Cadastre-se em nossa newsletter para ler este e outros artigos.

Doses semanais de moda, beleza, cultura e lifestyle, além, é claro, de todas os lançamentos da ELLE!
Inscreva-se gratuitamente.

  • ASSINE NOSSA NEWSLETTER
  • O melhor da ELLE direto no seu inbox! Inscreva-se gratuitamente.
  • INSCREVA-SE AQUI
PUBLICIDADE

A dupla Mike Eckhaus e Zoe Latta, nomes por trás da Eckhaus Latta, apresentou a sua coleção de verão 2022 na sexta-feira, 10.09, durante a New York Fashion Week.

A etiqueta é conhecida por sua essência underground e, por isso, o seu retorno físico às passarelas, com convidados presentes, não poderia ser mais despretensioso. O desfile, na real, foi montado no meio da rua, em frente ao Enlightenment Wines Meadery, um cantinho descolado que faz hidromel no bairro do Brooklyn, em Nova York.

Ao som do produtor musical inglês A. G. Cook, no entanto, não foram só as garotas next door que compareceram ao evento. Estiveram presentes também os músicos Rosalía, Troye Sivan e Caroline Polachek, além da modelo-estilista-enteada-de-Kamala-Harris Ella Emhoff (no segundo dia da NYFW ela desfilou para a Proenza Schouler).

Foto: Divulgação


Nas roupas, aquele revival Helmut Lang, de pegada minimalista e esportiva que geral parece meio obcecado por agora. Pense em vestidos retos, regatas cheias de recortes e bastante assimetria e transparência. Além disso, uma malharia grudada e que revela alguns buracos. A parte de cima é mais agarradinha, enquanto que a parte de baixo fica confortável, com calças amplas e botas confortáveis.

A novidade é que os estilistas deixam um pouco de lado o jeito zen, de iogue inabalável, e partem para elementos mais sexy nessa estação. Isso vem do comprimento curtinho, dos buracos ousados e até da completa nudez — sim, o mamilo está para completo jogo. Tudo, em uma paleta de preto, branco e creme, com algumas surpresas de verde, laranja e púrpura desbotados.

PUBLICIDADE

É importante dizer que a marca foi fundada em 2016 e, desde o início, abre os caminhos para muitos desses pontos que nós vemos hoje com maior naturalidade na passarela, como o uso de modelos não convencionais, além do trabalho com upcycling, genderless, patchwork e assimetrias que dominam as modelagens agora de outras etiquetas.

Tenha acesso a conteúdos exclusivos
ASSINE A ELLE