Cadastre-se em nossa newsletter para ler este e outros artigos.

Doses semanais de moda, beleza, cultura e lifestyle, além, é claro, de todas os lançamentos da ELLE!
Inscreva-se gratuitamente.

  • ASSINE NOSSA NEWSLETTER
  • O melhor da ELLE direto no seu inbox! Inscreva-se gratuitamente.
  • INSCREVA-SE AQUI
Moda

Pele de animais é oficialmente banida da ELLE no mundo inteiro

Restrição vale para veículos impressos, online e também para anúncios. ELLE Brasil já vinha adotando a medida em seus editoriais por decisão interna.

Foto: Getty Images
PUBLICIDADE

Adivulgação do uso de peles de animais foi oficialmente banida da ELLE internacional. A medida foi anunciada durante o evento Voices 2021 nesta quinta-feira (2.12), organizado pelo portal Business of Fashion, e vale não só para as revistas impressas, mas também para sites, redes sociais e publicidade em todos os veículos da marca. A decisão teve o apoio das 45 edições da ELLE ao redor do mundo, inclusive, claro, da ELLE Brasil, que há tempos já vinha adotando essa restrição nos editoriais produzidos pela equipe, por decisão interna. Agora, o veto será estendido a todas as fotos veiculadas pelo título, incluindo imagens de passarela e street style.

“A partir de hoje, peles de animais não estão mais alinhadas com nossos valores”, anunciou Valéria Bessolo, diretora internacional da ELLE. “Está na hora de nos posicionarmos e proteger tanto os animais, quanto o meio ambiente e dizer não à crueldade animal. O mundo mudou, nosso leitores mudaram, é uma nova era, independentemente da cultura de cada país.”

A iniciativa, que é pioneira no mercado editorial, foi tomada em conjunto com a Sociedade Humana dos Estados Unidos, a Sociedade Humana Internacional, e a ONG Creatives4Change. O tratado assinado pelos diretores de cada uma das edições da ELLE e segue as definições da Fur Free Alliance do que é considerado pele animal.

PUBLICIDADE

Além de proibir o uso do material em fotos e editoriais, o acordo também proíbe propagandas cujas imagens tenham pele de animal. “Engajamento social é um dos pilares da ELLE”, diz Constance Benqué, CEO da Lagardère News e da ELLE Internacional, em comunicado à imprensa. “O mundo mudou, e o fim do uso de peles de animais está alinhado com o curso da história. Esperamos que, com esse compromisso, a ELLE abra as portas para outros veículos de comunicação fazerem o mesmo e possamos promover um futuro livre de crueldade animal”.

Alexi Lubomirski, fotógrafo de moda e fundador da ONG Creatives4Change, elogiou a iniciativa: “Desde quando foi fundada, a ELLE é referência na moda, sinônimo de frescor, livre da tradição e da formalidade. Por isso a revista não só reflete a moda, como a decreta. Esse poder criativo de inspirar que permite a ELLE dar passos largos na formação dos de seus leitores rumo a um futuro mais consciente e evoluído”.

Além da ELLE Brasil, 12 edições já vetavam as peles em suas mídias. As outras estabeleceram uma data para adotar oficialmente a restrição. “Para 13 de nossas públicações, a medida já está em prática. Outras 20 irão adotar a nova prática no dia 1º de janeiro de 2022, e as demais em 1º de janeiro de 2023. O importante é que a política é válida para toda nova contratação e renovação feita a partir de agora”, explicou Valéria durante o evento. A ELLE é uma marca da Hachette Filipacchi Presse, subsidiária da Lagardère SCA. No Brasil, é publicada pela Papaki Editora, braço editorial do Grupo Papaki.

PUBLICIDADE
Tenha acesso a conteúdos exclusivos
ASSINE A ELLE

A ELLE Brasil utiliza cookies próprios e de terceiros com fins analíticos e para personalizar o conteúdo do site e anúncios. Ao continuar a navegação no nosso site você aceita a coleta de cookies, nos termos da nossa Política de Privacidade.

Assine nossa newsletter

Doses Semanais de moda, beleza, cultura e lifestyle, além, é claro, de todas as novidades e lançamentos da ELLE no seu inbox.
Increva-se gratuitamente.