Cadastre-se em nossa newsletter para ler este e outros artigos.

Doses semanais de moda, beleza, cultura e lifestyle, além, é claro, de todas os lançamentos da ELLE!
Inscreva-se gratuitamente.

  • ASSINE NOSSA NEWSLETTER
  • O melhor da ELLE direto no seu inbox! Inscreva-se gratuitamente.
  • INSCREVA-SE AQUI
PUBLICIDADE

Os rumores já rolavam há algum tempo, mas nesta terça-feira, 30.03, foi confirmada a saída do diretor de criação Paul Andrews da Salvatore Ferragamo. Além do estilista, Ferruccio Ferragamo, atual presidente da marca, também deixará o posto e será substituído por seu irmão Leonardo. A notícia foi dada em primeira mão pelo site The Business Of Fashion.

A movimentação vem após meses com vendas em declínio e dificuldades de se adequar às mudanças do mercado de luxo, cada vez mais influenciado por estilos mais casuais ou propostas de moda mais ousadas. Salvatore Ferragamo em si, sempre foi chegado a revoluções e rupturas de estilo – a plataforma com sola de arco-íris que criou para Judy Garland, em 1938, é um ótimo exemplo. Porém, desde sua morte, em 1960, a marca assumiu uma postura mais clássica.


Diretor de criação desde 2019, Paul Andrew (ele ingressou na marca em 2016, como diretor de design para sapatos femininos e, em 2017, assumiu a direção de todas as linhas femininas) tentou mudar tal panorama com seus desenhos de linhas retas, pautadas pelo modernismo, e paixão pelas cores. Sob seu comando, a casa italiana recebeu considerável atenção da mídia especializada, colecionou boas críticas e ainda ganhou alguns hits, como a bolsa Studio e os sapatos Viva.

PUBLICIDADE

O estilista Paul Andrew Paul Andrew.Foto: Divulgação

Contudo, nem mesmo o olhar contemporâneo do estilista foi capaz de reerguer um negócio há anos lutando para conquistar uma parcela de consumidores mais jovens e se alinhar às novas demandas de consumo. O mais recente desfile, de inverno 2021, foi a tentativa mais explícita nesse sentido. Mas já era tarde demais.

Os impactos da pandemia pioraram tudo. Em 2020, a Salvatore Ferragamo teve uma queda de 33% nas vendas. O prejuízo (o primeiro desde o IPO da grife, uma década atrás) foi de 62 milhões de euros. Comparado ao lucro de 150 milhões de euros, em 2019, o tombo foi grande demais para os investidores não fazerem nada.

Agora, até opções sumariamente descartadas no passado, como a venda para algum conglomerado de luxo, voltaram à mesa. Porém, as complicações financeiras e as históricas resistências e desavenças na gerência do negócio, por parte de membros da família Ferragamo, tendem a complicar ainda mais o cenário.

Paul Andrew deixará seu cargo após a conclusão da coleção de pré-verão 2022, no começo de maio. Segundo fontes do The Business Of Fashion, ainda não há nenhum substituto em vista e é provável que ninguém assuma o posto. Como isso impactará a grife é o que veremos nos próximos meses.

PUBLICIDADE



Tenha acesso a conteúdos exclusivos
ASSINE A ELLE

A ELLE Brasil utiliza cookies próprios e de terceiros com fins analíticos e para personalizar o conteúdo do site e anúncios. Ao continuar a navegação no nosso site você aceita a coleta de cookies, nos termos da nossa Política de Privacidade.

Assine nossa newsletter

Doses Semanais de moda, beleza, cultura e lifestyle, além, é claro, de todas as novidades e lançamentos da ELLE no seu inbox.
Increva-se gratuitamente.