Cadastre-se em nossa newsletter para ler este e outros artigos.

Doses semanais de moda, beleza, cultura e lifestyle, além, é claro, de todas os lançamentos da ELLE!
Inscreva-se gratuitamente.

  • ASSINE NOSSA NEWSLETTER
  • O melhor da ELLE direto no seu inbox! Inscreva-se gratuitamente.
  • INSCREVA-SE AQUI
PUBLICIDADE

A Adidas colocou a Reebok à venda. A marca de tênis foi comprada pela gigante de sportswear em 2006 por 3,8 bilhões de dólares, mas especula-se que ela seja vendida por um preço menor. Em comunicado, a Adidas afirmou que espera fechar o negócio já no primeiro quadrimestre de 2021.

No último ano, a Adidas baixou o valor de mercado da Reebok para cerca de 1 bilhão de dólares. Nos primeiros nove meses de 2020, a Reebok teve uma queda de 22% na receita no comparativo anual, rendendo 1,2 bilhão de dólares.

Analistas afirmam que a venda da Reebok aliviará o balanço patrimonial da Adidas, e também ajudará a empresa a se recuperar após a queda de 20% nas vendas da marca, diante da crise do coronavírus.

Entre os possíveis compradores, destacam-se a gigante chinesa de sportswear Anta e a empresa VF Corp., que recentemente adquiriu a Supreme. A Permira e Triton demonstram interesse em comprar a Reebok desde novembro de 2020, de acordo com o Financial Times. Outras opções incluem Percy Robert Miller, o rapper e empresário conhecido como Master P, com o ex-jogador profissional de basquete e investidor Baron Davis, bem como o conglomerado Authentic Brands Group.

Tênis da Reebok feito em parceria com Cardi B.Divulgação

PUBLICIDADE

Na última década e meia, a Adidas e a Rebook viveram uma história de amor e conflitos. Desde a aquisição, a Reebok fechou cerca de metade de suas lojas na América do Norte e lutou para firmar sua identidade. Eventualmente, a marca se distanciou do esporte e entrou para o mundo pop, lançando modelos em parceria com Cardi B e Victoria Beckham.

A Rebook teve um aumento significativo no lucro entre 2018 e 2019, graças a um ambicioso plano do CEO da Adidas, Kasper Rorsted, que assumiu o cargo em 2016, que reviveu modelos clássicos da marca. Outro ponto alto da relação entre as marcas foi a contratação do estilista nova-iorquino Kerby Jean-Raymond, fundador da Pyer Moss, como diretor criativo da Reebok em 2020.

Apesar da queda nas vendas em 2020, analistas da NPD Group, que acompanha transações de atacado nos Estados Unidos, acreditam que a Reebok pode voltar a crescer na mão de novos donos.


Tenha acesso a conteúdos exclusivos
ASSINE A ELLE