Beleza

A volta dos mullets

Apesar de dividir opiniões, o penteado oitentista surge todo repaginado e é a aposta certeira de quem busca um look nada óbvio. Vai encarar?

Divulgação / Amazon Prime Video
PUBLICIDADE

2020 começou com fortes burburinhos sobre a volta do mullet – febre dos anos 1980 e 1990. Bastou Rihanna aparecer com o look no desfile da Savage X Fenty (transmitido pela Amazon Prime Video), para a tendência se confirmar. O visual, marcado pela frente e laterais do cabelo curtinhas e a parte de trás mais comprida, também ganhou forças com adeptas como Miley Cyrus, Billie Eilish, Maisie Williams e a estadunidense-brasileira Barbie Ferreira.

A versão millennial do look retrô surge atualizada e descolada – e passa longe da ideia de caricato por muito tempo atribuída ao corte. Se nos anos 1980 os shapes eram mais rígidos, em 2020 o ponto alto é a leveza. "O novo mullet aparece com muita textura e camadas internas, o que cria esse efeito moderno e desconectado", diz o hairstylist Vinicius Kevin, do Retrô Hair, em São Paulo.

Hairstyle ou lifestyle?

Há quem diga que o mullet nunca saiu de moda – e de fato há famosos adeptos em praticamente todas as décadas (com os primeiros registros na Antiguidade Clássica!). O auge, no entanto, foi em 1970, acompanhando a rebeldia e atitude de astros do punk e do rock como Iggy Pop, Patti Smith e David Bowie. Genderless, o estilo carrega um importante ponto de expressão e de rompimento de padrões. E isso nunca foi tão atual. "O corte tem uma força diferente dos outros estilos ao diluir a feminilidade e a masculinidade óbvias", afirma a hairstylist Raisa Andrade, diretora criativa do @papo_cabelo.

PUBLICIDADE

David Bowie de mullets e a modelo Twiggy na capa de seu disco "Pinups" (1973) Foto: Getty Images


Na Austrália, a cultura do mullet é tão forte que ganhou um evento anual só sobre isso (desde 2018, o Mulletfest premia os melhores mullets nas mais variadas categorias). Apesar de anos dando as caras, é fato que 2020 tem sido um ano especial para o estilo. Até mesmo os diversos meses em isolamento social podem estar influenciando a aderência. Seja por quem se arriscou a cortar sozinho (e nesse quesito, o tipo despojado ganha pontos), seja pela vontade de arriscar mais e experimentar o novo. "É um corte democrático, que pode ser usado por todo mundo e feito em qualquer tipo de cabelo", diz o cabeleireiro André Monteiro, de São Paulo.


Para a parcela que busca apenas um jeito mais divertido e ousado de se expressar, uma boa notícia: é um corte prático e fácil de cuidar. "Ele já é naturalmente supertrabalhado e estiloso, então não dá trabalho. Mas é também muito versátil: você pode usar ele mais liso ou ondular as pontas, intensificar o efeito despojado com pomada. São muitas possibilidades", afirma o cabeleireiro Celso Kamura, de São Paulo.

PUBLICIDADE

Estilize você mesmo os seus mullets

Os finalizadores são os melhores aliados de quem adere ao look vintage. Não podem faltar no arsenal: uma boa pomada, um spray texturizador, além de produtinhos com potencial nutritivo, como os óleos vegetais, para manter a saúde dos fios.



"As versões atuais dos produtos de styling são mais leves e eficazes, capazes de criar textura sem pesar", diz André Monteiro. O segredo é aplicar pouco produto e ir sobrepondo camadas conforme a necessidade para não errar a mão. A versatilidade do estilo permite um mix de texturas (mais liso em uma parte do cabelo e mais ondulado em outra) e diferentes acabamentos. Vale explorar, por exemplo, xampu a seco ou ceras de efeito molhado, brilhante ou mate (passe depois de secar com o secador, usando apenas as mãos). Ou, ainda, sprays de fixação, salt spray ou mousse. Estes devem ser aplicados com o cabelo ainda úmido, antes de secar, para ganhar volume e desconectar as camadas do corte.



Vale experimentar

Shampoo a Seco em Pó, Redken, R$ 55,18

Pasta Modeladora EIMI Bold Move, Wella Professionals, R$ 124

Spray Finalizador Thickening (250 ml), Bumble and Bumble, R$ 166,90

Pomada Modeladora OSIS+ Mess Up, Schwarzkopf, R$ 99,90

Volumizing Spray Hair Rituel, Sisley, R$ 330,90

Os produtos incluídos nesta reportagem contêm links para sites parceiros. Caso você compre produtos linkados no nosso site, podemos receber uma comissão.

Com o retorno dos anos 2000 à moda, eles voltam a conquistar as cabeças das mulheres que querem fios diferentões sem apelar para as tintas coloridas


"O frizz é uma das últimas coisas que você derruba da ditadura do liso", afirma a hair stylist Luciana Safro que explica, junto com outras profissionais, por que a cultura de combate ao frizz que é especialmente intensa no Brasil não faz sentido.


Tenha acesso a conteúdos exclusivos
ASSINE A ELLE