Um dos maiores e mais antigos mercados tradicionais da Coreia do Sul. Com mais de 5 mil lojas e 20 mil funcionários, recebe cerca de 65 mil pessoas por dia. É cheio de restaurantes e barraquinhas de comida típica, mas vende também, entre outras coisas, artesanato, roupas, vegetais frescos, peixe, souvenirs.

O estilo de Lara Jean

A figurinista responsável por traduzir o estilo de Lara Jean e dos outros personagens nos filmes foi Rafaella Rabinovich. Em entrevistas, ela conta que a sua inspiração foram ícones de estilo de clássicos do cinema e da TV. Alicia Silverstone em As patricinhas de Beverly Hills, Claire Danes e Winona Ryder nos anos 1990, e os looks da primeira temporada de Sex in the city foram algumas das referências.

No caso da protagonista, o que predomina é um estilo romântico moderninho com toques retrô e uma vibe preppy. Acessórios de cabelo como scrunchies, tiaras e laços, meias coloridas e de tamanhos diversos, gola peter pan e estampas clássicas são alguns dos marcos. Tudo sempre com um toque de autenticidade muito próprio da personalidade da personagem.

Jenny Han tem outra série literária de sucesso

o verao que mudou a minha vida

Intrínseca

Para todos os garotos que já amei não foi o primeiro livro de Jenny Han, nem sua primeira série literária de sucesso. Lançado em 2009, O verão que mudou a minha vida conta a história de Isabel Conklin, uma menina de 15 anos que se apaixona por dois irmãos, Conrad e Jeremiah Fisher, com quem convive desde criança.

Sucesso de vendas nos Estados Unidos, ele teve duas continuações: Sem você não é verão (2010) e Sempre teremos o verão (2011). O último chegou a ficar por mais de um mês na lista de best sellers do The New York Times. Todos foram lançados com pouco tempo de diferença no Brasil pela editora Galera Record. Com o estouro dos filmes Para todos os garotos, a trilogia foi relançada pela Intrínseca em 2019.

A novidade é que, também pegando carona na fama audiovisual de Lara Jean Covey e Peter Kavinsky, O verão que mudou a minha vida vai virar série de TV. Os direitos foram comprados pela Amazon Studios no início deste mês, que encomendou oito episódios. Jenny Han escreveu o piloto e será produtora executiva e co-showrunner ao lado de Gabrielle Stanton, que trabalhou em Grey's Anatomy e Ungly Betty. A adaptação dos outros dois livros ainda não foi confirmada.




Tenha acesso a conteúdos exclusivos
ASSINE A ELLE