PUBLICIDADE

Já faz alguns anos que a data original do comércio norte-americano chegou ao Brasil para se firmar como o dia mais importante para o varejo. Só no ano passado, a Black Friday como o dia de maior venda dos e-commerces nacionais, alcançando R$ 3,21 bilhões de faturamento e movimentando 2,85 milhões de consumidores. Os números já eram impressionantes e, para 2020, as expectativas são ainda mais altas. Desde meados de março, o mercado digital brasileiro cresce em ritmo acelerado. Por consequência o processo de digitação de várias grifes também foi intensificado.

Com isso, a Black Friday deste ano promete ser uma das mais digitais da história. No entanto, a data chega em um momento complexo para boa parte da indústria da moda. Em meio a uma crise de saúde com efeitos sem precedentes em todas as esferas do país, muitas marcas, principalmente as pequenas e independentes, enfrentam sérias complicações. Entre a falta de estoque, a escassez de matérias-primas, os atrasos nas produções, o desabastecimento dos fornecedores, baixo número de vendas e estoques lotados, inúmeras etiquetas estão fazendo o possível e o impossível para conseguirem sobreviver sem grandes prejuízos. A tarefa não é fácil e liquidar, para boa parte da empresas, não parece a melhor opção agora.

PUBLICIDADE



A Basico.com, por exemplo, preferiu se sincera com o com o seu público. Em post nas redes sociais escreveu: "A Black Friday, que é uma data esperada pelo cliente, deixou de ser possível para nós, e acreditamos que para muitas marcas também. No nosso caso, estamos com pouco estoque e sem margem para qualquer manobra". Esse nível de transparência, bem pouco provável há alguns anos, é essencial para que o consumidor entenda o que acontece do outro lado e comece a reavaliar o seu comportamento de consumo. Mas para não deixar a ocasião passar em branco, a marca paulista pediu para que seus seguidores escolhessem, todo fim de semana, um look para ter seu valor final reduzido.

A vegana Maria Tangerina também optou por uma ação interativa. A marca convidou os clientes para contarem suas histórias com as bolsas da etiqueta e os autores das melhores versão receberão descontos especiais. Já a Neriage, de Rafaella Caniello, propôs algo diferente: "Em vez de reduzirmos os valores dos nossos produtos, vamos destinar parte do lucro das vendas da coleção-cápsula Persona a uma ONG de profissionais voluntários, que levam atendimento médico aos povos originários da Amazônia", informou a etiqueta em seu Instagram.

PUBLICIDADE

Esses são alguns exemplos já divulgados mas, às vésperas da Black Friday. Contudo, embora parte considerável do varejo esteja pensando em alternativas para a tradicional liquidação, marcas e empresas mais consolidadas devem aproveitar a data para esvaziar os estoques ainda cheios, após meses de lojas fechadas. Pensando nisso, o senso de responsabilidade ao fazer compras se mostra ainda mais necessário. É, sim, uma boa oportunidade para comprar um item desejado por um preço mais baixo. Mas, avaliando pelo lado do pequeno empreendedor, a história pode mudar de figura. É por isso que apoiar marcas que estão de acordo com o que você acredita e dar preferência aos criativos locais faz tanta diferença.

Então, em vez de fazer compras baseadas em exageros e impulsos, que tal aproveitar a Black Friday de uma forma mais consciente? Analisar o próprio comportamento de consumo e se planejar previamente é um bom caminho rumo a uma moda responsável. E, se tratando de uma data promocional, trata-se de um verdadeiro campo minado. Identificar quais preços estão, realmente, mais baixos, pode ser difícil, mas não é impossível. Listamos aqui todos os passos necessários para, nesta sexta-feira (27.11), fazer boas compras sem cair em armadilhas.

Fica em casa

Em primeiríssimo lugar, o óbvio: para evitar as aglomerações que podem ser formadas nas lojas e shoppings, já se programe para fazer as suas compras diretamente do conforto (e segurança!) da sua casa. Ao longo dos últimos meses, muitas marcas otimizaram as suas plataformas digitais, melhoraram o seu sistema de entregas e, certamente, darão um reforço especial para a Black Friday.

Dá aquela vasculhada no guarda-roupa

Para não fazer compras por impulso, antes de chegar o momento, separe um tempo para dar uma olhada no que você já tem. Ter uma visão nítida do armário que você está construindo ou mantendo ajuda a entender sua intenção de compra e a resistir às supostas grandes descobertas na promoção. O ideal é identificar o que você está precisando ou desejando previamente e definir o que irá procurar na Black Friday. Lembrando sempre que quantidade é diferente de qualidade e, em vez de comprar mais, você pode comprar melhor, procurando peças de boa qualidade que vão durar por longos anos no seu guarda-roupa.

Confere os preços

Em seguida, faça uma pesquisa de preços para evitar as armadilhas dos falsos descontos. Consulte diferentes e-commerces e verifique os valores. Dessa forma, no dia da Black Friday, se tornará bem mais fácil identificar quais peças, realmente, tiveram os seus preços reduzidos e valem a pena.

Defina um orçamento

Já sabendo pelo que você irá procurar e com a pesquisa de preços realizada, defina o quanto você está disposto a gastar. Assim, independentemente do quanto as marcas abaixem os preços, você ainda estará economizando. Comprar só porque está barato não faz sentido e, seguindo esse raciocínio, a promoção pode ainda sair cara. O orçamento te ajudará a não cometer excessos com a grande quantidade de descontos, gastando apenas o que você pode.

Chegou o dia? Sem pressa

Depois de todo esse planejamento, quando chegar a sexta-feira, não tenha pressa. O quase desespero para não perder as promoções antes que esgotem não é maior do que a insatisfação após ter feito compras ruins. Esteja atento às descrições dos produtos e às notas que expliquem as ofertas, para ter a plena certeza do que você está comprando e que, mais tarde, não irá se arrepender da aquisição.

Procure saber sobre a marca

Quando achar as peças que deseja, caso ainda não conheça o histórico da marca, procure se informar sobre. Saiba de onde vem os itens que está consumindo, como e por quem eles são feitos e lembre-se que apoiar os pequenos negócio e dar preferência às marcas que estão de acordo com o que acreditamos. O nosso consumo é político e, mesmo entre o Black Friday, não podemos nos esquecer a potência disso.

Atenção à política de trocas

Se atente à tabela de medida das peças para ter certeza que está comprando na sua numeração adequada. Se informe também quanto à política de trocas, afinal, caso mesmo assim o tamanho não sirva, você saberá quais são as suas possibilidades.

Use e use muito

Depois de todos esses passos, decidiu o que irá comprar? Pense mais uma vez, lembre do que você já tem no seu armário e se pergunte se esses essas novas peças combinam com as suas e faz sentido para o seu estilo de vida. Tudo ok? Compra feita? Agora é só fazer valer, use e use muito. Também aproveite a chegada das compras para passar para frente o que está parado no guarda-roupa.




Estilistas e profissionais respondem à pergunta que tem impacto direto no valor que pagamos em nossas roupas.

Tenha acesso a conteúdos exclusivos
ASSINE A ELLE