Cadastre-se em nossa newsletter para ler este e outros artigos.

Doses semanais de moda, beleza, cultura e lifestyle, além, é claro, de todas os lançamentos da ELLE!
Inscreva-se gratuitamente.

  • ASSINE NOSSA NEWSLETTER
  • O melhor da ELLE direto no seu inbox! Inscreva-se gratuitamente.
  • INSCREVA-SE AQUI
Lifestyle

Conheça o estilo Japandi de decorar

Referências japonesas e nórdicas se abraçam em uma estética que privilegia as formas puras do minimalismo, o artesanal e a harmonia com a natureza.

Foto: Divulgação / Foscarini (foscarini.it)
PUBLICIDADE

Existe um ponto imaginário no planeta onde o extremo norte e o extremo oriente se encontram. Esse lugar se chama design. Nos últimos tempos tem se falado muito dos traços comuns entre o jeito de morar dos japoneses e o dos escandinavos e o amor que ambos cultivam pelas linhas simples que utilizam ao criar móveis e objetos para o dia a dia. A tendência ganhou até nome – Japandi ou Scanese, uma brincadeira com as sílabas das palavras japonês, dinamarquês e escandinavo – e virou sonho de consumo de quem ama decoração. Mas a história é mais profunda: tem suas raízes lá no final do século 19. Nessa época, artistas dinamarqueses estiveram entre os primeiros a se aproximar da arte japonesa e a usar alguns de seus elementos em seus trabalhos, desenvolvendo uma vertente particular dentro da arte decorativa nacional. Resultado: o japonismo moldou o modernismo na Dinamarca e tornou o país sinônimo de design. Mirjam Gelfer-Jørgensen mostra a evolução desse vínculo, primeiro nos motivos e temas, depois nos materiais e processos, no livro Japan in Danish Art and Design.

Em 1919, foi a vez da Finlândia iniciar relações diplomáticas com o Japão e ver essas afinidades brotarem. O centenário dessa colaboração foi comemorado em 2019, com uma exposição organizada pela Artek, uma das empresas finlandesas de design mais celebradas do planeta, fundada pelo arquiteto Alvar Aalto e sua mulher, Aino, nos anos 1930. Batizada de FIN/JP Friendship Collection, a mostra trouxe peças que exploram similaridades e diferenças entre os dois povos, frisando o apreço pela vida simples, a admiração pelo artesanal e a harmonia com a natureza, ou seja, a essência do Japandi.

PUBLICIDADE

"A conexão entre Finlândia e Japão é um relacionamento de alma gêmea, refletida por interesses, rituais e desejos semelhantes", conta Marianne Goebl, diretora executiva da Artek. "Trabalhamos muito com os japoneses. Fizemos edições especiais da banqueta Stool 60 com as marcas de moda Comme des Garçons e Minä Perhonen, além de trabalhos com o street artist Yu Nagaba". Segundo ela, o carrinho de chá de Aalto é apontado como a maior expressão de sua paixão pelo design japonês (veja a coleção FIN/JP na galeria abaixo).

FIN/JP Friendship Collection, da Artek

Foto: Divulgação

Carrinho de chá 901.

Na Escandinávia, o hygge, que poderíamos traduzir como aconchego, está na base do morar e envolve tudo que traga acolhimento: receber os amigos, acender velas, deixar a casa à meia-luz no inverno, tomar um chá ou ler em um cantinho confortável. "Lá, o clima dita a forma de viver. O desafio é sobreviver no inverno extremo. Por isso, focamos no essencial. O design é puro, sem supérfluos, usamos apenas o que precisamos e o design é considerado um direito democrático", conta o arquiteto dinamarquês Adam Kurdahl. Ou seja: peças de qualidade, duráveis, sustentáveis e com preço justo.

Já quando se trata de Japão, as crenças religiosas têm forte influência sobre o morar. "No Xintoísmo, acredita-se que tudo tem uma alma e uma relação estreita com a natureza. Uma cadeira, por exemplo, guarda a energia do material e do artesão que a moldou. Não se trata apenas de forma e função. Há uma carga espiritual", explica Piti Koshimura, autora do blog Piti no Japão e curadora da plataforma de cursos Momonoki, sobre cultura japonesa. A resiliência e o respeito ao tempo pregados pelo confucionismo e a busca pela iluminação no zen-budismo também lapidam o interior das casas. Derivam do budismo a arte da ikebana, com seus arranjos delicados, e o wabi sabi, que propõe a aceitação da imperfeição e a importância da impermanência.

Um vaso, um arranjo

Foto: Patricia Iketa

Cerâmica de Renata Amaral, com mentoria de Rachel Hoshino. Arranjo de Tamako Toshimoto.

A arquiteta e pesquisadora Marina Lacerda destaca a indeterminação dos espaços como um aspecto importante. Uma sala pode virar um lugar para comer e depois se transformar em quarto. "Os espaços da casa tradicional não têm divisão clara, são bem flutuantes. O que estamos fazendo durante a pandemia, ao atribuir funções diferentes aos mesmos cômodos, é um princípio do morar japonês", afirma.

"O vazio e a indeterminação estão vinculados a uma forma estética que os japoneses chamam de MA. Não é um conceito lógico, racional, é um jeito de ver o mundo. Está na distância que duas pessoas mantêm ao se cumprimentar, no espaço vazio em uma obra de arte, nas passagens em silêncio dos filmes de Miyazaki. E reverbera na arquitetura. Quando um morador concebe um espaço na casa, ele não determina com antecedência o que vai fazer ali", explica Marina.

Todos esses conceitos dão boas pistas de como podemos absorver o estilo Japandi. Por que é tão atraente? Porque as duas culturas carregam referências comuns que conversam com os tempos atuais. Estamos em busca de espaços de tranquilidade, onde menos de fato significa mais. Mais reflexão, mais qualidade, mais respeito.

Simples assim

Foto: Divulgação

Estante Bastone, com design de Antrei Hartikainen.


10 passos para ter uma casa Japandi

Equilibre o minimalismo com toques calorosos e consiga o mix perfeito entre as culturas japonesa e dinamarquesa.

1. O desapego faz parte da fórmula. Nada de excessos. Tudo dentro de casa deve ter uma função.

2. Opte por cores suaves, que remetem à natureza (pense em crus, beges, brancos), inclusive no piso.

PUBLICIDADE

3. Use fibras naturais (sisal, corda, palha).

4. Integre a casa à natureza. Janelas amplas, que deem para um jardim, ou vasos em pontos estratégicos nos cômodos, para trazer o verde para dentro.

5. Aposte na madeira, de preferência em tons claros. Ela pode estar nos móveis, mas também no piso e em revestimentos das paredes.

6. Componha com texturas diferentes (tricôs e tecidos como linho e algodão em almofadas, xales e estofamentos).

7. Traga o artesanal em peças com significado (cerâmicas assinadas, por exemplo).

8. Utilize poucos e bons elementos decorativos (vasos, esculturas).

9. Mobiliário de design assinado, de qualidade e duradouro, é sempre bem-vindo.

10. Invista em iluminação natural ou suave. No inverno, velas são uma boa pedida.



Aconchego, resiliência e otimismo. Estas são as mensagens dos tons da temporada. Uma paleta que começa com o conforto dos naturais, passa pela força do cinza e explode na alegria do amarelo, promessa de um futuro cheio de boas energias.


Tenha acesso a conteúdos exclusivos
ASSINE A ELLE