Cadastre-se em nossa newsletter para ler este e outros artigos.

Doses semanais de moda, beleza, cultura e lifestyle, além, é claro, de todas os lançamentos da ELLE!
Inscreva-se gratuitamente.

  • ASSINE NOSSA NEWSLETTER
  • O melhor da ELLE direto no seu inbox! Inscreva-se gratuitamente.
  • INSCREVA-SE AQUI
Foto: Getty Images
PUBLICIDADE

Não importa se você é Zendaya e o filme em que você atua foi selecionado entre os 21 concorrentes ao Leão de Ouro deste ano. A partir desta quarta-feira (01.09) e até o próximo dia 11, só entra na 78ª edição do Festival de Veneza quem estiver com as duas doses da vacina e apresentar um comprovante oficial – o chamado passe sanitário, ou green pass – à organização do evento.

Ao que os vídeos de paparazzi mostrando Zendaya no posto de vacinação indicam, ela já garantiu seu pivô no tapete vermelho italiano para defender Duna, ficção científica e um dos destaques do festival, estrelado por Timothée Chalamet (Me chame pelo seu nome) e dirigido por Denis Villeneuve (Blade Runner 2049). Além da atriz, veremos no tapete vermelho Kristen Stewart, que interpreta Lady Di em Spencer, filme que trata do processo de divórcio da princesa Diana e que tem como atrativo extra o figurino assinado por Jacqueline Durran, ganhadora do Oscar na categoria por Anna Karenina (2012) e responsável por figurinos marcantes, como o de Orgulho e preconceito (2005).

Para abrir o evento nesta quarta, Pedro Almodóvar e Penélope Cruz, com seus respectivos passaportes espanhóis carimbados e vacinados mostram, com Madres paralelas, que esta edição de Veneza promete ser melhor que a tímida e esvaziada versão 2020 do festival, tanto em termos de segurança sanitária quanto de qualidade cinematográfica. "É como se a pandemia tivesse estimulado a criatividade", disse o ator italiano Alberto Barbera, diretor artístico do festival, em comunicado oficial à imprensa.

Outro grande estímulo à criatividade desta edição foi a escolha do cineasta sul-coreano Bong Joon-ho para presidente do júri. A escolha do diretor do premiado Parasita reafirma a vocação plural (tanto de temáticas quanto de nacionalidade de diretores e filmes) que o evento tradicionalmente tem, embora muitos argumentem que os vencedores dos últimos anos apontam para um alinhamento com competições mainstream, como o Oscar. Nas homenagens de 2021, a atriz estadunidense Jamie Lee Curtis receberá o Leão de Ouro por sua carreira e o italiano Roberto Benigni, o Leão de Ouro de Trajetória.

Fora da competição oficial, dois filmes brasileiros marcam presença no evento. Produção original da Netflix com estreia prevista ainda este ano na plataforma de streaming, 7 prisioneiros é ambientado num ferro velho em São Paulo e trata da exploração de trabalho análogo à escravidão, com Rodrigo Santoro e Christian Malheiros (da série Sintonia) nos papéis principais. A direção é de Alexandre Morato e o filme é coproduzido por Fernando Meirelles (Cidade de Deus) e pelo estadunidense de ascendência iraniana Ramin Bahrani (O tigre branco). O longa concorre ao prêmio Orizzonti Extra, uma nova categoria lançada neste ano. Já o curta-metragem Ato é o primeiro trabalho de ficção de Bárbara Paz como diretora e trata da solidão de um homem que tem como única companhia uma prostituta. Em 2019, a atriz e cineasta ganhou o Leão de Ouro de Melhor Documentário no festival com Babenco: Alguém tem que ouvir o coração e dizer: parou.

Abaixo, uma seleção da ELLE de cinco filmes que a gente quer muito assistir (para ver a programação completa, acesse o site do festival)

PUBLICIDADE

Duna


David Lynch já adaptou para o cinema, em 1986, a mesma história agora protagonizada por Timothée Chalamet, Zendaya, Javier Bardem e Charlotte Rampling. Baseado no livro de ficção científica homônimo de Frank Hebert, que traz reflexões sobre as mudanças climáticas, Duna é dirigido por Denis Villeneuve. O longa trata da disputa entre o planeta Arrakis, que concentra o recurso mais valioso do mundo, uma droga que prolonga a vida humana e dá aos seus usuários habilidades sobre-humanas, além de uma vantagem contra o império rival, Harkonnen.

Spencer


Estrelado por Kristen Stewart no papel da princesa Diana, o filme, do diretor chileno Pablo Larraín (o mesmo de Jackie, com Natalie Portman), acompanha o fim de semana do Natal de 1991, quando Lady Di se junta à família real no Sandringham Estate em Norfolk, na Inglaterra, e decide terminar oficialmente seu casamento com o príncipe Charles. Leia mais sobre o filme aqui.

MADRES PARALELAS


O mais novo filme de Almodóvar abre o Festival de Veneza e trata da maternidade e da relação entre mulheres mães por meio das personagens interpretadas por Penélope Cruz e Milena Smit, respectivamente uma fotógrafa de meia idade e uma adolescente, que se conhecem enquanto caminham pelo corredor do hospital onde esperam por seus bebês. "São as imperfeições dessas mães, muito diferentes daquelas que apareceram na minha filmografia até hoje, que mais me atraem como narrador. Esta é a personagem mais difícil que Penélope Cruz já interpretou, e provavelmente a mais dolorosa. O resultado é esplêndido. Ao seu lado, a jovem Milena Smit torna-se a grande revelação do filme ", disse Almodóvar, em declaração no site oficial do festival. Mesmo antes de estrear, o filme foi notícia ao ter seu pôster censurado pelo Instagram no início de agosto. O cartaz, que traz um mamilo com um pingo de leite emoldurado num recorte em formato de um olho, foi retirado das redes. Menos de 24 horas depois, o Instagram voltou atrás e pediu desculpas.

THE LAST DUEL


Depois do ainda inédito House of Gucci, Ridley Scott dirige novamente Adam Driver, agora acompanhado por Matt Damon, Ben Affleck, Jodie Comer (da série Killing Eve). O filme, baseado em fatos reais, traz uma trama de traição e vingança ambientada na brutalidade da França medieval do século 14. Dois amigos se tornam inimigos mortais quando o primeiro é acusado de violentar a esposa do segundo. Ben Affleck e Matt Damon também assinam o roteiro com Nicole Holofcener.

The Power of the Dog 


Jane Campion
é uma das sete mulheres da história do Oscar a serem indicadas para o prêmio de melhor direção e a primeira a receber a Palma de Ouro do Festival de Cannes por O Piano, de 1993, o mesmo pelo qual foi indicada ao Oscar – depois dela, apenas Julia Ducournau recebeu a honraria neste ano. Na nova produção, a diretora faz sua própria interpretação do romance The power of the dog, de Thomas Savage, a partir da história de dois irmãos, que se transforma a partir da chegada da nova mulher de um deles, interpretada por Kirsten Dunst, ao rancho onde moram na Montana (EUA) dos anos 1920.

Tenha acesso a conteúdos exclusivos
ASSINE A ELLE