Cadastre-se em nossa newsletter para ler este e outros artigos.

Doses semanais de moda, beleza, cultura e lifestyle, além, é claro, de todas os lançamentos da ELLE!
Inscreva-se gratuitamente.

  • ASSINE NOSSA NEWSLETTER
  • O melhor da ELLE direto no seu inbox! Inscreva-se gratuitamente.
  • INSCREVA-SE AQUI
PUBLICIDADE

O Instagram está redobrando esforços contra discursos de ódio na plataforma com o lançamento de uma série de ferramentas que ajudam a bloquear mensagens abusivas. A rede social anunciou os novos recursos em seu blog oficial, afirmando que "(entende) o impacto que o conteúdo abusivo — seja racista, sexista, homofóbico ou qualquer outro tipo de abuso — pode ter nas pessoas".

Quando ativada, a ferramenta filtrará automaticamente as solicitações de mensagem que tenham palavras, frases e emojis ofensivos. Ela será aplicável apenas aos recados enviados por contas que o usuário não segue. "Trabalhamos com as principais organizações que lutam contra a discriminação e o bullying para desenvolver uma lista predefinida de termos ofensivos que serão filtrados", explicou o Instagram. Os usuários terão a opção, também, de personalizar a lista de palavras "banidas" de sua caixa de entrada.


Instagram Reprodução Instagram

Como parte do esforço, o Instagram está construindo novas barreiras para que alguém que você bloqueou procure ter contato com você por um terceiro perfil. Quando o usuário optar por bloquear alguém, agora ele terá a possibilidade de bloquear preventivamente contas subsequentes que a mesma pessoa possa fazer usando o mesmo número de celular ou e-mail.

As novas ferramentas estarão disponíveis para todos os usuários do Instagram até o final de maio de 2021.

PUBLICIDADE


Eles podem ser expressões artísticas, formas de comunicação ou mesmo entretenimento, mas uma coisa é certa: os filtros levam a conversa do real x virtual para outros patamares.


Prestes a completar 50 anos de carreira, o fotógrafo discute os impactos da pandemia, reflete sobre aposentadoria e relembra a inundação que atingiu seu acervo em fevereiro: "Renasceram coisas que estavam mortas".


Tenha acesso a conteúdos exclusivos
ASSINE A ELLE