Colunistas

A moda no limite

Não existe diversidade nem consumo consciente sem laço social.

Ilustração: Mariana Baptista

Retalhos vazados com silhuetas e camisetas brancas na tela escrito buy now

PUBLICIDADE

Questões sociais sobre raça, classe e gênero se tornaram intimamente ligadas ao mercado de moda nos últimos tempos. Não que isso não fosse relevante antes, afinal, simplesmente não há atividade humana que não tenha de se referir a esses marcadores de uma forma ou de outra. Mas a última década, especialmente, mudou a maneira de abordagem da moda em relação a esses atravessamentos.

Evidente que, como falamos de um mercado capitalista, isso passa e em grande parte é motivado pelo consumo. A expressão "consumo consciente", ao lado de termos como inclusão, diversidade e transparência viraram ouro no fim do arco-íris, o que deslanchou uma corrida de marcas em busca de uma causa ou uma iniciativa para chamar de sua.

Embora os números e a pressão de consumidores e movimentos sociais tenham dado origem a boas práticas, os exemplos de avanços reais, responsáveis e duradouros estão longe de ser a regra.

A superficialidade marqueteira de muitas iniciativas já foi amplamente apontada, o que não tem impedido sua proliferação.
As discussões, quando ocorrem, respondem a um padrão de popularidade algorítimico. O assunto surge, há uma mobilização, a empresa responde (bem ou ainda pior), a coisa esfria e segue o baile.

Em alguns casos, o evento de fato produz reflexão. Mudam aí não só os antigos padrões de funcionamento e contratação, mas algo se transforma na própria relação entre as pessoas envolvidas com o trabalho. Há, nesses poucos e ainda raríssimos casos, uma mudança nas relações de poder, mas também em algo mais sutil e rico da relação de convivência.

PUBLICIDADE

Em sua teoria dos discursos, o psicanalista Jacques Lacan elaborou algo que se chama o discurso do capitalista. Um discurso que, segundo ele, grosso modo, deixaria de fora o laço social ou trabalharia contra eles de alguma forma.

Bom, se deixarmos de fora o laço social, se há um cenário em que eles são atacados em sua possibilidade de acontecer, o outro não é de fato outro que reconheço em relação a mim. Nesse laços capengas há algo de antissocial no sentido de contra o social. O outro é um detalhe, uma ferramenta ou um resto, uma pedra no caminho, alguém que pode ser usado ou descartado de maneira instrumental.

Vivemos em um país em que isso opera. Por um lado somos incentivados a grandes sacrifícios. Abrir mãos de todos os direitos sociais. Cumprir jornadas cada vez mais longas e exigentes. Apoiar programas governamentais de austeridade absurdos. Nos dobrar a moralismos autoritários. Mutilar o que somos em nomes de padrões cada vez mais excludentes

PUBLICIDADE

Em troca, em tese, ganhamos consumo. Consumimos a roupa, a causa, a educação, a militância, o amor, o escândalo, o cuidado, o cancelamento, a espiritualidade, o outro e a nós mesmos. Se nos observamos e olhamos ao nosso dedor em um segundo de brilho interno acabamos boquiabertos, chocados. É como se toda a nossa existência se resumisse a trocas de consumo. E consumir não é sinônimo de viver. Se insistirmos nessa identificação absoluta, estamos lascados. Não há mais pessoas nem instituições e, em última instância, nem mundo. Só gadgets e empresas se comunicando com empresas para alimentar um fluxo voraz, que busca avançar com cada vez menos limites em um deserto.

Mas será você uma empresa? Muitos coaches e defensores da ideia de empreendedor de si mesmo querem nos convencer de que sim. Mas não, não somos empresas. Podemos empreender, sim. Podemos ter empresas. Mas não somos essas coisas. Somos pessoas. Pessoas que precisam de outras pessoas de maneiras não utilitaristas. Pessoas que só desenvolvem porque se relacionam.

Precisamos de direitos sociais, mais, melhores. Precisamos de bem-estar que envolva o público. Serviços públicos, mais, melhores. Precisamos ampliar horizontes e não nos fechar cada vez mais em nós e em nossos bunkers. Precisamos das ruas, das praças, dos pontos de encontro, das cidades.

Sim, no momento, não podemos sair, nos juntar, ao menos não deveríamos fazer isso, para nosso próprio bem. Muitos não têm escolha. E muitos dos que têm escolhem a irresponsabilidade em nome, de novo, do consumo.

O governo negou à população o direito à vacina, como tem provado dia após dia a CPI da Covid. O que custou centenas de milhares de mortes e muito sofrimento. Está custando inclusive a extensão da pandemia e das restrições. As UTIs do país estão mais lotadas que há um ano e o distanciamento social nunca foi tão baixo. Falta dinheiro, falta encontro, falta esperança.

Mas no que ainda não virou um deserto povoado por vídeos repetidos à exaustão, discursos de ódio e ignorância boçal, crua ou disfarçada de bom-mocismo, novos sonhos aparecem. As pessoas são assim, elas sonham. A arte nos inspira a criar. A ética nos impele a arriscar novas construções.

Empresas que de fato estiverem interessadas em um país mais inclusivo deveriam apoiar os jovens que estão indo às ruas pedir muito mais do que a queda do governo. Deveriam ouvir os pedidos de mudança radical. Não há isenção possível diante do sofrimento de tantos.

Jovens sem perspectiva. Adultos desempregados. Quase meio milhão de mortos. Famílias passando dificuldade. Violência racista. Epidemia de depressão e ansiedade. Concentração de renda e aumento exponencial da miséria.

É ilusão achar que quando desumanizamos o outro, quando o tratamos como resto descartável, permanecemos iguais em nosso casebre de privilégio. Sim, porque os castelos são reservados a pouquíssimos. Ficamos vivos, é verdade. Mas nos degradamos a cada instante, implodidos por dentro, cada vez mais sozinhos, mais miseráveis. Não, não há elegância possível nessas condições. Dizem que a moda nos faz sonhar. E na história do mundo podemos achar exemplos que nos mostram que isso é verdade. Pessoas, criadores que puderam falar de coisas que somos proibidos de desejar. Parece que se tornou vergonha fazer algo na realidade em nome desses sonhos censurados porque, teoricamente, são inalcançáveis. Na verdade, são apenas inadequados a um estado de coisas desumanizante, que fala em liberdade enquanto distribui preconceito e terror.

Tantos limites à criatividade e carta branca ao lucro que não respeita nem a vida nem a morte. Não precisamos mais disso. Que os criadores de moda, os que ainda restaram, se levantem à altura de nosso tempo. O chamado está na rua.

Tenha acesso a conteúdos exclusivos
ASSINE A ELLE