PUBLICIDADE

A chegada de Bridgerton na Netflix é motivo de festa (e muitos suspiros) para quem não resiste a um romance de época com uma dose certeira de crítica social e cenas de sexo de tirar o fôlego. A série acompanha a busca de Daphne (Phoebe Dynevor), filha mais velha da poderosa família que dá nome à produção, por um bom casamento. Além de atender às pressões da sociedade londrina do Período Regencial, a jovem também sonha em encontrar seu verdadeiro amor durante a temporada de bailes.

Seu universo chacoalha ao conhecer o inflexível Duque de Hastings (Regé-Jean Page), cobiçado por todas as outras debutantes e amigo íntimo do seu irmão mais velho, Anthony. Os dois iniciam uma relação de aparências com o intuito de enganar a misteriosa Lady Whistledown, cronista à la Gossip Girl que narra as fofocas mais quentes da elite londrina, a fim de atingir seus objetivos individuais: Daphne planeja atrair os melhores pretendentes sob o suposto olhar do Duque, enquanto ele tenta afugentar as mães que insistem em lhe apresentar suas filhas solteiras mesmo ele dizendo em alto e bom som que não pretende se casar.

Daphne e o Duque de Hastings dan\u00e7am juntos em Bridgerton Daphne e o Duque de Hastings são os protagonistas da primeira temporada de BridgertonLiam Daniel/Netflix

PUBLICIDADE

Isso para ressaltar um pedacinho da história principal. Porém, ao longo de oito episódios de uma hora, outras narrativas protagonizadas por personagens tão deliciosamente cativantes quanto Daphne e o Duque são costuradas a deles, tornando todo o desenrolar de Bridgerton um deleite de acompanhar. Vale ressaltar o figurino de brilhar os olhos, uma fotografia impecável, diálogos envolventes e todo o magnetismo que as produções da Shondaland são capazes de entregar.

Bridgerton estreia no dia 25/12 com produção executiva da prestigiada Shonda Rhimes. A série, no entanto, foi criada pelo showrunner Chris Van Dusen, que trabalhou com ela em Grey's Anatomy e Scandal. É daquelas séries que aquecem o peito ao mesmo tempo em que exibem um espetáculo. Até o momento, ela atingiu 100% de aprovação no Rotten Tomatoes, site que reúne críticas de filmes e séries, e parece que vai entrar para o hall de produções televisivas icônicas com êxito.

Reunimos abaixo algumas curiosidades sobre Bridgerton. Mesmo quem ainda não assistiu pode ler sem medo, vamos avisar quando tiver algum spoiler.

Bridgerton é baseada em um livro de Julia Quinn

O Duque e eu - volume 1 da cole\u00e7\u00e3o os Bridgertons

Capa original do livro O Duque e Eu

Divulgação

A primeira temporada da série é uma adaptação do livro O Duque e Eu, da escritora norte-americana Julia Quinn. Lançado no ano 2000, ele é o primeiro de uma coletânea de nove best-sellers que, juntos, atingiram a marca de 3,5 milhões de exemplares vendidos no mundo todo.

Cada livro acompanha um dos oito irmãos Bridgertons na descoberta de seu grande amor. Apenas o último se diferencia, fazendo uma compilação de contos que respondem a perguntas importantes sobre os personagens que ficaram em aberto nas publicações anteriores.

Os nove livros que compõem série Os Bridgertons são:

  1. O Duque e eu (2000)
  2. O visconde que me amava (2000)
  3. Um perfeito cavalheiro (2001)
  4. Os segredos de Colin Bridgerton (2002)
  5. Para sir Phillip, com amor (2003)
  6. O conde enfeitiçado (2004)
  7. Um beijo inesquecível (2005)
  8. A caminho do altar (2006)
  9. E viveram felizes para sempre (2013)

A série Bridgerton vai ter segunda temporada como continuação?

A segunda temporada de Bridgerton deve focar em Anthony

A 2ª temporada de Bridgerton deve focar em Anthony

Netflix

Para a alegria dos fãs – tanto os antigos que leram os livros, quanto os novos que se apaixonaram agora – a Netflix anunciou, um mês após a estreia, que a série está renovada para a 2ª temporada. Isso já era de se esperar, já que se trata de uma adaptação de uma coletânea de livros de sucesso e de uma parceria com a Shondaland, famosa por séries longas.

Como especulamos anteriormente, a plataforma de streaming também confirmou que, assim como nos livros, a segunda parte irá focar em Anthony, primogênito entre os irmãos Bridgerton. A produção deve começar ainda neste primeiro semestre de 2021 e novos personagens irão embarcar na próxima temporada social. Quem será que irá interpretar Edwina Sheffield, interesse romântico do novo protagonista? Vamos ficar de olho na escalação!

Outros projetos da Shonda Rhimes com a Netflix

Shonda Rhimes

Shonda Rhimes é um dos nomes mais influentes da TV norte-americana na última década

Dia Dipasupil / Getty Images

Aliás, não é apenas por Bridgerton que essa união promete ser duradoura. A série de época é apenas um entre oito projetos que Shonda e sua equipe assumiram desde 2018 com a plataforma de streaming. O primeiro a estrear foi o documentário Sonhar e Dançar: O Quebra-Nozes de Chocolate, que mostra os bastidores da apresentação comandada pela bailarina, lançado em 27/11. As outras parcerias são (nomes ainda sem tradução oficial):

  • The Warmth of Other Suns

A adaptação do livro de 2010 da vencedora do Pulitzer Isabel Wilkerson foi a primeira colaboração a entrar em produção, mas ainda não tem previsão de estreia. A série terá roteiro de Anna Deavere Smith e girará em torno da fuga de seis milhões de afro-americanos do sul segregacionista dos EUA rumo ao norte e oeste entre 1916 e 1970.

  • Sunshine Scouts

Criada por Jill Alexander, atriz de Silicon Valley, a série de humor-ácido se passará após um desastre apocalíptico que poupa um grupo de garotas que estava em um acampamento. Ao longo dos episódios de trinta minutos, elas precisarão usar suas habilidades de escoteiras para sobreviver. Já está em produção, mas segue sem data de lançamento.

  • The Residence

Baseada no livro de não-ficção Por Dentro da Casa Branca (2015), de Kate Andersen Brower, a produção abordará a vida privada dos presidentes dos EUA, suas famílias e funcionários da Casa Branca. Os direitos foram adquiridos pela Netflix e pela Shondaland, mas o projeto ainda não está oficialmente em andamento.

  • Reset: My Fight for Inclusion and Lasting Change

Mais um caso de direitos adquiridos sem previsão de lançamento. Trata-se das memórias da investidora e ativista Ellen Pao sobre sua vida e carreira – incluindo o processo de discriminação sexual que moveu contra uma empresa em que trabalhava e sacudiu o Vale do Silício.

  • Pico & Sepulveda

A série situada na década de 1840 mostrará as forças norte-americanas tentando tomar para si o atual estado da Califórnia quando ele ainda fazia parte do México. A showrunner será Janet Leah, co-produtora de Mad Men e Gilmore Girls.

  • Projeto sem título

A própria Shonda comandará a série baseada no artigo da revista New York How Anna Delvey Tricked New York's Party People. A protagonista é uma jovem que aguarda a conclusão do seu julgamento após ter seu esquema de golpes contra a elite de Manhattan descoberto.

A árvore genealógica dos Bridgertons

\u200bA fam\u00edlia Bridgerton quase completa, faltando apenas Francesca, que aparece no fim da temporada

A família Bridgerton quase completa, faltando apenas Francesca, que aparece apenas no fim da temporada

Netflix

Por mais que todos tenham cenas de destaque nessa 1ª temporada, decorar o nome e a ordem de nascimento dos irmãos Bridgertons pode ser um pouco complicado à primeira assistida. A tradição da família é escolher nomes com iniciais que sigam a ordem alfabética, começando pelo primogênito Anthony e terminando com a caçula Hyacinth – ter isso em mente facilita tudo.

Os oito são filhos do casal Violet Ledger e conde Edmund, falecido alguns anos antes da história começar. A ordem de nascimento e os livros que cada um estrela são:

  • Anthony (Jonathan Bailey) 7184; livro 2
  • Benedict (Luke Thompson) 1786; livro 3
  • Colin (Luke Newton) 1791; livro 4
  • Daphne (Phoebe Dynevor) 1792; livro 1
  • Eloise (Claudia Jessie)1796; livro 5
  • Francesca (Ruby Stokes) 1797; livro 6
  • Gregory (Will Tilston) 1801; livro 8
  • Hyacinth (Florence Hunt) 1803; livro 7

O elenco diverso de Bridgerton

\u200bAo centro, a rainha Charlotte da Inglaterra, interpretada pela atriz Golda Rosheuvel - bridgerton

Ao centro, a rainha Charlotte da Inglaterra, interpretada pela atriz Golda Rosheuvel

Liam Daniel/Netflix

Uma tradição das produções da Shondaland é ter um elenco bastante diverso racialmente – e com Bridgerton não é diferente, mesmo se tratando de uma narrativa sobre a elite britânica do século XIX. Criadora dos personagens, a escritora Julia Quinn não participou do processo de escalação dos atores, mas conta em entrevistas que considerou brilhante esse detalhe importante da adaptação.

Segundo ela, a equipe de Bridgerton tomou essa decisão de maneira levemente fundamentada. Os roteiristas partiram do princípio de que a rainha Charlotte da Inglaterra (1755-1818) é considerada o primeiro membro mestiço da família real britânica por muitos historiadores.

Ela seria da 15ª geração da linhagem do rei português Afonso III com sua amante Madragana Ben Aloandro, nascida no norte da África. Por mais que o fenótipo da rainha na vida real fosse de uma pessoa branca, a produção da série escalou a atriz Golda Rosheuvel, que é negra, para interpretar a personagem inspirada nela.

A partir disso (cuidado com o mini spoiler!), criou-se a justificativa para retratar a sociedade aristocrata da época de maneira diversa em Bridgerton. Em uma cena marcante, Lady Danbury, interpretada por Golda Rosheuvel, relembra como o casamento interracial entre o rei George III e a rainha Charlotte uniu uma comunidade antes dividida por cor.

Na ficção, a esposa do soberano usa da sua posição para distribuir títulos e postos de destaque na sociedade para outras pessoas negras. Julia conta que a ideia dos roteiristas foi "e se isso fosse simplesmente aceito?" e assim foi feito. Aliás, a rainha não está presente no livro O Duque e Eu, mas é uma personagem importante na série da Netflix para além da questão racial.

Como consequência disso tudo, temos o ator Regé-Jean Page, nascido no Zimbábue, no papel do par romântico da protagonista da primeira temporada, o disputado Duque de Hastings. Importante ressaltar que é um marco significativo ter um ator negro interpretando o mocinho aristocrata em um romance de época.

Outros atores em papéis de destaque:

\u200bLady Danbury (Adjoa Andoh) e Duque de Hastings (Reg\u00e9-Jean Page) - bridgerton

Lady Danbury (Adjoa Andoh) e Duque de Hastings (Regé-Jean Page)

Netflix

  • Ruth Gemmell interpreta a matriarca Lady Violet Bridgerton
  • Os Featherington:
    • Nicola Coughlan é Penelope
    • Polly Walker interpreta Lady Portia
    • Bessie Carter no papel de Prudence
    • Harriet Cains vive Phillipa
    • Ben Miller faz o Lord Featherington
    • Ruby Barker dá vida à Marina Thompson
  • Sabrina Bartlett no papel da cantora de ópera Siena Rosso
  • Kathryn Drysdale interpreta a modista Genevieve
  • Martins Imhangbe como o lutador Will Mondrich
  • Julie Andrews é a voz da misteriosa Lady Whistledown

O figurino de Bridgerton

\u200bO figurino de Bridgerton foi todo criado exclusivamente para a s\u00e9rie, inclusive os dos figurantes

O figurino de Bridgerton foi todo criado exclusivamente para a série, inclusive os dos figurantes

Netflix

A veterana Ellen Mirojnick é a figurinista responsável pelos looks deslumbrantes – e também pelos de gosto considerado duvidoso das Featheringtons – que vemos na série. Todas as roupas foram criadas especialmente para a produção, tanto as do elenco principal, quanto dos figurantes, totalizando cerca de 6200 trajes, segundo o WWD.

Não é à toa que Bridgerton ganhou a sua própria casa de figurinos com uma equipe gigante. Foram contratados 238 profissionais – incluindo compradores de tecidos, cortadores, alfaiates, joalheiros, chapeleiros, um fabricante de espartilhos e figurinistas – para confeccionar tudo em um período de cinco meses.

Ellen descreve a paleta de cores da série como "um sundae enorme com todos os toppings. É espumoso e delicioso, escapismo total". Todos os detalhes foram pensados para era dar um ar moderno à moda da época sem descaracterizá-la completamente. Para isso, ela começou estudando profundamente as regras de vestimenta das sociedade londrina do início do século XIX para depois quebrá-las com maestria criando algo totalmente original e, ao mesmo tempo, verossímil.

As roupas espalhafatosas das Featheringtons roubam a cena muitas vezes\u200b

As roupas espalhafatosas das Featheringtons roubam a cena muitas vezes

Liam Daniel/Netflix

Qual o significado da abelha em Bridgerton?

A última imagem da série é a de uma abelha voando pela janela. Mais um sinal de que a continuação deve estar a caminho, já que o inseto tem função essencial no segundo livro da coletânea. Nele, descobrimos que o patriarca dos Bridgertons morreu após ser picado por uma abelha, deixando Anthony traumatizado e com pavor do animal.

Se a produção televisiva seguir o que acontece na história original, outra picada de abelha pode transformar novamente a vida do primogênito da família. Se não quiser ter a menor ideia de possíveis marcos da segunda temporada, é melhor parar por aqui...

Bem, essa picada irá provocar uma situação constrangedora com Kate Sheffield, irmã da sua pretendente Edwina, (personagens novas!) fazendo com que Anthony seja obrigado a se casar com ela. Mas não precisa ficar triste pelo visconde, logo os dois desenvolvem um romance delicioso de acompanhar.

A trilha sonora de Bridgerton

Um dos pontos altos da série é a trilha sonora. Vencedor do Emmy, o compositor Kris Bowers é o nome por trás das músicas originais e dos covers emocionantes de músicas pop em versões de música clássica. Tudo foi gravado de maneira remota, com cada músico registrando a sua parte por conta própria em estúdios caseiros. Para os covers, Kris contou com a colaboração da banda Vitamin String Quartet, famosa por fazer tributos com traços de música clássica, e do duo Duomo. São eles:

  1. "Thank u, next" (Ariana Grande) — Vitamin String Quartet
  2. "Girls Like You" (Maroon 5)— Vitamin String Quartet
  3. "In My Blood" (Shawn Mendes)— Vitamin String Quartet
  4. "Bad guy" (Billie Eilish) — Vitamin String Quartet
  5. "Strange (feat. Hillary Smith)" (Celeste)– Kris Bowers
  6. "Wildest Dreams" (Taylor Swift) — Duomo

Série mais assistida da história da Netflix

Com 82 milhões de casas assistindo à produção em suas quatro primeiras semanas desde o lançamento, Bridgerton se tornou a maior série da história da Netflix. O anúncio foi feito pelas redes sociais da plataforma de streaming no dia 27/01.

A projeção feita pela própria empresa com base nos números iniciais era de que ela ficasse em quarto lugar, no entanto a sua temporada de estreia desbancou também os sucessosThe Witcher, La Casa de Papel e Tiger King, que desceram de posição. Abaixo, está a lista de séries mais assistidas da Netflix nas quatro primeiras semanas encabeçada pela parceria com a Shondaland.

  1. Bridgerton, 1ª temporada (82 milhões)
  2. The Witcher, 1ª temporada (76 milhões)
  3. La Casa de Papel, parte 4 (65 milhões)
  4. Tiger King, minissérie (64 milhões)
  5. O Gambito da Rainha, minissérie (62 milhões)
  6. Você, 2ª temporada (54 milhões)
  7. Brincando com Fogo, 1ª temporada (51 milhões)
  8. Ratched, 1ª temporada (48 milhões)
  9. The Umbrella Academy, 2ª temporada (43 milhões)
  10. Eu Nunca..., 1ª temporada (40 milhões)

​A identidade de Lady Whistledown

bridgerton lady whistledown

Lady Whisthedown Society Papers

Netflix/ Reprodução

CUIDADO! MAIOR SPOILER DE TODOS!

Enquanto nos livros só descobrimos quem está por trás da fofoqueira Lady Whistledown na quarta publicação, na série temos essa revelação logo no último episódio da temporada de estreia.

E a resposta é a mesma das histórias escritas por Julia Quinn. A Lady Whistledown é...

Penelope Featherington!

Frequentemente ignorada nos bailes da alta sociedade, a jovem aproveita a sua "invisibilidade" para observar tudo de perto, ouvindo as fofocas que rolam no salão, as confissões entre amantes secretos, perceber as trocas de olhares, os deslizes que o álcool provoca... E assim vai reunindo tudo o que precisa para manter a sua publicação sempre bastante atualizada.

Fotos dos bastidores de Bridgerton

Liam Daniel/Netflix

Ellen Mirojnick e Phoebe Dynevor na prova de figurino



O romance de Lara Jean Covey e Peter Kavinsk se despede do público na Netflix com o filme "Agora e para sempre". Há cenas gravadas na Coreia, conflitos sobre o futuro e uma boa dose de motivos para se emocionar. Saiba mais sobre os filmes inspirados nos livros de Jenny Han.

PUBLICIDADE



Tenha acesso a conteúdos exclusivos
ASSINE A ELLE