Moda

O BBB quer a volta dos lenços e a Dior também

Os esforços para o retorno da tendência parecem grandes. Aqui relembramos a sua história e contamos quem já está apostando.

Fotosite
PUBLICIDADE

Se você acessou o Twitter nos últimos dias, certamente viu por sua timeline, pelo menos, alguns memes sobre o curioso uso de lenços por parte das participantes do Big Brother Brasil 2021. A internet não perdeu tempo e logo começou a levantar suas hipóteses para tal peça: Apliques indiscretos? Cabelos sujos? Raízes pedindo socorro por culpa dos produtos disponibilizados na casa? Não se sabe ao certo, mas o fato é que a tendência já vinha sendo observada por aí e o uso do acessório é, claro, muito anterior ao reality.

Muito antes de BBB

A origem do lenço não é exatamente uma unanimidade entre os historiadores. Há quem diga que os panos passaram a ser usados na Índia Antiga pela necessidade de cobrir os cabelos femininos, já que, em algumas culturas, não podem ser exibidos. Outros, no entanto, defendem que já havia registros anteriores do item como turbantes em diferentes países do continente africano. Discordâncias à parte, ao que tudo indica, os primeiros usos da peça partiam sempre de hábitos socioculturais e, mais tarde, de necessidades funcionais para proteção.

Grace KellyGetty Images

Essa história começa a mudar quando, no final dos anos 1930, a Hermès lança o seu hoje clássico lenço de seda. Se antes, o uso como um mero acessório ainda era tímido, foi a partir daí que ele passou a se popularizar e a ser considerado, globalmente, um item de moda. Um nome importante para esse novo momento foi Grace Kelly. A princesa estava sempre com lenços no cabelo, colaborando para que a versão proposta pela marca francesa se tornasse um símbolo de luxo. Em pouco tempo, o desejo estava instalado e o uso já começava a ser reproduzido por outras personalidades influentes, como Audrey Hepburn e Brigitte Bardot.

PUBLICIDADE

Algumas décadas se passaram e os lenços começaram a ganhar novos significados. Nos anos 1970, por exemplo, em meio à Guerra do Vietnã, uma juventude contestadora se ocupava em propor o rompimento de moldes tradicionais e a valorização de uma vida mais simples. Sim, esse foi o Movimento Hippie, e o nosso imaginário já é carregado por imagens de seu estilo tão reconhecível. Entre os muitos elementos que marcaram esse tempo, os lenços e bandanas ocupavam um papel especial nos visuais, se tornando sinônimos de rebelião e ativismo.

Verão 1993 da Chanel Getty Images

Mais uns anos se passaram e, então, a moda agiu novamente. Na década de 1990, as mais variadas marcas, de Chanel à Versace, trouxeram o acessório para as suas passarelas. Dessa vez, as etiquetas se aproximavam de uma estética mais glamourosa e um tanto quanto atrevida, se afastando totalmente daquela imagem hippie. Os lenços apareciam acompanhados por minissaias, calças justas e tops de biquíni, construindo um novo momento que se estende até o início dos anos 2000.

PUBLICIDADE

BeyoncéGetty Images

Beyoncé, em seu tempo de Destiny's Child, Christina Aguilera, Britney Spears e as gêmeas Olsen se tornaram, então, as novas propagadoras do acessório, enquanto agitavam o cenário pop. Outros nomes essenciais para essa história durante a década foram os do hip hop. Estes cantores acabavam de alcançar o mainstream e, quando não estavam de bonés, certamente, tinham lenços ou bandanas na cabeça. Para eles, aliás, a ligação era mais profunda, conectando o uso do acessório às suas culturas e origens.

Corre aqui, Dior

Ok, história devidamente contada. Mas, onde entram as participantes do BBB? Bom, em território nacional, elas podem até merecer os seus créditos. Nos últimos dias, esse foi um dos principais assuntos pelas mídias sociais e, sem nem imaginarem, estão dividindo opiniões por aí ao usarem o acessório. No entanto, no resto do mundo, a tendência já estava rolando. Maria Grazia Chiuri, diretora criativa da Dior, por exemplo, parece se esforçar para que a volta dos lenços aconteça há, pelo menos, algumas temporadas.

Fotosite

Inverno 2020 da Dior


No inverno 2020 da marca francesa, praticamente todas as modelos cruzaram a passarela usando a peça. Com nome de "Diário Visual", a coleção foi desenvolvida após Maria Grazia se deparar com uma caixa de fotos de sua adolescência e se transportar para o momento em que entendeu o feminismo. Entre as lembranças dos anos 1970, a estilista decidiu falar naquele desfile sobre atitude e essencialismo. Duas temporadas depois, no resort 2021, os lenços aparecem mais uma vez, porém, agora, amarrados de uma nova forma, e o mesmo acontece no verão 2021 e no pre-fall 2021.

Outras etiquetas já não parecem tão insistentes na tendência, porém não resistiram ao flerte. Esse foi o caso, por exemplo, da Jacquemus, que, no inverno 2020, apostou em opções lisas sem deixar os cabelos à mostra. A Gucci também foi uma e, em seu resort 2021, apresentou o acessório até mesmo com a estampa combinada à do look. Já a Saint Laurent foi mais minimal e, entre os visuais sóbrios do pre-fall 2020, trouxe lenços em tons de marrons acompanhados por óculos enormes.


Desde então, Dua Lipa, Bella Hadid e Cardi B são só algumas das muitas celebridades adeptas à tendência. Seja cobrindo toda a cabeça, o posicionando mais para trás e deixando algumas mechas para frente, torcendo como uma tiara ou amarrando no rabo de cavalo, os lenços estão aí gerando possibilidades infinitas de uso. Na maioria, basta dobrá-lo em formato de triângulo e já estará pronto para ser amarrado. Há ainda as opções de prendê-lo na bolsa, usá-lo como cinto e por aí vai. Para os lenços, não há limites. E se depender dos próximos meses do reality e das próximas coleções da Dior, certamente, seguiremos os vendo.


Em uma quarentena dominada por chinelos e pantufas, a Valentino já parece interessada no que virá depois ー e spoiler: para a marca italiana, Lady Gaga, Cardi B e quem mais quiser se juntar, os pés ficarão bem longe do chão.


Tenha acesso a conteúdos exclusivos
ASSINE A ELLE