Cadastre-se em nossa newsletter para ler este e outros artigos.

Doses semanais de moda, beleza, cultura e lifestyle, além, é claro, de todas os lançamentos da ELLE!
Inscreva-se gratuitamente.

  • ASSINE NOSSA NEWSLETTER
  • O melhor da ELLE direto no seu inbox! Inscreva-se gratuitamente.
  • INSCREVA-SE AQUI
PUBLICIDADE

Em um passado não muito distante, a única versão de lámen conhecida no Brasil era aquele macarrão instantâneo com tempero de saquinho, que fazia parte da despensa de qualquer república estudantil. Mas o cenário mudou: restaurantes especializados no prato, que apuram o caldo por longas horas e preparam a própria massa, mostraram que um lámen artesanal pode ser uma senhora refeição.

De origem chinesa, o prato desembarcou no Japão no século 19. Tornou-se uma refeição instantânea nos anos 1970 e uma verdadeira febre, com direito a bottons, games e milhares de cardápios dedicados a ele entre 1980 e 1990. Nos anos 2000, foi a vez do ramen (para quem quiser se aproximar da pronúncia original) conquistar a América, graças a bowls grifados por chefs famosos, como David Chang.

Em São Paulo, a combinação de um bom caldo, massa à base de farinha de trigo e coberturas (que sempre vêm apresentadas como toppings) também causa efeito – várias casas especializadas surgiram e o prato ganhou até versões autorais de chefs como Helena Rizzo, do Maní. Com a fartura de opções, a dúvida do "onde encontrar" foi substituída por "qual escolher". A gente ajuda. Confira abaixo 14 restaurantes que fazem entregas de lámen em diferentes regiões da capital paulista.

PUBLICIDADE

Hidden By 2nd Floor

Tigela de l\u00e1men com copa lombo e ovo Cebola roxa, onsen tamago e wakame incrementam a receita de Luis Yscava.Foto: Divulgação

Ao voltar do Japão, Luis Yscava queria um ramen idêntico ao que preparava por lá: um caldo natural, feito apenas com frango, vegetais orgânicos e kombu, temperado com shoyu artesanal e coberto com copa lombo grelhada, pancetta cozida e cebolinha. No entanto, o chef não segurou a criatividade e juntou um pouco de alga wakame para trazer uma brisa do mar, um toque de cebola roxa para dar uma corzinha e, por fim, um onsen tamago, ou ovo perfeito. Resultado? Além de xodó do chef, o lámen que leva o nome da casa é um dos hits do delivery.

Al. dos Nhambiquaras, 921, Moema, tel. (11) 99264-1229, @hiddenby2ndfloor.

Hirá Ramen Izakaya

lamen com caldo vermelho Na versão para viagem, a gema crua é substituída por meio ovo marinado.Foto: Divulgação

Por se tratar de um boteco, quer dizer, um izakaya, drinques, saquês e petiscos estão sempre em cartaz. Contudo, as estrelas são os lámens do ex-sushiman Daniel Hirata. Dentre as sete alternativas do menu, sua predileta é a única servida exclusivamente no salão: o kara tsukemen é um macarrão frio que deve ser chuchado em um caldo ton tori paitan (espécie de consomê de frango denso e temperadíssimo) bem quente e, na opinião do chef, não viaja bem. Em compensação, ele adaptou outro queridinho da casa, o Tony Lee, para as travessias. A inspiração coreana persiste no uso indisfarçado de pimentas num caldo que vai embalado a vácuo, para ser aquecido antes do consumo. O kimchi vai à parte e a gema crua é substituída por meio ajitama (ovo marinado).

PUBLICIDADE

R. Fradique Coutinho, 1240, Vila Madalena, tel. (11) 3031-3025, @hiraramenizakaya.

Izakaya Toki

Hipsterizado no ambiente, esse bar prepara seus próprios e fofíssimos buns e, curiosamente, serve boas sobremesas caseiras, normalmente salpicadas por matchá. Embora os noodles ensopados não sejam uma bandeira da casa, eles fazem bonito. Das três alternativas, a mais reconfortante é o missô lamen. Como diz o nome, a base do caldo é a pasta de soja fermentada. Para incrementá-lo: chashu (copa lombo), ovo marinado em shoyu, cebolinha, repolho e nori.

R. Artur de Azevedo, 986, Pinheiros, tel. (11) 3061-2349, @izakaya.toki.

JoJo Ramen


lamen com tomate e minimilho. Versão veggie é novidade da casa.Foto: Tati Frisson

No JoJo, os bowls levam diretamente ao Japão. Um dos motivos para isso é o fato de os cozinheiros terem vindo de um dos mais respeitados ramen-yas (casas de lámen) de Tóquio. São eles que preparam pacientemente caldos únicos, produzem artesanal e diariamente os noodles e capricham em cada um dos topping (as versões de carne de porco, as conservas, os ovos etc.) e dos tares (temperos). Recentemente, foi lançado o veggie ramen, caldo à base de abóbora e especiarias, onde é mergulhado o hossomen (massa fina), tomate assado, minimilho, cogumelo eryngui e cebolinhas.

R. Dr. Rafael de Barros, 262, Paraíso, tel. (11) 3262-1654, @jojo_ramen.

Kuroda

O bar aberto por um ex-lutador de sumô traz belisquetes esmerados, incluindo robatas grelhadas à perfeição e ótimos sanduíches. Mas não só. Nos dias mais frios, pedir um dos três lámens do cardápio é um autocuidado! O kara miso é encorpado, picante e cheinho de sabor. Mais light, o shoyu tonkotsu traz um fundo suíno, fatias levemente defumadas de copa lombo, acelga chinesa bem fresca e ovo com gema macia.
R. Leopoldo Couto de Magalhães Júnior, 777, Itaim Bibi, tel. (11) 3078-5220, @izakayakuroda.

Lámen Aska

As tigelas do Aska são famosas por serem fartas, deliciosas e, de quebra, terem preço justo. Da época em que as pessoas frequentavam destemidamente os restaurantes, ele era rei da aglomeração! Hoje, a casa se adaptou e envia suas receitas pelo Ifood. Dentre elas, a mais pedida é a do shio. Shio significa temperado com sal, um tradicional costume nipônico que, aqui, vem acompanhado por espinafre, naruto (a massinha de peixe branca com um espiral cor-de-rosa no meio encontrada entre os emojis do seu celular), broto de bambu, nori, cebolinha, kimchi e legumes.
R. Galvão Bueno, 466, Liberdade, tel. (11) 3277-9682, pedidos via iFood.

Lámen Kazu

A tradicional lameneria da Liberdade já havia se transferido para um imóvel maior devido ao crowd que provocava. Depois, abriu uma filial colada à Avenida Paulista. Presencialmente em qualquer uma delas, é possível eleger entre mais de uma dezena de receitas. Via delivery, porém, há somente cinco opções. A mais diferentona é o kyushu mugui misso aburi tyashu. Trata-se de um caldo típico do sul do Japão, feito com um missô branco de trigo, temperado com alho e gengibre, no qual mergulham os noodles, menma (conserva de bambu), moyashi, nirá, kombu, nori, cebolinha e duas fatias de aburi chashu (porchetta temperada com missô).
Al. Santos, 53, Paulista, tel. (11) 3251-1836, @lamen_kazu.

Maní


prato com macarrao grosso, lula e vegetais Versão de Helena Rizzo para o prato japonês.Foto: Roberto Seba

Helena Rizzo diz que a inspiração para seu lámen é, sim, a cozinha japonesa – que ela ama de paixão. Porém a chef não conteve a própria inventividade e, no lugar da massa, criou um "espaguete" de lula e um mar particular para ele, ou melhor, um delicado dashi de jamón. Sem quebrar a harmonia surf'n´turf estabelecida, ervilha-torta e alho negro complementam o fake ramen.
R. Joaquim Antunes, 210, Pinheiros, tel. (11) 3085-4148, @manimanioca.

Nóix

homem come lamen em bowl amarelo Hug lámen, direto da dark kitchen de Alex Atala.Foto: Fernando Ctenas


Da dark kitchen de Alex Atala saem nachos com guacamole, baos e também o hug lámen – ou um abraço em forma de sopa. O caldo à base de porco chega frio para que o cliente esquente no micro-ondas ou em banho-maria. A massa, por sua vez, vai separada dos toppings, que incluem barriga de porco, tomates assados, bok choi, nori e ovo.
Delivery via Rappi.

Sassá Sushi

Sucesso no salão e no delivery, o lámen do Sassá pode chegar aos supermercados.Foto: Divulgação

Filho único na casa de Alexandre Saber, o Sassá, o lámen reúne noodles, caldo e carne de porco, cogumelos shitake, kamoboko (o kani de peixe), ovo, cebolinha, broto de feijão e um toque de pimenta. Servido com sucesso no salão e pelo delivery, o empresário e sushiman já estuda levar a receita às geladeiras de empórios e supermercados.
R. Horácio Lafer, 640, Itaim Bibi, tel. (11) 3078-4538, @sassasushi.

Tadashii


No Tadashii, o lámen é tema de festival.Foto: Paulo Bau

Adepto ao antigo rodízio de sushis, o restaurante criou um festival de lámens para o inverno. Nele, o comensal elege um dos 20 caldos disponíveis como base e, na sequência, um dos cinco sabores. Dentre eles, o roastbeef lista finas fatias da carne assada, cebola roxa gratinada, milho, couve, ovo caipira, tofu e nori, ao passo que o frutos do mar combina lagostim, camarão, lula, mariscos, broto de feijão, milho, couve, ovo caipira, tofu e nori.

R. Jamanari, 40, Morumbi, tel. (11) 2579-7777, @tadashii.

Tamashiii

homem segura tigela de lamem Lámen é campeão de pedidos no Tamashii.Foto: Rafael Roncato

Fruto de um projeto itinerante, a simpática casinha especializada em ramens está prestes a festejar dois anos. Ao longo desse período, todos os dumplings, todos os caldos, todas as massas foram produzidas ali mesmo e nenhuma receita foi tão pedida quanto o shoyu. Essa sopona translúcida, delicada e aromática traz hosomen (macarrãozinho e ligeiramente resistente), copa lombo premium, menma (broto de bambu marinado), peito de frango cozido no sous-vide e ovo marinado.

R. Mourato Coelho, 53, Pinheiros, 11/3064-7334, @tamashiiramensp.

Tan Tan

Se os americanos têm David Chang, nós temos Thiago Bañares. Embora seu restaurante não use mais a alcunha de Noodle Bar, sua inauguração em finais de 2015 comprovou que, mesmo em pleno verão, uma tigela de caldo saboroso, pacientemente preparado e, de preferência, coroado com um ajitama, aquele ovo de gema cremosa que descansa em marinada de shoyu, é mais do que um delírio foodie, é qualidade de vida! E o melhor: vai bem com coquetéis. Hoje, o menu lista quatro versões, no entanto, só duas delas viajam via Rappi: o mais pedido da casa, o Kumamoto Tonkotsu (ramen com caldo de porco temperado com tarê, barriga de porco assada, cogumelo kikurage, cebolinha e alho frito) e o Tan Tan Maze Soba (uma licença poética e apimentada, visto que ele não tem caldo, mas lista copa lombo moída, bok choi, cebola roxa e ajitama).
R. Fradique Coutinho, 153, Pinheiros, tel. (11) 2373-3587, @tantannb.

Tonkotsu Barikote Ramen Maru

Para começo de conversa, tonkotsu é um tipo de lámen suíno da província de Fukuoka e, como se pode imaginar, é a especialidade do endereço, que poderia estar perdido em qualquer cidadezinha do Japão. Para ser submersa no caldo denso, apto a diversas personalizações, caso da adição do intenso óleo de gergelim preto, a kaedama (massa fina e caseira) segue congelada no delivery para não ter sua consistência prejudicada.
R. José Maria Lisboa, 118, Jardim Paulista, tel. (11) 3051-4501, @tonkotsulovers.

Tenha acesso a conteúdos exclusivos
ASSINE A ELLE