PUBLICIDADE

Jacquemus e sua marca são um enorme sucesso no Instagram. Com quase três milhões de seguidores, a grife francesa dispensa grandes campanhas e produções para a sua comunicação feita nas mídias sociais, e costuma apostar em fotos caseiras. O fundador e diretor criativo, Simon Porte Jacquemus, não é adepto nem mesmo de profissionais de social media. O próprio é o responsável por publicar cada uma das imagens que fotografa diretamente do seu celular.

Diante de um mercado cada vez mais competitivo, a ideia pode parecer arriscada se comparada às produções orquestradas pelas demais marcas. Entretanto, ao negar uma criação estratégica e previamente idealizada de superimagens de moda, Simon sabe muito bem o que está fazendo. Com uma comunicação jovem e fresca, o francês se afasta do tradicionalismo e se aproxima do seu público-alvo, nutrindo identificação e empatia e se colocando em uma posição mais acessível e vulnerável.


O risco deu tão certo que Jacquemus decidiu lançar um livro para apresentar mais dos seus cliques caseiros. Intitulada Images, a publicação reúne fotografias mais cruas, como escreveu Simon nas redes: "Todas as minhas imagens favoritas do iPhone em um livro! Muito animado". Em 2017, a marca já havia lançado o seu primeiro livro, Marseille Je T'aime, que reunia imagens e poemas em celebração a Marselha, cidade no Sul da França. A nova publicação, que vem com o número 2 e tem 321 fotos, foi lançada 01 de setembro e esgotou em 24 horas. Uma nova edição está agora em pré-venda, e deve ser lançada em dezembro.

PUBLICIDADE

Esta matéria foi atualizada em 1 de outubro

Em uma temporada marcada pelo esforço criativo de apresentações digitais, algumas grifes insistem em desfiles presenciais com o devido protocolo de segurança, mas duvidosa necessidade.


O site de entretenimento Deadline divulgou, nesta semana, que o filme sobre a história da marca italiana será estrelado por Lady Gaga e ainda divulgou supostos nomes em processo de negociação.


A vida mentirosa dos adultos, nova obra autora italiana, comprova que a "febre Ferrante" está longe de passar. Nesta entrevista, a psicanalista e crítica literária Fabiane Secches analisa simbolismos e ambivalências presentes nos livros da autora que arrebata leitores pelo mundo.

Tenha acesso a conteúdos exclusivos
ASSINE A ELLE