Cadastre-se em nossa newsletter para ler este e outros artigos.

Doses semanais de moda, beleza, cultura e lifestyle, além, é claro, de todas os lançamentos da ELLE!
Inscreva-se gratuitamente.

  • ASSINE NOSSA NEWSLETTER
  • O melhor da ELLE direto no seu inbox! Inscreva-se gratuitamente.
  • INSCREVA-SE AQUI
Colunistas

Muito prazer, sou seu novo cérebro

Esquecimento, insônia, ansiedade, depressão: a gangorra emocional tem tudo a ver com a menopausa. Saiba como a oscilação hormonal afeta você e como lidar com ela.

Ilustração: Mariana Baptista
PUBLICIDADE

Todo mundo já sabe que o corpo muda na menopausa. Mas será que o cérebro também muda nessa fase? Apesar de a resposta ser tão simples quanto um "sim", o assunto é um pouco mais complexo. Mas calma. Para entender, finalmente e, de uma vez por todas, por que você acha que está enlouquecendo, pedimos ajuda da médica ginecologista Patricia Valentini Melo, que foi uma querida e nos explicou tudo, tim-tim por tim-tim e de uma forma superdidática. Preparada? Então, vamos lá.

Hormônios em baixa

"Antes de falar sobre o cérebro, é preciso falar dos hormônios, os grandes mensageiros químicos do nosso corpo, que são produzidos pelas glândulas. Cada glândula do nosso corpo produz diferentes tipos de hormônios. Esses hormônios saem viajando pelo nosso sangue até chegarem aos órgãos que têm receptores celulares para eles. É como se os receptores celulares fossem fechaduras, e as moléculas de hormônio fossem as chaves. Uma coisa que precisa dar match, entendeu? Aí, quando a chave (hormônio) acha sua célula (fechadura), ele diz o que ela tem que fazer, ou seja, qual a função dela, o que ela tem que produzir, se é uma proteína, se é outro hormônio, enfim, qual papel ela tem que desempenhar para dar tudo certo. Dito isso, agora vamos focar nos hormônios ovarianos, que são os da menopausa, para entender o porquê de você estar com aquela sensação que precisa de férias de seis meses duas vezes ao ano. Os mais importantes são o estrógeno e a progesterona que, durante a meno, caem e tudo começa a 'falhar'. Eles são os grandes reguladores metabólicos do organismo feminino. São verdadeiros maestros, responsáveis por mais de 400 funções metabólicas femininas, ou seja, eles vão muito além da função sexual. E uma dessas funções é justamente garantir o bom funcionamento do cérebro, coisa que fica alterada quando esses hormônios caem!"

PUBLICIDADE

Mulherada do céu, vocês estão entendendo agora o motivo de toda essa piração na meno? Com a função dos tais hormônios mensageiros capenga, basicamente o que poderia ser um e-mail revisado vira um verdadeiro telefone sem fio, onde a mensagem inicial "vai dar tudo certo, viu?", na menopausa vira "vai para a puta que pariu!". Mas voltando para a explicação da dra. Patricia Valentini Melo:

Aquele calorão

"Com toda essa desordem hormonal acontecendo, os vários centros nervosos ficam com suas funções descontroladas, gerando insônia, variações de humor, ansiedade, cansaço, depressão e aqueles famosos calores, conhecidos como fogachos. E aqui uma informação muito importante: estudos recentes comprovam que os fogachos não são tão benignos assim. Eles são marcadores de risco cardiovascular que podem indicar doenças lá na frente, como infarto, AVC e risco de demência. A cada onda de calor que sentimos, são liberadas na corrente circulatória substâncias inflamatórias que lesam vasos, neurônios. Por isso, um nível hormonal regulado é o fator mais importante contra a neurodegeneração. O hipotálamo tem o nosso centro regulador da temperatura e é totalmente dependente de estrógeno. Quando a gente entra no climatério e os nossos hormônios começam a flutuar, subindo e descendo toda hora, que nem montanha russa na Disney, sob fortes emoções do dólar a mais de 5 reais, esse centro de temperatura regulador da temperatura corporal é desestabilizado. Ou seja, o reequilíbrio hormonal não é só para ter uma qualidade de vida no presente, mas também para prevenir essas doenças que podem aparecer no futuro, provenientes dessas alterações todas. E quem não pode usar hormônios equivalentes, pode recorrer aos fitoterápicos e várias práticas saudáveis. Sem nos esquecermos, claro, que a reposição, se for o caso, deve ser feita antes das doenças crônicas já estarem instaladas, porque senão já pode ser tarde demais."

PUBLICIDADE

Reposição hormonal precisa de aliados

"Apesar da reposição ajudar muito, ela sozinha não faz milagre. O estilo de vida na meno precisa ser muito saudável, porque hormônio não substitui um estilo de vida errado. A reposição é só um ingrediente do bolo inteiro. Outros ingredientes fundamentais são não comer produtos industrializados, processados e ultraprocessados, pois eles causam muitas inflamações; não passar o tempo todo estressada; porque prejudica o cortisol, o que influencia negativamente nos níveis de estrógeno e progesterona."

Durma bem e pense melhor

"Outro cuidado importante é dormir direito. É durante o sono profundo, sob a ação da melatonina, que a gente fixa a memória. E na menopausa, quando a gente não tem estrógeno e ainda não dorme, acaba perdendo a velocidade de raciocínio, não fixando a memória recente e tendo névoa mental. O estrógeno e a progesterona são protetores naturais da memória agindo em uma parte do cérebro chamada hipocampo."

Já as oscilações de humor, a tristeza que vem do nada, aquele acordar e não se reconhecer, ansiedade, irritabilidade, depressão, isso tudo tem a ver com a flutuação hormonal e a instabilidade da amígdala. A boa notícia é que estudos mostram que a meditação mindfulness age diretamente na amígdala e até modifica a anatomia cerebral (ela cresce) melhorando muito a ansiedade e depressão"

Mais um motivo para se cuidar

A neurocientista Lisa Mosconi, Fundadora do departamento de neurologia "Women's Brain Initiative" na Weill Cornell Medicine, em Nova York, faz coro com a dra Patrícia e ressalva que além de tudo isso, há algo ainda mais sério que merece atenção. Em seu livro The XX brain e nesta palestra, em que ela explica como a menopausa afeta o cérebro, Lisa diz que a queda do estrógeno pode potencialmente promover a formação de placas de Alzheimer. MAS CALMA. Isso não quer dizer que todas as mulheres desenvolvem as placas e nem que todas com placas desenvolvem demência. Ter as placas é um fator de risco, não um diagnóstico. Pensamos na menopausa como pertencendo à meia-idade e Alzheimer como pertencendo à velhice. Mas, na realidade, estudos mostraram que o mal de Alzheimer começa com alterações negativas no cérebro anos, e até décadas, antes dos sintomas clínicos. Ou seja, para as mulheres, esse processo pode começar na meia-idade, durante a menopausa. E se por um lado isso não parece ser uma boa notícia, por outro lado é uma ótima notícia. Afinal, saber disso permite que se tenha uma espécie de linha do tempo sobre onde começar a investigar essas mudanças.

Resumão para facilitar a vida

Bom, se você conseguiu registrar tudo que foi dito até agora, parabéns, talvez você ainda não esteja na menopausa. Mas, para quem, como nós, já começou a sentir os efeitos da queda do estrógeno no cérebro, aqui vai um resumão para chamar de seu e arrasar no próximo rolê com as amigas.

• Associamos a menopausa aos ovários, mas quando as mulheres dizem que estão tendo ondas de calor, suores noturnos, insônia, lapsos de memória, depressão, ansiedade, esses sintomas não começam nos ovários. Eles começam no cérebro. São sintomas neurológicos.

• A parte do cérebro que regula o humor podendo causar ansiedade, depressão ou mesmo variações como "de manhã não me reconheço e, à tarde, como eu gostaria de nunca ter te conhecido" chama-se amígdala.

• O controle de temperatura que mais parece aquela brincadeira de criança, "quente ou frio", em modo acelerado, acontece no hipotálamo. Aliás, é nele também que acontece a falta de memória.

• O tronco cerebral é o encarregado de dormir e acordar. Quando o estrógeno não ativa o tronco cerebral, temos problemas para dormir.

Sim, como você pode perceber, uma coisa está atrelada a outra. Praticamente é um grande efeito dominó, mas, com tanta informação, já dá para começar a mexer as pedras certas, né? Ah, e caso o estrógeno não te faça esquecer, aquele beijo para as amigas!

Camila Faus e Fernanda Guerreiro são criadoras do @shet_alks. Uma plataforma de conteúdo feita para mulheres que acreditam que a idade dos "enta" rima com experimenta.

Tenha acesso a conteúdos exclusivos
ASSINE A ELLE

A ELLE Brasil utiliza cookies próprios e de terceiros com fins analíticos e para personalizar o conteúdo do site e anúncios. Ao continuar a navegação no nosso site você aceita a coleta de cookies, nos termos da nossa Política de Privacidade.

Assine nossa newsletter

Doses Semanais de moda, beleza, cultura e lifestyle, além, é claro, de todas as novidades e lançamentos da ELLE no seu inbox.
Increva-se gratuitamente.