Cadastre-se em nossa newsletter para ler este e outros artigos.

Doses semanais de moda, beleza, cultura e lifestyle, além, é claro, de todas os lançamentos da ELLE!
Inscreva-se gratuitamente.

  • ASSINE NOSSA NEWSLETTER
  • O melhor da ELLE direto no seu inbox! Inscreva-se gratuitamente.
  • INSCREVA-SE AQUI
PUBLICIDADE

Quando eu sentei para ver Da África aos EUA – Uma jornada gastronômica, esse lindo documentário que a Netflix transformou em série de quatro episódios, pensei logo nos primeiros minutos:

"Por que só agora estou vendo isso?"

O fundador da Whetstone, revista especializada em reflexões sobre alimentação e cultura, Stephen Satterfield, nos conduz por uma jornada emocionante pelas origens e histórias africanas contadas por meio da culinária. Penso que seja um consenso dizer que gastronomia é cultura. Mas aqui, para o povo negro da diáspora, conseguimos aprender que é muito mais que isso. A culinária é transformação humana através de um passeio por histórias ancestrais não contadas ou não valorizadas o bastante para permanecer na memória do mundo.

Quando Satterfield fundou a revista, ele já era um respeitado sommelier e empreendedor social, conhecido por promover o vinho como um catalisador para o desenvolvimento socioeconômico dos trabalhadores negros do setor na África do Sul.

Satterfield é considerado uma das vozes mais proeminentes e respeitadas na mídia gastronômica dos EUA e, por isso, foi a escolha perfeita para apresentar esse documentário aclamado pela crítica e pelo público norte-americano (sobretudo de ascendência africana).

Registrando as origens da comida que definiu os EUA através de uma investigação em terras africanas, a jornada começa pelo Benin, na África Ocidental, mais exatamente no mercado de Dantopka, popularmente chamado de Topka, que é uma das maiores feiras ao ar livre da África Ocidental.

PUBLICIDADE

A guia turística desse primeiro episódio é a simpaticíssima Dra. Jessica B. Harris ou, como é carinhosamente chamada, Dra. J, que foi editora de viagens da revista Essence e escreveu mais de dez livros sobre alimentos e hábitos alimentares da diáspora africana, resultado de sua longa pesquisa em que se dedicou a "rastrear" e identificar a relação ancestral presente nesse aspecto da vida de pessoas afro-americanas.

Em meio a conversas afetuosas, eles se dirigem à feira de Topka, onde param na barraca do quiabo e refletem sobre como esse legume faz parte da essência da culinária africana.

O quiabo, além de ser africano (coisa que eu não sabia), foi um dos principais alimentos que atravessaram o Atlântico com os escravizados. Ele é uma das principais conexões entre o povo negro da diáspora e a África e era usado para engrossar ou dar espessura a caldos, aparecendo em todas as receitas de ensopado produzidas por pessoas que dominam a culinária africana. Na Europa, o quiabo é chamado de gombo, tanto no francês quanto no inglês.

PUBLICIDADE

Outros alimentos que entram na narrativa inicial são o inhame e o feijão-fradinho. O inhame, segundo a Dra. J, até hoje é confundido com batata-doce na América do Norte, porque os negros da diáspora usavam essa raiz para substituí-lo, já que o inhame não era cultivado nessa região por motivos de diferença de temperatura.

O arroz, que muitos atribuem unicamente à culinária asiática, e a melancia também são de origem africana. Outro elemento importante que liga a diáspora com a África é o azeite de dendê. Como podemos notar, esses alimentos nos são extremamente familiares, mas raramente são apontados como de origem africana.

Há um questionamento importante nesse primeiro episódio, feito por uma influenciadora chamada Karelia Vignon, que relata em seu perfil no Instagram suas experiências com a culinária de diversos países africanos, como Senegal, Costa do Marfim, entre outros: "Por que nossa culinária não é tão popular e reverenciada quanto a asiática ou a francesa?" Ela reflete que, para além das desigualdades sociais presentes na sociedade ocidental, se tolera a fome porque os ocidentais, diferentemente dos africanos, não desenvolveram uma ligação espiritual com a comida. Para o povo africano das mais variadas etnias e culturas, o alimento é, antes de mais nada, um conforto espiritual que compõe nossa saúde mental. É curiosa essa afirmação de Vignon, pois muitos profissionais associam a compulsão alimentar a algum fator emocional e muitos relatam o uso da comida como alívio do stress ou da carência afetiva.

Uma questão interessante é o apagamento quase que completo do segmento mais sofisticado que a culinária africana vem desenvolvendo, sobretudo por uma gama de jovens chefs e gastrônomos de diversos lugares do continente. Ou seja, a comida africana, frequentemente associada ao exotismo e/ou à sub-qualidade, também pode fazer parte do que o Ocidente chama de gourmet. Destaco o lindo trabalho do Chef Sedjito Ahouansou, apresentado na série, que não deixa nada a dever para as culinárias europeias supervalorizadas e copiadas pelo mundo afora.

Abomei, Benin, ou "nós fomos arrancados daqui"

Benin era um polo do tráfico transatlântico de escravos. O ápice do primeiro e mais simbólico episódio é a passagem do apresentador por Abomei, cidade desse país, que foi capital do reino de Daomé.

Nesse reino, existia um regimento composto apenas por mulheres, que seriam grandes guerreiras, responsáveis por intimidar durante muito tempo as potências colonizadoras e escravistas.

Diz a história que Daomé foi o maior dos reinos escravagistas. Havia uma vontade de fazer o reino expandir. Então, traziam pessoas para lá e enviavam outras quando os europeus solicitavam. Um historiador entrevistado na série diz que, de fato, o Benin participou do comércio de escravos, negociando africanos com a Europa. Mas pagou um preço terrível por isso. Os escravos marchavam de Abomei para Ajudá, percorrendo uma longa estrada de terra, e quando chegavam lá, eram entregues aos europeus. A travessia levava cerca de quatro dias.

Outro destaque é a cidade de Ganvié, também no Benin: uma aldeia construída sobre o rio onde começou a lenda do Vodu.

Vodu é a principal prática religiosa do Benin, adorado como uma fé única e comum a todos, apesar de o país ter religiões do mundo inteiro. Satterfield entrevista a Anciã (uma espécie de cargo) de Ganvié e é ela que conta como a cidade foi fundada.

Segundo ela, a cidade foi formada por beninenses que conseguiram fugir dos mercadores de escravos. Entre eles, havia um sacerdote vodum muito poderoso. Quando chegaram à costa, o sacerdote, que tinha poderes mediúnicos, pediu para que os demais esperassem. Ele, então, chamou um falcão, que o pôs nas costas e o levou a sobrevoar a área. Acabaram encontrando a ilha de Ganvié.

O sacerdote voltou para buscar os demais e realizou outro encantamento, que fez surgir um crocodilo. O animal atravessou as águas com eles nas costas até chegar à ilha – Ganvié quer dizer "estamos seguros".

O povo que mora em Ganvié chama-se aizo e a língua falada é o tofinu (to = água e finu = população), ou seja, povo da água. O lugar onde se enterra os mortos em Ganvié é o mesmo onde a cidade se iniciou.

O principal peixe consumido na cidade é a tilápia, preferencialmente frita. O comércio sobre as águas, em barcos simples, é bonito de se ver e o colorido das roupas é um detalhe à parte que torna o lugar ainda mais bonito.

Nesse primeiro episódio, o apresentador também passa pela cidade de Porto Novo e visita o estúdio do artista Romuald Hazoumè, que é símbolo de perseverança e resiliência através da arte. Ele é conhecido no mundo inteiro, mas não sai de sua cidade de origem.

O artista tem como principal fonte de inspiração o sentido muito forte de conexão e pertencimento entre as pessoas que ali vivem, e tenta representar isso usando referências e histórias locais na sua produção.

Esse primeiro episódio termina com a chegada a Ouidah (Ajudá), o lugar mais marcante e doloroso para pessoas negras estarem. Esse local, que foi o principal ponto de negociação de pessoas africanas, de onde partiam e chegavam os escravistas, hoje é um memorial. As pessoas tiram os sapatos para entrar e rezam pelos ancestrais que não conseguiram retornar para a mãe África.

"O único poder que os recém-escravizados tinham era o poder da recusa. Às vezes, eles conseguiam dizer não, fechar a boca e recusar a comida." Dra. J

A emoção do apresentador, nessa hora, pega os corações mais sensíveis. A Dra. J conta que, para os escravizados sobreviverem à travessia do Atlântico, eles se alimentavam de "molho de baba", que era preparado com farinha, azeite de dendê e pimenta. Recusar essa "comida" oferecida pelo colonizador se converteu em uma das formas de resistência à escravidão que jamais nos foi contada: "O único poder que os recém-escravizados tinham era o poder da recusa. Às vezes, eles conseguiam dizer não, fechar a boca e recusar a comida."

Devido ao intenso apagamento das histórias de chegadas e partidas do povo africano em todo o continente, ver essa série é um mergulho ancestral. Ela nos dá a certeza de que a sacralidade da comida de origem africana, que hoje alimenta toda a América e boa parte da Europa, é um portal de resgate de histórias que sentimos no fundo da alma, apesar de não termos a oportunidade de ouvi-las da boca de quem as construiu.

Sendo eu uma pessoa negra, só me resta agradecer aos produtores, ao apresentador e a todos os envolvidos nessa produção. Muito obrigada ou, como dizem no Benin, Awanou ka ka!

Joice Berth é arquiteta, urbanista, escritora, feminista e apaixonada por uma boa série. É autora do livro O que é empoderamento, da coleção Femininos Plurais.

Tenha acesso a conteúdos exclusivos
ASSINE A ELLE