• ASSINE NOSSA NEWSLETTER
  • O melhor da ELLE direto no seu inbox! Inscreva-se gratuitamente.
  • INSCREVA-SE AQUI
PUBLICIDADE

A maior parte das roupas recicladas é produzida com retalhos de confecções, os restos que saem das máquinas de corte, são separados e transformados em tecidos novos. Apesar de ser uma técnica importante para evitar o desperdício e o acúmulo de estoque morto, ela não responde à questão sobre como tornar úteis as peças que já existem, foram usadas, lavadas, desgastadas e amadas.

Então, a marca catarinense Malwee, em parceria com o grupo EuroFios, resolveu escrever a própria resposta ao fundar o movimento Des.a.FIO. As empresas estudaram por dois anos uma forma de criar uma fibra feita a partir de peças de segunda mão que iriam parar em aterros sanitários.

A tecnologia do chamado "fio do futuro" é pioneira no Brasil, que, embora tenha muito caminho a ser explorado e minúcias a serem entendidas e aperfeiçoadas nessa seara, acaba de dar um passo importante na construção de alternativas para o descarte.

É claro que a novidade ainda carrega limitações. A fibra nova é grossa e, por isso, não serve para produzir camisetas e malhas mais finas. A primeira peça criada a partir dela, então, foi um moletom dupla face com perfil unissex. Foram confeccionadas 1.500 unidades do protótipo, colorido pelo cinza mescla que é resultado da mistura de todas as cores dos itens desfibradas.

PUBLICIDADE

As peças não serão vendidas, mas sim trocadas por outras cinco, doadas por quem deseja se desfazer de itens do guarda-roupas. A marca acredita que, dessa forma, é possível estimular a consciência do consumidor e o engajamento numa moda mais sustentável e circular.

Essa troca consciente poderá ser feita durante a instalação que a Malwee irá promover na próxima terça-feira (17.05), na avenida Paulista, em São Paulo, em conjunto com a artista plástica Carol Almeida. A data foi escolhida porque é quando, anualmente, comemora-se o Dia Mundial da Reciclagem.

Será com essas peças, doadas pelos clientes que forem buscar seus moletons novos, que a etiqueta deve continuar trabalhando na tecnologia para cria roupas a partir de peças usadas. Será, portanto, um jogo em que todo mundo ganha, principalmente o planeta.

Tenha acesso a conteúdos exclusivos
ASSINE A ELLE

A ELLE Brasil utiliza cookies próprios e de terceiros com fins analíticos e para personalizar o conteúdo do site e anúncios. Ao continuar a navegação no nosso site você aceita a coleta de cookies, nos termos da nossa Política de Privacidade.

Assine nossa newsletter

Doses Semanais de moda, beleza, cultura e lifestyle, além, é claro, de todas as novidades e lançamentos da ELLE no seu inbox.
Increva-se gratuitamente.