Cadastre-se em nossa newsletter para ler este e outros artigos.

Doses semanais de moda, beleza, cultura e lifestyle, além, é claro, de todas os lançamentos da ELLE!
Inscreva-se gratuitamente.

  • ASSINE NOSSA NEWSLETTER
  • O melhor da ELLE direto no seu inbox! Inscreva-se gratuitamente.
  • INSCREVA-SE AQUI
Lifestyle

Qual é o sex toy da sua quarentena?

Enquanto para a maioria dos setores da economia o período da pandemia significa crise, quem vende produtos eróticos está vendo seu negócio crescer cada vez mais.

Foto Divulgação / Panty Nova

O sugador clitoriano é o novo hit dos sex shops ao redor do globo

PUBLICIDADE

De acordo com um levantamento realizado pela Abeme (Associação Brasileira de Empresas do Mercado Erótico), o setor dos brinquedos sexuais teve um aumento de 50% desde o início da pandemia do coronavírus. São mais de 1 milhão de acessórios vendidos ao redor do Brasil, 12% a mais em relação ao mesmo período do ano passado. Fora isso, a plataforma de comparação de preços Zoom & Buscapé divulgou que, desde janeiro deste ano, as buscas por esses itens aumentaram em 30%. Quando se fala de jogos eróticos, o aumento é de 41%. Curiosamente, os comestíveis parecem ser a tendência da vez: as buscas cresceram em 113%.

"Eu e todas as minhas amigas compramos vibradores no começo da quarentena", ri Isadora Almeida, leitora de ELLE. Jogamos os dados acima no nosso grupo do Facebook (ELLE, o grupo) e perguntamos: quem também está entrando na onda? "Foram várias resenhas e discussões entre nós sobre os produtos em que acabamos investindo. No meu caso, escolhi um bullet, um rabbit e não lembro mais como é a vida sem ter um desses em casa", continua. O Kelson Santos, que trabalha no marketing digital aqui da ELLE Brasil, também deixou seu comentário: "Comprei o lubrificante de Jambu e uma outra versão chamada Naked Taste. Ambos da Lubs, uma nova marca brasileira de sexual-care. Valeu bem a pena…", garantiu.

PUBLICIDADE

As paulistanas Izabela Starling, 35 anos, e Heloísa Etelvina, 39, são as fundadoras da Panty Nova, um sex shop que ajuda mulheres a se descobrirem sexualmente não só com seus produtos, mas também com conteúdos que te ajudam a entender a melhor maneira de se adequar a cada tipo de vibrador. O site conta até mesmo com uma seção de contos eróticos. "Acho que é uma maneira de pensar uma alternativa à pornografia que não é tão objetificante", diz Izabela. Incomodadas com a comunicação ineficiente e machista da maioria das marcas de sex toys, a dupla lançou o portal com e-commerce em 2018 para mudar essa narrativa colocando as mulheres em foco. Com mais de 170 mil seguidores no Instagram, a Panty Nova não para de crescer.

Os brinquedos sexuais mais desejados da quarentena

Foto: Divulgação

Sugador clitoriano

Sugador clitoriano, Satisfyer, R$ 497


"Eu acho que a pandemia obviamente impulsionou. As pessoas estão em casa, tem mais tempo para si. Não tem mais date… Então, acho que isso forçou todo mundo a se explorar", explica Izabela antes de falar do aumento significativo em vendas de brinquedos de anal. "Era uma coisa que vendia pouco antigamente. Teve um crescimento gigantesco! Isso sem falar dos sugadores clitorianos." No primeiro mês da pandemia, o Satisfyer (que é um dos modelos mais conhecidos desse tipo de brinquedinho) estava entre os três eletrônicos mais vendidos da Amazon. Um fenômeno mundial. Acho que isso está se naturalizando cada vez mais. Comprar um vibrador hoje é bem-estar, não é para ter aquele tabu todo em volta", opina.

PUBLICIDADE

A versão do sugador que vem com uma parte penetrável é o preferido de Heloísa. "O meu é um toy que a gente chama de 'cordinha do amor'. São duas cápsulas vibratórias unidas por uma cordinha. Dá para qualquer pessoa usar: sozinha ou acompanhada. Eu amo", revela Izabela. "A gente recebe DMs no Instagram tão engraçadas… As pessoas se sentem tão à vontade e tão próximas que, de vez em quando, elas mandam até fotos (risos)." E você, já sabe qual é o seu brinquedinho favorito? Já que seguimos de quarentena, por que não se aventurar?

No hospital, às vésperas de completar 91 anos, a educadora sexual garante a continuidade da luta pelo prazer feminino por meio de sua pupila Carlin Ross e seus workshops de masturbação.



Tenha acesso a conteúdos exclusivos
ASSINE A ELLE

A ELLE Brasil utiliza cookies próprios e de terceiros com fins analíticos e para personalizar o conteúdo do site e anúncios. Ao continuar a navegação no nosso site você aceita a coleta de cookies, nos termos da nossa Política de Privacidade.

Assine nossa newsletter

Doses Semanais de moda, beleza, cultura e lifestyle, além, é claro, de todas as novidades e lançamentos da ELLE no seu inbox.
Increva-se gratuitamente.