Cadastre-se em nossa newsletter para ler este e outros artigos.

Doses semanais de moda, beleza, cultura e lifestyle, além, é claro, de todas os lançamentos da ELLE!
Inscreva-se gratuitamente.

  • ASSINE NOSSA NEWSLETTER
  • O melhor da ELLE direto no seu inbox! Inscreva-se gratuitamente.
  • INSCREVA-SE AQUI
PUBLICIDADE

Foi em fevereiro de 2020 que o brasileiro João Maraschin fez sua estreia na semana de moda de Londres. Foi um sucesso, mas, poucas semanas depois, a capital inglesa entrou em seu primeiro lockdown para combater a pandemia de Covid-19 e tudo parou. Neste sábado, 18.09, o estilista gaúcho pode retornar ao evento, ainda que longe das passarelas. Como um dos integrantes da plataforma de novos talentos DiscoveryLAB, ele optou por apresentar sua terceira coleção em vídeo.

Filmado numa praia ao norte do País de Gales, o filme é quase um resumo de alguns pontos centrais do trabalho de João. A começar pelo casting: três modelos com idades de 30, 45 e 59, reforçando seu compromisso em vestir e criar moda de uma maneira mais abrangente, menos obcecada pela juventude e com tempo de vida prolongado. Outro ponto importante é o uso de materiais ambientalmente responsáveis, como os tricôs feitos de rede de pesca reciclada. Boa parte das peças e bordados são feitos por quatro comunidades de artesãos brasileiros (em Minas Gerais e Rio Grande do Sul).

Da atenção às manualidades e matéria-prima, vem o foco em silhuetas simples que destacam texturas e efeitos ópticos – seja pela coloração nas tramas ou por recortes, plissados, bordados e outras interferências têxteis. São pontos importantes e um dos principais diferenciais do estilista, que recentemente ganhou entre seus clientes a multimarcas londrina Selfridges.

PUBLICIDADE

Outra novidade é um microchip que acompanha as peças feitas à mão. Em uma parceria recente com a empresa Everledger, o chip carrega o histórico daquele artigo específico, numa tecnologia similar ao blockchain. Trata-se de mais um passo importante rumo a uma maior transparência na cadeia produtiva de moda, algo bastante caro à João.

Em uma conversa por Zoom, dias antes da apresentação, o estilista explicou que a coleção se chama Imagined Communites (comunidades imaginadas, em tradução livre). O nome é emprestado de um livro de 1983, escrito por Benedict Anderson, sobre a ideia de coletividade, da aproximação de pessoas no processo de construção de identidade de uma nação. "A coleção explora o conceito de formar uma comunidade imaginária, fundada em inclusividade e respeito", diz.

São ideias – e práticas até – bem presentes nos bastidores e modus operandi da marca, mas que ainda precisam ser melhor trabalhadas na imagem final. A coleção é inspirada no trabalho da artista Claudia Andujar, mais especificamente sua série The Yanomami Struggle, assim como na história do Brasil Afro-Atlântico. Contudo, as três modelos que aparecem no vídeo e fotos da marca são brancas, com perfis eurocêntricos.

PUBLICIDADE


Tenha acesso a conteúdos exclusivos
ASSINE A ELLE