Cadastre-se em nossa newsletter para ler este e outros artigos.

Doses semanais de moda, beleza, cultura e lifestyle, além, é claro, de todas os lançamentos da ELLE!
Inscreva-se gratuitamente.

  • ASSINE NOSSA NEWSLETTER
  • O melhor da ELLE direto no seu inbox! Inscreva-se gratuitamente.
  • INSCREVA-SE AQUI
PUBLICIDADE

Quando Matthew Williams foi nomeado novo diretor criativo da Givenchy, em junho de 2020, sua veia streetwear foi interpretada como um sopro de frescor dentro da maison francesa. Para o verão 2022, o primeiro do estilista nas passarelas, sua preferência por looks sóbrios de alfaiataria esportiva abriu espaço para uma coleção com toque mais romântico, com babados rígidos, rendas e uma paleta de tons pastel contrastando com as cores escuras que tanto gosta.

Desde que assumiu o posto atual, Williams não nega que quer reverenciar todas as fases e estilistas que já passaram pela Givenchy. Sua primeira apresentação, a de verão 2021, foi um apanhado desses códigos misturados à suas próprias referências. Agora, para o desfile que aconteceu no domingo (03.10), ele olhou para a temporada de inverno 2010, assinada por Riccardo Tisci. Foi aquela em que o italiano apresentou uma estética de mergulhador, com os neoprenes dos long johns servindo de base para essa Scuba Couture, como a coleção foi chamada. Dos peplums estruturados à bota envernizada até a coxa, o primeiro bloco da apresentação parece uma grande homenagem àquelas peças.

Aos elementos subaquáticos, o diretor criativo adiciona referências artesanais, como pinturas feitas à mão em colaboração com Josh Smith, artista norte americano que cria obras ultra coloridas, como os palhaços que estampam conjuntinhos de camiseta e calça e os casacos e blusas de manga longa com ar handmade. "Josh tem uma estética muito diferente da minha. Foi uma oportunidade legal de sair da minha zona de conforto e explorar um novo espaço", disse à jornalista no backstage

PUBLICIDADE

A mistura entre a veia tecnológica do designer e o handmade colorido do artista é um tanto confusa, principalmente porque são mundos que não conversam tão bem, ficando muito distantes na passarela. A sensação era de duas coleções diferentes. O destaque fica, no fim das contas, para as roupas em que Williams traz seu DNA de rua e mescla com os códigos clássicos da Givenchy, como as calças de alfaiataria retas com recortes na frente, na altura do quadril, e os blazers com detalhes plissados. Ainda assim, entre tantas referências é difícil dizer exatamente qual é a principal característica da Givenchy sob comando de Matthew.

Tenha acesso a conteúdos exclusivos
ASSINE A ELLE