Cultura

Cinco fatos sobre Billie Eilish

Documentário sobre a cantora, um dos fenômenos mais recentes do pop, chega ao streaming e mostra do seu homeschooling ao crush por Justin Bieber.

PUBLICIDADE

Billie Eilish fez sucesso sem sair de casa. Graças à internet, ela se tornou um blockbuster da música sem precisar de uma grande gravadora. O sucesso chegou na companhia e incentivo constante dos seus crescentes seguidores (são 77 milhões só no Instagram). Billie fez história no ano passado, ao vencer as quatro categorias principais do Grammy: revelação, melhor gravação e música (o hit "Bad Guy") e melhor álbum pop (When we all fall asleep, where do we go?, de 2019).

A ascensão da cantora de 19 anos é o tema de Billie Eilish: The world's a little blurry, que estreou no último dia 26 nos cinemas brasileiros e na Apple TV+ (disponível no país). O documentário mostra desde as sessões de gravação do disco feitas no quarto do irmão Finneas O'Connell aos bastidores da turnê mundial da cantora. O diretor R.J. Cutler (indicado ao Oscar pelo documentário The war room) registra a trajetória de Billie ao estrelato como se a câmera apenas observasse as histórias vividas por ela, quase sempre em torno de sua família.

O irmão, quatro anos mais velho, parceiro nas composições e nos shows, é produtor e multi-instrumentista, premiado com outros seis Grammys no ano passado, pelo trabalho com Billie. A mãe Maggie Baird e o pai Patrick O'Connell são os maiores incentivadores e apoio constante da filha que, apesar de escrever músicas às vezes consideradas melancólicas, reage como uma típica adolescente, empolgada, ao receber uma ligação do ídolo Justin Bieber.

PUBLICIDADE

Billie Eilish: The World's A Little Blurry — Official Trailer | Apple TV+ www.youtube.com


O gosto pela música é herança de família. Billie conta que aprendeu a compor canções com a mãe, e a tocar piano e ukelele com o pai. Desde muito cedo, ela e o irmão costumavam se apresentar em shows de calouro. Billie cantava e o irmão fazia a segunda voz, enquanto os pais dividiam o palco tocando piano e violão. Aos 13 anos, ela e o irmão postaram na internet a canção "Ocean eyes", gravada de forma caseira no quarto do irmão. O sucesso foi instantâneo. A música foi reproduzida mais de 1 bilhão de vezes nos serviços de streaming. Com o sucesso de When we all fall asleep, where do we go?, chegou ao Grammy de 2020 como a artista mais jovem a ser indicada nas principais categorias, quando ainda tinha 17 anos, e saiu como a grande vencedora da noite.

PUBLICIDADE

Billie Eilish - No Time To Die (Audio) www.youtube.com


Depois de Adele e Sam Smith, foi a vez de Billie emprestar sua voz para a música tema de um filme de James Bond. Ela e o irmão foram escolhidos para escrever e interpretar a canção do 25º filme da franquia 007, o ainda inédito No time to die. A música homônima foi lançada em fevereiro de 2020 e conquistou a melhor estreia da história da franquia 007 ao garantir o 1º lugar no site Official Singles Chart. Em meio a uma turnê, gravaram a faixa com um computador e um microfone dentro do ônibus da equipe e ainda fizeram um show no mesmo dia.

Quem é: Billie Eilish Pirate Baird O'Connell nasceu em 18 de dezembro de 2001 em Los Angeles, Califórnia.
Discografia: When we all fall asleep, where do we go? (2019)

A seguir, cinco fatos sobre Billie que são lembrados no novo documentário:

Amor de longa data: Justin Bieber é o maior crush de Billie. Durante entrevista a uma rádio, exibida no documentário, a cantora conta que, aos 12 anos, ela realmente sentia que era a namorada de Bieber. Tinha certeza de que nunca sentiria por um namorado real o mesmo amor que dedicava ao ídolo. A mãe de Billie chegou a ficar preocupada, achando que era caso para terapia, tamanha a obsessão da filha pelo cantor. Mal sabia Billie que o futuro reservaria uma surpresa. Quando "Bad Guy" virou hit, Bieber ficou encantado com Billie e quis participar de alguma faixa do álbum When We All Fall Asleep, Where Do We Go?. O disco já estava finalizado e a alternativa foi sugerir que ele colocasse a voz num remix de "Bad Guy".

Mas a aproximação entre a fã e ídolo foi sacramentada quando os dois se encontraram no festival Coachella, durante o show de Ariana Grande. O filme registra o encontro. Ao perceber que Justin se aproxima, Billie perde o rumo. Tenta fugir, mas se rende num longo abraço e chora de soluçar. Tempos depois, assim que a cantora se torna a sensação do Grammy de 2020, o celular toca. Do outro lado, Bieber, que diz estar orgulhoso do grande feito dela. Billie emenda: "Graças a você".

Justin Bieber and Billie Eilish Carpool Karaoke www.youtube.com


Namoro conturbado: no documentário, Billie está quase sempre na companhia dos pais. São poucas as amigas que aparecem no filme. Uma delas vira companheira da cantora em sua turnê mundial, depois que o namoro com o rapper Q vai para os ares. Convidado de Billie no Coachella, ele dá um perdido nela, após o show da estrela. Q é Brandon Quentin Adams, também conhecido por 7:AMP, um rapper de 24 anos. Antes de se tornar a estrela que é hoje, Billie fez uma participação em Bleaupro (2019), EP do rapper. No filme, Q parece esnobar Billie toda vez que se falam por telefone. Sabemos que a relação chega ao fim porque ela comenta que não estava feliz com o namoro. E assim que o filme foi lançado, Q virou alvo de ataques na rede. A cantora, por sua vez, pediu aos fãs que fossem sempre gentis.

A escola é em casa: Billie nunca foi ao colégio, assim como o irmão. Os pais quiseram educá-los em casa para dar uma formação mais artística daquela que receberiam numa escola tradicional. Assim, estimulariam a criatividade dos filhos. O casal fazia alguns trabalhos como ator, mas a renda da família era reforçada por bicos na construção e carpintaria. Finneas nasceu no mesmo em que "MMMBop", música do trio Hanson, era o maior sucesso. O pai de Billie ficou encantado com a música e a história dos irmãos: vindos de uma família religiosa, os Hanson passaram longe da escola e foram educados em casa. Ao que tudo indica, Billie parece não achar ruim ter seguido o mesmo caminho. Ela já disse em entrevista que tudo o que aprendeu foi no dia a dia, como a fazer contas de matemática calculando os ingredientes das receitas da mãe. Para Billie, forçar uma criança a se sentar numa sala de aula, contra a sua vontade, é quase como obrigá-la a comer brócolis. E que escolas são muito boas para pais preguiçosos.


Logomania: além do cabelo colorido, Billie tem outra marca. Ela praticamente usa um uniforme: camiseta oversize, bermudas largas, calça cargo e tênis. No documentário, dá para ver que seu estilo tomboy pouco mudou com o sucesso. Billie passou a usar mais acessórios, colares pesados, anéis em todos os dedos e, para espanto dos pais, o infalível alongamento de unhas consagrado por Kylie Jenner. A grande mudança que veio com a fama - e com os milhões de dólares: Billie passou a usar grifes como Gucci (que vestiu no Grammy) e Louis Vuitton. A exemplo das estrelas do hip hop, ela adora um logo. Até seu pijama tem a estampa com monograma da Vuitton. Antes de se apresentar no Coachella, em 2019, ela foi procurada por pelo menos 40 marcas interessadas em vesti-la.

Billie Eilish Gets Candid About Tourette Syndrome www.youtube.com


Síndrome: a cantora é portadora da Síndrome de Tourette, um distúrbio neuropsiquiátrico que se caracteriza por vários tiques motores ou vocais. No caso de Billie, com frequência ela levanta a sobrancelha e arregala o olho. No documentário, é visível que os tiques se intensificam na medida em que ela está sob estresse. Mas a síndrome não é abordada diretamente no filme. Os "ataques de tiques", como Billie se refere, são mostrados de maneira muito natural, como parte da vida dela. A cantora revelou que era portadora de Tourette no programa de Ellen DeGeneres. Contou que só não falava mais sobre isso porque não queria ter seu nome sempre associado ao distúrbio.






Sintetizador é coisa de mulher, sim! Cineastas e pesquisadoras mudam o foco da narrativa e recuperam as contribuições femininas para cena eletrônica mundial – e elas são mais antigas do que você imagina.

Tenha acesso a conteúdos exclusivos
ASSINE A ELLE